Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Dados do inglês mo Farah vão ser analisados

11 de Junho, 2015

Atleta deve ter os dados examinados no seguimento da polémica que afecta o treinador

Fotografia: AFP

O meio fundista inglês Mo Farah, duplo campeão olímpico em Londres2012, deve ter os dados médicos examinados no seguimento da polémica que afecta o seu treinador, Alberto Salazar, suspeito de ter dopado atletas.

Edi Warner, presidente da federação inglesa de atletismo (UKA), defende o exame de todos os dados relativos a Farah e sugere mesmo, que este deve cessar, “até que todas as acusações estejam limpas”, o relacionamento com Alberto Salazar, treinador norte-americano sediado no Oregon e também responsável por Galen Rupp, vice-campeão olímpico de 10.000 metros.

“O que nós podemos é ver todos os dados sobre o nosso atleta: dados de sangue, suplementos, tudo o que tenha a ver com tratamento médico”, defendeu.

Mo Farah, 32 anos, foi no domingo ausência de última hora do meeting de Birmingham, da Liga Diamante, disse estar “esgotado” e optou por voar para os Estados Unidos, onde se deve encontrar com o treinador.

Alberto Salazar foi acusado, em investigação do Panorama BBC, de ter encorajado vários atletas a doparem-se - nomeadamente o norte-americano Galen Rupp, companheiro de treinos de Farah e que se deve dopar desde juvenil.Warner mostra-se convicto de que nada vai provar a ligação de Mo Farah e a UKA ao programa de dopagem do centro de Oregon.

“Mesmo assim devemos recomendar a Mo, ou decidir nós próprios, que o relacionamento cesse, por causa dos prejuízos sobre a reputação”, adiantou.

Mo Farah, de 32 anos, está no grupo de Salazar desde 2011 e desde então a sua carreira tem sido especialmente bem sucedida, com os dois títulos olímpicos, nos Mundiais de 2013 e nos Europeus do ano passado, entre outros sucessos

POWELL SUSPEITA
DE JUSTIN GATLIN


O jamaicano Asafa Powell, lançou na segunda-feira, suspeitas sobre a recente marca estabelecida pelo norte-americano Justin Gatlin nos 100 metros (9,74 segundos).

Depois de ter cumprido quatro anos de suspensão devido a “doping”, Gatlin, de 33 anos, estabeleceu a 15 de Maio a melhor marca mundial do ano, em Doha, na abertura da Liga de Diamante, correu três centésimos mais rápido do que o seu recorde pessoal.

“Ele corre verdadeiramente bem e tem mérito por isso, não posso dizer mais. Se estou surpreso? ... Diria que regressar e estabelecer um novo recorde pessoal é, no mínimo, surpreendente, sobretudo por ser a primeira corrida da época, mas não posso dizer mais”, referiu Powell, que também esteve suspenso 18 meses por doping e que tem a segunda melhor marca do ano com 9,84 segundos.