Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Daniel Ricciardo quebra hegemonia e vence GP da Hungria

28 de Julho, 2014

Daniel Ricciardo ocupa actualmente o terceiro lugar do mundial de pilotos com 131 pontos contra 202 de Nico Rosberg

Fotografia: AFP

O  australiano, Daniel Ricciardo, conquistou ontem, a vitória no Grande Prémio da Hungria de Fórmula 1. O piloto da Red Bull, que largou na quarta posição, aproveitou a estratégia adoptada pela Red Bull e venceu a sua segunda corrida no ano, com direito a duas ultrapassagens nas quatro últimas voltas.

Ricciardo – que já havia vencido o GP do Canadá – superou Lewis Hamilton e Fernando Alonso entre as voltas 67 e 68 (de 70 da prova). Assim, deixou o espanhol da Ferrari em segundo, na sua melhor prova do ano. Hamilton, que largou da 21ª posição, completou o pódio. Nico Rosberg veio em quarto, com Felipe Massa em quinto.

O brasileiro da Williams, fez uma prova competitiva, chegou a andar em segundo durante boa parte da corrida e contou  com a estratégia – desta vez acertada – da equipa. Kimi Raikkonen, Sebastian Vettel e Valtteri Bottas vieram logo atrás, respectivamente na sexta, sétima e oitava posição.
Apesar do resultado discreto, Rosberg  mantem-se  na liderança do Mundial de pilotos, com 202 pontos. Hamilton vem em segundo, com 191, à frente de Ricciardo (131) e Alonso (115).

Felipe Massa chegou a 40 pontos com o resultado em Hungaroring e superou Kevin Magnussen na classificação, assume o nono lugar. Quem se deu mal no começo da prova, foi Lewis Hamilton. Além de largar da 21ª posição, escapou sozinho na primeira volta e quase bateu. No entanto, em quatro voltas, já era o 17º. Três voltas depois, em plena ascensão, já era o 13º colocado.

Na 10ª volta, quando os pilotos começavam a entrar nos boxes, Marcus Ericsson (Caterham) bateu forte e obrigou a organização da prova a mandar o safety car para a pista. Favorecido pelas trocas, Massa pulou para o terceiro lugar, atrás de Daniel Ricciardo e Jenson Button – Nico Rosberg e Kevin Magnussen vinham logo atrás. Com o carro-madrinha na pista, Romain Grosjean (Lotus) também escapou e bateu.

Com a liberação da pista na volta 14, Rosberg perdeu posições e caiu para sétimo, colocou-se numa briga com Vettel e Hamilton. Massa, enquanto isso, beneficiou da parada de Button e pulou para segundo, atrás de Ricciardo. Mais tarde, na volta 23, mais uma entrada de safety car – desta vez, pela batida de safety car na recta dos boxes.

Com isso, Ricciardo e Massa foram para os boxes, voltou respectivamente em sexto e sétimo lugares. Fernando Alonso assumiu a ponta, à frente de Jean-Eric Vergne, Nico Rosberg, Jenson Button e Lewis Hamilton. Na saída, quatro voltas depois, as posições  mantiveram-se. Na volta 33, Vettel escapou no mesmo ponto da batida de Perez,  precisou de mostrar perícia para escapar de uma batida.

A partir daí, com as paradas de Rosberg (volta 33) e Vergne (35), a dupla Ricciardo e Massa ganhou posições. Na volta 39, Alonso parou, deixou  Lewis Hamilton na liderança. O britânico parou na volta 40, colocou Ricciardo, Massa, Raikkonen e Alonso nas quatro primeiras posições. Massa, pressionado por Alonso, parou na volta 46 e voltou em sexto, à frente de Kimi Raikkonen.

A partir daí, as atenções da prova  voltaram-se para Hamilton (terceiro) e Rosberg (quarto), a disputarem a posição entre si. Ricciardo parou na volta 54, voltou em quarto, com Bottas em quinto e Massa em sexto. Rosberg depois parou, com Alonso, Hamilton, Ricciardo, Bottas e Massa nas cinco primeiras posições. O finlandês parou na volta 60.

No fim, Alonso, Hamilton e Ricciardo passaram a andar juntos na luta pelo primeiro lugar. Na volta 63, com o desgaste do pneu, o espanhol da Ferrari chegou a escapar da pista, mas  manteve-se em primeiro. Hamilton, que vinha em segundo, não aproveitou – e, de quebra, ainda perdeu o segundo lugar para Ricciardo na volta 67, em manobra ousada do australiano. De quebra, passou Alonso uma volta depois e assumiu a liderança para não perder mais.