Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Desempenho de equipas agrada a Federao

Rosa Panzo - 01 de Fevereiro, 2018

Equilbrio marcou a disputa das competies nacionais

Fotografia: Edies Novembro

O desempenho das equipas que  participaram nos campeonatos nacionais de voleibol de sala das categorias de formação surpreendeu a direcção técnica da Federação Angolana da modalidade, liderada por José Monteiro. O nível competitivo exibido no evento realizado de 15 a 28 de Janeiro, na Arena da Refriango, em Luanda, foi \"positivo\".
Em declarações ao Jornal dos Desportos, José Monteiro sustentou que as equipas apresentaram bom nível técnico e organizacional.
\"Assistimos ao campeonato revestido de fortes emoções e muito espectáculo. Das categorias de iniciados a juvenis registou-se muita competitividade. Os níveis técnicos e tácticos foram equilibrados, o que tornou o evento uma festa de voleibol\", disse.
De coração aberto, revelou que \"não esperava pela alta qualidade técnica patenteada pelas equipas. \"Em cada jogo, os atletas surpreenderam-nos mais e mais. Ficamos atónitos com a qualidade de atletas que evoluem nesse escalão. Além disso, vimos o espírito de fair - play\", avaliou.
O dirigente justificou que os escalões de juvenis foram reforçados com atletas da categoria de iniciados, e foi notória como as crianças se ajudavam na quadra. O respeito marcou a diferença\", aclarou.
Um senão foi o baixo nível competitivo de juniores. José Monteiro salientou que \"a falta de competições nas províncias, constitui a causa da pouca qualidade técnica das equipas\". A título de exemplo, alguns núcleos desapareceram por falta de condições materiais e de apoios morais.
\"Há falta de incentivos, e os núcleos existentes depararam-se com muitas vicissitudes\", lamentou.
A nova conjuntura económica do país repercute-se na promoção do voleibol. A Federação Angolana não dispõe de recursos financeiros, para acudir os associados com equipamentos e outros meios de trabalho. A situação é apontada como uma das causas de desmotivação de muitos núcleos.
\"Está a ser difícil prestar apoio às equipas, porque não os temos\", justificou José Monteiro.
Em defesa da \"dama\", o dirigente assegurou que \"a gravidade da situação abrangeu também as grandes equipas de Luanda\".
\"Não está fácil manter o voleibol no activo\", reiterou.
Pela determinação dos núcleos de Malanje, Bié e do Atlético do Namibe, José Monteiro louvou-os e incentiva-os a não pouparem os esforços, quando se trata de representar as províncias nos eventos nacionais.
\"Sem apoios, as equipas enfrentaram as estradas para se juntar à grande festa do voleibol. Gastaram 16 horas para representarem as suas províncias. O Namibe está de parabéns. Estiveram bem nas duas classes (masculina e feminina). São campeões nacionais de juniores.


PARA A HISTÓRIA
Sucesso na estreia de iniciados


A Arena da Refriango acolheu de 9 a 14 de Janeiro, na província de Luanda, a primeira edição dos campeonatos nacionais de voleibol de sala, na categoria de iniciados. A prova contou com a participação de cinco equipas da capital do país. As equipas do 1º Agosto, MTA, Renascer Estoril, Petro de Luanda, Blue e a Vila Estoril estrearam-se com elevado nível competitivo. As equipas jogaram de igual para igual, e a mais nova agremiação de Luanda,  última da lista, conquistou o título de vice -campeã.
A Blue conquistou o título nacional, seguido do Renascer Estoril e 1º de Agosto. Fora do pódio ficaram , o MTA e o Petro de Luanda.

FEMININO
Na classe feminina, o MTA venceu o campeonato, seguido da Blue e  do 1º de Agosto. Estoril e Petro de Luanda contentaram-se com o quarto e quinto lugares.

JUVENIS
O equilíbrio caracterizou os jogos da primeira e segunda fases. O MTA  derrotou a Blue por 3 set a 2, no jogo da final e ergueu o troféu de campeão nacional.

JUNIORES
A classe masculina ficou marcada sob o símbolo do equilíbrio, entre Petro de Luanda, Atlético do Namibe e 1º de Agosto. Na final, os petrolíferos venceram os militares por 3 set a 0 com os parciais de 22-25, 20-25 e 19-25.
Na classe feminina, o Atlético do Namibe foi superior em toda a prova. As campeãs tiveram um pequeno desequilíbrio no jogo da final, foram forçadas a jogar quatro dos sete sets regulamentados. As namibenses defrontaram as petrolíferas que estavam animadas pela eliminação das militares nas meias -finais.
O jogo registou  um equilíbrio no placard desde o primeiro set, que foi vencido pelas meninas das terras da Welwitschia Mirabilis. No segundo set, sentiram o expelir do petróleo no campo. As meninas de Alcides Neto galvanizadas, puseram em sentido as adversárias com um parcial a favor de 27 -25. No terceiro set, sobressaiu a experiência do Atlético do Namibe que se  exibiu na quadra. As meninas de Mário Makili entraram determinadas a repor a verdade do voleibol de sala, da categoria no país. Venceram as petrolíferas por 25-19. Sem forças para suportar a avalanche do ataque das namibenses, a equipa do Petro de Luanda rendeu-se à evidencia e perdeu por 10-25.

AVALIAÇÃO
Juniores com nível
abaixo do esperado

A categoria júnior é a que apresentou o nível competitivo mais baixo, nos campeonatos nacionais de voleibol realizados no Arena da Refriango, de 9 a 14 de Janeiro último, em Luanda. A constatação é de André Pereira, coordenador das equipas da Blue.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, André Pereira justificou que \"falta trabalho aos atletas pré-seniores\".
\"Não se pode aceitar que os atletas Sub-19 se apresentem tecnicamente mal e com desequilíbrios nos aspectos tácticos\", reagiu André Pereira, antes de enaltecer \"os bons pormenores físicos\".
O coordenador das equipas da Blue sustentou que \"se não for melhorada a qualidade técnica dos juniores, pode beliscar o futuro do voleibol\". André Pereira defende que \"se trata de uma categoria que prepara os futuros integrantes das selecções de seniores\"
O membro do comité organizador disse que registou um voleibol de boa qualidade, nas restantes categorias, como os Sub-15 (iniciados) e Sub-17 (juvenis). Os jogos foram equilibrados e com boa apresentação técnica e táctica.
\"Os miúdos deixaram indicadores de um futuro promissor\", disse.