Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Desporto na Hula com inmeras dificuldades

28 de Dezembro, 2019

Grande Prmio BAI foi o maior evento desportivo realizado na Hula

Fotografia: Aro Martins (Hula)

O ano de 2019 fica marcado na história do desporto huilano como o de sobrevivência. Os desportos individuais atravessaram inúmeras dificuldades para chegar intacto ao fim. A esgrima, ginástica, ciclismo, ténis de mesa e de ténis sobreviveram graças aos carolas. Os membros da Associação Provincial da Huila sustentaram-nas com dinheiro de bolso pessoal. As promessas de alguns potenciais patrocinadores ficaram mesmo como promessas. Do papel não saíram.
As modalidades individuais enfrentaram e enfrentam carências de equipamentos como bolas, raquetes, carretos, pneus, bicicletas profissionais, pistas e outros materiais de apoio para ginásticas como cordas, fitas, massa, arco, bolas, entre outros.
A Associação dos Desportos Individuais da Huíla teve de se mobilizar para se fazer presente em diferentes eventos nacionais. A estreia no campeonato nacional de esgrima deixou satisfeita a direcção liderada por Juka Fernandes. A experiência acumulada vai permitir aos treinadores endossar competências desportivas que visem alcançar bons resultados nos próximos eventos.
No ciclismo, o ano de 2019 foi melhor que os anteriores por uma razão: Lubango acolheu a segunda edição do Grande Prémio BAI, um evento disputado em quatro etapas e contou com participações das equipas BAI Sicasal Petro de Luanda (vencedora), Kambas da bicicleta, Hotel Luso de Benguela, Amadores Cicloturistas e a União Ciclistas do Lubango.
A ginástica não deixou mal a província. Participou de todos os eventos nacionais com muito esforço dos clubes. A consagração de algumas atletas coloca a província entre as melhores de 2019, mesmo tendo cada agremiação suportar os custos de transportação e de equipamentos.
O ténis saiu da letargia e deu a sua graça com a participação nos campeonatos nacionais mesmo ainda revestida de dificuldades financeiras e organizativas. Os apoios da Federação Angolana de Ténis e a disponibilidade das direcções dos clubes foram fundamentais para a nova etapa da modalidade.
O ténis de mesa continua a ser \"o senhor todo-o-poderoso\" em Angola. Os huilanos dos escalões de cadetes e de juniores ostentam os primeiros lugares dos pódios dos campeonatos nacionais. A Huila lidera o ranking nacional nos escalões de Sub-14, Sub-15 e Sub-16. \"São os melhores de Angola\". A ausência dessas franjas nas competições internacionais deve-se à falta de passaportes. O último tenista huilano participou de uma prova internacional em 2016.
Juka Fernandes apela aos futuros gestores da Associação Provincial dos Desportos Individuais a manter com abnegação os níveis de crescimento de cada modalidade membro da instituição. Para si, foi com muito \"sacrifício e entrega\" dos membros da Associação que a Huila é vista como um dos maiores pólos de desenvolvimento do desporto em Angola.