Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Desporto na Hula faz balano negativo

Gaudncio Hamelay | - Lubango - 27 de Dezembro, 2018

Jovem huilano levou tnis de mesa angolano nos Jogos Africanos da Juventude

Fotografia: Kindala Manuel | Edies Novembro

Ténis de mesa e ginástica destacaram-se do lote de Desportos Individuais controlados na Associação Provincial da Huila, no ano de 2018. A presença de atletas huilanos nos Jogos Africanos da Juventude, realizados na Argélia, e no Campeonato do Mundo da Rússia elevou o trabalho de clubes e de treinadores locais. Alberto Chiengo levou as raquetas em Argel e Julmira Ndjepele competiu na especialidade de tumbling em Petersburgo. 
Na hora de balanço, o presidente da Associação Provincial de Desportos Individuais, Juka Fernandes, assegurou que muito não se fez por dificuldades financeiras. A crise económica, que afecta os clubes locais, emperrou o crescimento e o desenvolvimento. São os casos de ciclismo, esgrima e ténis, outros desportos agregados.
A falta de material desportivo contribuiu na redução de praticantes. A degradação de raquetes, pneus, máscaras e outros meios afastou do campo muitas crianças. “As dificuldades atingem o ténis em ritmo acelerado. Não se pode treinar um atleta se não tiver raquetes. Essas são as razões da diminuição de praticantes”, disse.
Juka Fernandes sustentou que o atleta se sente desmoralizado quando chega ao treino e fica à espera muito tempo para ter uma raquete à mão. No dia seguinte, \"já não aparece\". Só com a inversão de modelo de gestão é possível aumentar o número de praticantes. O desporto faz-se com material.
A massificação do ténis na Huila conta com apoio de duas instituições de ensino privado, mormente, os colégios Pirilampo e Anjo da Guarda. 
Para Juka Fernandes, foi \"um ano turbulento\". 
\"2018 foi um ano com muitas dificuldades, mas tivemos de contornar as situações para que as modalidades desportivas se mantivessem activas\", disse.
As transformações políticas no país trouxeram \"uma lufada de ar fresco\".
\"Temos novos líderes na Huíla, particularmente, o Governador provincial Luís da Fonseca Nunes, um homem que gosta de desporto; o director do Gabinete da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos. Por isso, estamos optimistas em novos tempos para o desporto local. Trabalhamos com a esperança de elevar o número de praticantes e manter a unidade no seio de membros da Associação em 2019\", destacou.
A ginástica foi a modalidade que mais cresceu no ano de 2018. O contributo do Benfica de Lubango e do Sporting Clube de Lubango foi fundamental. A boa gestão administrativa e financeira e a colaboração de um técnico cubano determinaram a evolução.
É esse pensamento que Juka Fernandes promete estender a demais clubes locais para que não vêem outros desportos, excepto o futebol, como \"enteados\". O mundo mudou. As vantagens competitivas e desportivas para um país estão enraizadas nos desportos individuais. O domínio dos EUA e o protagonismo da China e da Rússia nos Jogos Olímpicos de verão ou de inverno prova o contributo dos desportos individuais.
\"Os clubes apostam mais no futebol, basquetebol, andebol e voleibol e não no ténis, xadrez e outros desportos. Os presidentes de clubes devem dar também atenção e apoio a outras modalidades\", disse.
Os cinco desportos, que compõe a Associação Provincial dos Desportos Individuais da Huila, congregavam juntos em 2017 um total de 500 atletas. No ano corrente, o número reduziu para a metade: 250. Deste número, apenas 35 estão inseridos no ténis. São crianças na sua maioria. Apenas dois atletas têm 18 anos e estão a ser adaptados como treinadores.
As competições provinciais da Huila programadas no calendário de 2018 foram todas cumpridas. Os atletas não foram agraciados com prémios por falta de dinheiro. O mínimo, que se pode fazer, foi oferecer às crianças a água, bolacha, sumo e pão. Em 2019, a equipa de Juka Fernandes promete inverter a situação. 


GINASTICA
Associação aposta na massificação 


A aposta na massificação de ginástica com crianças dos três aos 10 anos constituiu num dos pontos mais fortes das actividades desenvolvidas em 2018.  A Associação Provincial de Desportos Individuais efectuou trabalhos de base, de rolamento, mini trampolim, entre outros. A gestão foi revestida de dificuldades, segundo Juka Fernandes. 
“Por essa razão, é complicado trabalhar. Não conseguimos definir, se o atleta vai para o tambling, conjunto ou outras especialidades. 
A Huíla é dona e senhora da especialidade de tumbling em Angola. Por essa razão, Julmira Ndjepele levou às terras altas da Chela ao Campeonato do Mundo de Petersburgo, Rússia. A participação foi gratificante para a Associação Provincial dos Desportos Individuais local.
O presidente da instituição, Juka Fernandes, esclareceu que as outras especialidades de ginástica não são desenvolvidas por inexistência de materiais como mini-trampolim, cavalos, massa, fita, marcos, cordas e bola.
\"Os nossos materiais estão em número muito reduzidos. Temos duas massas, uma fita, dois arcos, uma bola. Não temos cordas. Outras fitas estão rebentadas. As dificuldades são imensas\", esclareceu.
Juka Fernandes prometeu manter contactos com a direcção da Federação Angolana de Ginástica à margem da Assembleia Geral ordinária a ocorrer em Luanda. O dirigente vai pedir a Auzílio Jacob, presidente da FAG, apoios materiais. 
Os atletas apresentaram-se às competições mal uniformizados. Havia dificuldades para se adquirir equipamentos, peúgas, sapatilhas entre outros. Os membros da Associação acudiram as crianças com recursos tirados de seus bolsos. Uma filantropia.  Os atletas huilanos participaram em três competições nacionais: Benguela, Malanje e Luanda. Nas terras das acácias rubras, obtiveram o terceiro lugar do pódio na especialidade de tumbling e de conjunto. Em Malanje, Machossy de Fátima obteve o mínimo para levar o Sporting do Lubango à Taça de Angola e à Taça de Elite. Hoje, a ginasta consta da selecção nacional que começa a preparação em Janeiro em Malanje para diferentes competições internacionais em 2019. 

DESPORTO HUILANO
Mortes assombram associação  

As mortes do vice-presidente para o ciclismo, Manuel Figueiredo, e do Secretário para o Conselho Fiscal do Benfica do Lubango enlutaram o desporto huilano em 2018. A Associação Provincial de Desportos Individuais da Huíla viu-se privada do contributo de dirigentes  \"muito activos\" no desenvolvimento desportivo.
Desde o passamento físico de Manuel Figueiredo, o presidente da Associação, Juka Fernandes, garante que \"o vazio deixado reflecte negativamente na participação de ciclistas locais nos eventos nacionais\". Os que conseguiram estar, fizeram-no com meios próprios.
\"Estamos a ressentir muito desse vazio. Era um homem incansável que deu muito contributo ao desporto provincial. A nossa juventude nunca gostou de trabalhar a custo zero, mas destacou-se pelo amor ao desporto\", disse.
Juka Fernandes reconhece o serviço de pessoas que agora assumem a gestão do ciclismo local. Num grau comparativo, afirmou que \"actualmente se nota pouco empenho\". Para inverter a situação, garante manter encontros em 2019 com a direcção da Federação Angolana de Ciclismo para se definir os apoios aos atletas. A aquisição de bicicletas é \"extremamente difícil\". Garante solicitar à FACI acções de formação para treinadores e monitores locais e visitas de constatação à província. O objectivo é melhorar o ciclismo.
\"Em 2019, queremos mais engajamento do ciclismo local na promoção da imagem da província. Almejamos realizar um evento semelhante o que a província do Bengo faz com o atletismo. Estamos a idealizar o projecto. Queremos que a Huila seja a primeira no país. A intenção é internacionalizar o evento\", justificou.
O presidente da Associação dos Desportos Individuais já informou a pretensão ao novo Director do Gabinete de Cultura, Turismo, Juventude e Desportos, Osvaldo Lunda. 
Sobre a esgrima, Juka Fernandes garantiu contactar a Federação Angolana da modalidade para que se envie \"um jovem huilano à África do Sul em 2019 para formação\". A finalidade é dotá-lo de conhecimentos para que seja um formador de formadores na província.