Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Desporto universitrio sem cultura na Huila

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 15 de Fevereiro, 2018

"Queremos traar as metas e h a necessidade de se saber o nmero real de estudantes

Fotografia: Santos Pedro/Edioes Novembro

A cultura da prática desportiva está longe das instituições universitárias em Angola. Dos 19 mil estudantes inseridos em 2017 nas diferentes faculdades da Universidade Pública e nos Institutos Superiores Privados da Huila apenas 600 praticam activamente o desporto. Pelo exíguo número de praticantes, o desenvolvimento desse segmento desportivo decorre de forma tímida em terras da Chela. A constatação é do responsável pela secção do Desporto Universitário local, Manuel André António.
Para aferir outra dinâmica ao desporto universitário, Manuel André António assegurou uma nova estratégia face a dificuldades financeiras e de organização para juntar as unidades orgânicas das universidades. O trabalho cinge na recolha de dados sobre as equipas, número de praticantes e de desportos praticados.
\"Queremos traçar as metas e há a necessidade de se saber o número real de estudantes. O objectivo é dispor de um banco de atletas talentosos para formarem a selecção universitária em cada modalidade\", descreveu.
Para o êxito na edição de 2018 e impulsionar as actividades desportivas, culturais e de lazer, a direcção perspectiva trabalhar em coordenação com os directores das unidades orgânicas e os presidentes das Associações de estudantes universitários existentes na província da Huila.
Manuel André António augura que as universidades sejam mais activas, pois o desporto não é só atracção para o alto rendimento, mas contribui para o bem-estar da saúde dos estudantes.
\"O desporto aumenta e regula o sistema circulatório. O estudante tem um estímulo de percepção maior das coisas, quando pratica desporto. Por essa razão, deve ser promovido em todas as instituições de ensino\", disse.
Em 2017, as Faculdades de Economia e de Direito da Universidade José Eduardo dos Santos, Instituto Superior Politécnico Independente da Huíla (ISPIH) e o Instituto Superior Politécnico Independente Cristo Rei (ISPI), num total de 140 estudantes, juntaram-se nas modalidades de futebol onze, futebol de salão, basquetebol e atletismo. A maratona universitária foi experimental e disputou-se no modelo de Jogos Olímpicos.
Manuel André António sustenta que o desporto universitário é a base do alto rendimento. Por essa razão, deve ser disputada em modelos de campeonatos nacionais e internacionais. Por outro lado, publicita o nome da instituição universitária e da  província.
\"Angola tem possibilidade de se classificar aos Jogos Universitários Mundiais e devemos promover o gosto aos praticantes nacionais. A nossa actividade desportiva deve ser inculcada como tradição para sustentar o desporto de alto rendimento\", disse.O atletismo, futebol de salão, futebol onze, xadrez e voleibol são os desportos mais praticados nas unidades orgânicas na província da Huíla.


ANO ACADÉMICO 2018
Número de praticantes deve crescer


A Secção de Desportos Universitários da Huila pretende aumentar o número de praticantes no presente ano académico. Dos 600 estudantes actuais, a direcção de Manuel André António quer elevar a fasquia para mil praticantes.
\"A partir de mil praticantes, vamos ter uma competição universitária mais activa, recreativa e competitiva. A exemplo de outros países, os jogos universitários são muito competitivos. Alguns estudantes são campeões nacionais no desporto federado e emprestam a qualidade. É isso que pretendemos promover na Huila\", disse.
A estratégia de crescimento de praticantes passa pela realização de seminários de capacitação de dirigentes das associações de estudantes universitários. Matérias ligadas a desporto de lazer devem dominar a formação.
\"Devemos trabalhar com as associações de estudantes para nos ajudar na promoção do marketing desportivo dentro das universidades na região académica\", defendeu.
A Huíla conta com o Instituto Superior Politécnico da Huíla (ISPH), Instituto Superior Politécnico Independente (ISPI), Instituto Superior Politécnico Tundavala (ISPT), Instituto Superior Politécnico Gregório Semedo (ISPGS), Faculdade de Direito, Faculdade de Medicina, Faculdade de Economia, Instituto Superior de Ciências de Educação da Huíla (ISCED-Huíla), Instituto Superior Teológico do Lubango (ISTEL) e Instituto Superior Politécnico Sinodal da IESA.


AVALIAÇÃO
Sector feminino
é preocupante


A falta de adesão das mulheres à prática do desporto universitário preocupa o responsável pela política desportiva nas instituições do ensino superior e universitárias na província da Huíla. A direcção de Manuel André António cativa a classe, mas a adesão é fraca. Algumas unidades orgânicas possuem as equipas femininas de andebol e de futebol de salão.
\"Fomos surpreendidos pelo Instituto Superior Politécnico da Huíla e o Instituto Superior Politécnico Cristo Rei. As duas instituições têm equipas (de andebol e futebol de salão) que competiram no campeonato experimental realizado no ano passado”, enalteceu.
Pelo universo das instituições, o número de praticantes femininos é reduzido. As estudantes universitárias demonstraram técnicas muito avançadas e \"agora só falta aos dinamizadores do desporto universitário criar outras estratégias de modo a aumentar o número”.
É intenção da instituição que cada Universidade tenha uma equipa de basquetebol, de voleibol, de andebol, entre outras, para que os dados estatísticos de atletas femininas se aproximem dos masculinos.