Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Dignificar Angola no Rio´2016

Melo Clemente - 01 de Julho, 2016

Mário Rosa de Almeida está esperançoso numa boa prestação dos representantes angolanos no evento

Fotografia: José Soares

Representar o país de forma condigna nas mais variadas modalidades constitui o objectivo primordial da delegação angolana que vai  participar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, Brasil, competição a decorrer de 5 a 21 de Agosto do ano em curso.

O facto foi dado a conhecer ontem, à comunicação social, pelo Mário Rosa de Almeida, chefe da missão olímpica, durante a cerimónia de despedida da comitiva angolana que decorreu no Centro de Conferências de Talatona-CCTA, numa iniciativa da Unitel, empresa angolana de telefonia móvel.António Gomes, director nacional para a política desportiva do Ministério da Juventude e Desportos, prestigiou o acto que contou igualmente com várias figuras do desporto nacional e não só.

A Unitel, uma das principais parceiras do Comité Olímpico Angolano (COA), decidiu proporcionar aos integrantes da comitiva angolana que vão participar da maior cimeira desportiva mundial um almoço de confraternização, que serviu para tributar os atletas que vão representar as cores da bandeira nacional no referido evento que contará com mais de dez mil atletas, em representação de mais de duzentos países.O Comité Organizador dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro vai fornecer os dados finais, relativamente ao número de atletas e países que estarão envolvidos nos 19 dias de competição, quando restarem pouco menos de uma semana do arranque da competição.

Angola tem já apurado até aqui 25 atletas, em representação das modalidades de andebol, no sector feminino, natação, remo, vela, judo e tiro aos pratos.

Entretanto, o número da delegação angolana aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro poderá aumentar para 35 atletas, caso a Selecção Nacional de basquetebol em seniores masculino, que cumpre um estágio pré-competitivo no Reino de Espanha, consiga alcançar o passe de acesso aos referidos jogos, através do torneio de repescagem de Belgrado, Sérvia, prova a decorrer de 4 a 10 de Julho próximo.

Mário Rosa de Almeida mostrou-se optimista, quanto a possível qualificação dos hendecacampeões africanos aos Jogos Olímpicos, que a acontecer seria pela sexta vez tal como o andebol feminino que já assegurou a sua presença.

"A nossa delegação como sabem é composta nesta altura por 25 atletas que garantiram os respectivos apuramentos. Este número poderá aumentar para 35 caso a nossa selecção de basquetebol sénior masculino consiga alcançar o passe, através do torneio de repescagem. Estou convencido que os nossos bravos rapazes tudo farão para conseguirem tal desiderato", disse o chefe da missão olímpica que não escondeu o seu optimismo.

Na ocasião, Mário Rosa de Almeida, não escondeu o seu desagrado, face os constrangimentos que a missão tem enfrentado, relativamente as verbas que ainda não foram alocadas  pelo Ministério da Juventude e Desportos.Apesar desta situação, o chefe da missão olímpica assegurou que a preparação decorre sem grandes sobressaltos, tendo pedido aos atletas que representem de forma condigna as cores da bandeira do país no magno evento.

"Creio que de uma maneira geral tem sido uma preparação possível, não é de forma alguma a preparação ideal. Como sabe o país atravessa um momento bastante crítico na sua económica e não faz sentido estarmos a reclamar sistematicamente destas dificuldades. Vamos nos adaptar a realidade e procurar fazer um esforço no sentido de que os nossos atletas possam representar condignamente o país. Toas as modalidades estão a prepara-se, o tiro está em Portugal, a natação está entre Luanda e Portugal, o remo está em Sevilha, o judo na Hungria, e o andebol feminino que espero que na próxima segunda-feira possam dar início ao trabalhos de preparação".

Em face dos constrangimentos financeiros está colocada da parte qualquer possibilidade do sete nacional realizar um estágio pré-competitivo, antes de rumar para o palco da competição.

"Espero que o andebol arranque de forma efectiva a sua preparação já que do meu ponto de vista, a realização do campeonato provincial, a participação na taças das taças africanas de clubes e o campeonato nacional serviu para o meio de preparação para as nossas senhoras que deverão trabalhar nos próximos vinte dias para posteriormente seguirem viagem para o Brasil".

Mário Rosa de Almeida fez saber por outro lado, que os primeiros integrantes da comitiva angolana aos Jogos Olímpicos, começam a escalar a cidade do Rio de Janeiro em direcção a vila olímpica, no dia 24 de Julho, sendo que os últimos chegam a 31 do mesmo mês. As comandadas de Filipe Cruz vão realizar já no palco da competição seis a sete jogos de controlo, ainda de acordo com Mário Roda de Almeida.


Reconhecimento
"Kikas" e N´tyamba enaltecem iniciativa


O antigo capitação da Selecção Nacional de basquetebol em seniores masculino, Joaquim Gomes "Kikas", enalteceu a iniciativa da Unitel, empresa angolana de telefonia móvel, que proporcionou ontem no Centro de Conferências de Talatona-CCTA, um almoço de confraternização entre a delegação angolana e os antigos atletas olímpicos.

"Kikas" que teve o privilegio de disputar os Jogos em Atenas, Grécia, em 2004, país considerado berço do olimpismo, desejou boa sorte a toda comitiva angolana, tendo afirmado que o número poderá aumentar com a integração do basquetebol masculino.

"Penso que iniciativas do género devem ser sempre enaltecidas, porque é extremamente reconfortante que os integrantes da comitiva comessem já a ter o espírito de grupo. Acredito que este encontro vai aproximar os atletas das mais variadas modalidades que têm a exclusiva missão de representar as cores da bandeira do nosso país. Eu quando participei não tive este privilegio e o contacto que tivemos com outros integrantes da delegação foi apenas na vila olímpica e não houve aquela empatia entre nós". 

Joaquim Gomes "Kikas" reconheceu que o seu ciclo da Selecção Nacional chegou ao fim, tendo afirmado que os seus colegas poderão trazer a qualificação.

"Nada na vida e eterno. Eu quando entrei para a selecção sabia que uma dia iria abandonar para deixar o lugar aos mais jovens e sinto um orgulho muito grande por ter representante as cores do país durante 20 anos nas mais variadas seleçções. Infelizmente o basquetebol masculino não conseguiu o apuramento directo mas, vai tentar fazê-lo no torneio de Repescagem".

O mesmo pensamento foi partilhado pelo antigo fundista João N´tyamba, atleta com mais presenças em Jogos Olímpicos, num total de seis.

N´tyamba disputou as edições de 1998, em Seul, Coreia do Sul,  Barcelona, Espanha, em 1992, Atlanta, Estados Unidos da América, 1996, Sidney, Austrália, 2000, Atenas, Grécia, 2004 e Pequim, China, em 2008. 
M.C




Reacção
Atletas valorizam acto


"Esperem mais uns 30 dias e estaremos lá, no Rio a retribuir este carinho que começamos a sentir da parte do povo angolano", foi com estas palavras que, emocionado, o nadador Pedro Pinotes falou sobre a iniciativa da Unitel, que acabou por ser a primeira grande manifestação de apoio aos atletas apurados para os jogos do Rio2016.

"Estas iniciativas são muito importantes, porque o nosso desempenho lá depende de todos, todos serão importantes. É muito bom para nós atletas ter a visibilidade, o reconhecimento da sociedade. Estive em Londres e penso que no Rio2016 vai ser especial, creio que vai ser um momento único para todos os atletas falantes do português", destacou.

O velejador Paixão Afonso, que faz dupla com Matias Moutinho, na classe 470, considera que o evento é um grande incentivo para os objectivos a que cada um se propõe. "Agradecer a Unitel e, isto é uma forma de dizer que há pessoas que acreditam no nosso potencial e pode impulsionar bons resultados da nossa parte. Estamos a trabalhar e vamos dar o melhor", prometeu.

A guarda-redes da selecção nacional sénior feminina de andebol falou da importância o acto e solicitou que mais eventos do género se realizem. "É nestes eventos que temos contacto com pessoas que podem nos dar a maior força na materialização de um objectivo desportivo".

Para a guarda-redes jogar no Brasil vai ser como "jogar em casa".A convocatória da selecção nacional ainda é desconhecida, por isso Cristina Branco refere que vai trabalhar arduamente para merecer a confiança do treinador e materializar o sonho olímpico.

"É o sonho de qualquer atleta, por isso vou trabalhar para poder estar entre as convocadas", disse.

Wuta Dombaxi, outra andebolista mostrou louvou a iniciativa que para si é uma homenagem. "É a primeira vez que alguém se disponibilizou para homenagear os atletas que se apuraram para os jogos, temos que agradecer e esperar que mais entidades se juntem a este feito da Unitel e de nossa parte, toda a disponibilidade para trabalhar e levar o nome de Angola bem alto", comentou. 
Silva Cacuti


Apoio
Unitel transporta
comitiva angolana


A missão olímpica angolana para os jogos do Rio 2016 recebeu ontem garantia de transporte para o local da competição por parte da empresa de telefonia móvel Unitel. A garantia foi dada ontem, por Eduardo dos Santos, chefe de departamento de vendas da Unitel, durante um acto de apoio promovido pela empresa, no Centro de Conferências de Talatona.

Sob o lema "Unitel Rumo ao Rio", o encontro presenciado pelo director nacional dos Desportos, António Gomes, pelo director-geral da empresa Tony Dolton e por Mário Rosa, vice-presidente do Comité Olímpico Angolano (COA) juntou os integrantes da actual missão olímpica e membros de missões olímpicas anteriores e proporcionou um momento de convívio entre várias gerações de atletas olímpicos.

" Uma das acções é que é que vamos garantir que toda a missão olímpica possa estar contactável, tanto em termos de voz ou dados, para que tenham acompanhamento. Também vamos garantir que a missão se desloque para o Rio, garantindo o suporte das passagens. Outras acções vamos, pontualmente, nos encontrar com o COA e analisar aquelas áreas em que possamos intervir. o mais importante é trabalhar juntos para que nas acções futuras possamos ter estruturas mais sólidas para participar em eventos como este", disse.

No acto a operadora agraciou os integrantes da missão olímpica com brindes e um almoço de confraternização. Um dos objectivos da cerimónia de ontem, disse, "é promover a união dos angolanos em torno dos atletas que vão para os jogos, para que saibam que não estarão sozinhos, mas que serão acompanhados por milhões de angolanos os seguirão a cada passo desta missão". O grosso da missão vai cumprir a preparação no país e prevê deixar o país a 24 do corrente.

Angola estreou-se em jogos olímpicos na edição de 1980, em Moscovo (Rússia), com o boxe, natação e atletismo. Em 1988, em Seul (Coreia) Angola esteve com o boxe, atletismo judo e natação. Na edição de 1992, em Barcelona (Espanha) estiveram o atletismo, basquetebol, vela, boxe, judo e natação. Em 1996, em Atlanta (EUA) jogaram para o atletismo, basquetebol, andebol, natação e tiro. Em Sidney (Austrália) participaram o atletismo, basquetebol, andebol e natação. Na edição de 2004, Atenas (Grécia) jogaram o atletismo, basquetebol, andebol, judo e natação. Em Pequim (China) na edição de 2008 jogaram o atletismo, natação, basquetebol, canoagem, andebol e voleibol de praia. Em Londres 2012 Angola esteve representada pelo basquetebol, canoagem, andebol, judo, natação e atletismo. Para o Rio de Janeiro estão apurados o andebol, canoagem, remo, vela, natação e judo.                                            
Silva Cacuti