Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Dinheiro condiciona anúcio na Lotus

26 de Novembro, 2013

A equipa Lotus foi uma das mais rápidas da época recém terminada com o finlandês Kimi Raikkonen a subir sempre ao pódio

Fotografia: AFP

Os bastidores da Fórmula 1 estão cheios de factos, tão logo terminou a época de 2013, com a consagração de Sebastien Vettel, pela quarta vez consecutiva. A Lotus concentra-se para a época 2014, mas a saúde financeira da equipa dá margem a algumas dúvidas a curto e médio prazos.Desconhece-se quem vai ser o parceiro de Romain Grosjean e se o orçamento da equipa é capaz de se converter em bons resultados nas pistas. A empresa Quantum Motorsport está a negociar desde ontem o plano para a próxima época. O consórcio liderado por Mansoor Ijaz afirmou no início deste mês que adquiriu parte das acções da equipa que pertenciam ao grupo Genii, o que salda as dívidas com o finlandês Kimi Raikkonen. A história não se desenvolveu tão bem.

A Quantum tinha interesse na confirmação de Nico Hulkenberg como titular da Lotus para 2014, mas o anúncio ainda não foi feito e a situação do alemão prossegue indefinida: Force Índia e Sauber também têm interesse no piloto. Agora, o próprio chefe de equipa da Lotus, Eric Boullier, diz que o acordo com a Quantum continua a desenrolar-se. Por isso, o anúncio do novo piloto da equipa ficou para o fim da época. “Precisamos do pacote certo para ter o piloto certo. Mas, às vezes, o piloto certo está com o pacote certo. Vamos fazer o nosso melhor para manter a nossa força. Para mim, isso é o principal: ter a certeza de que a equipa está toda junta. Isso mantém, digamos, a experiência que temos e assegura-nos de que podemos entregar os carros certos”, completou.

Para piorar a situação, o histórico de Mansoor Ijaz não é dos mais respeitáveis em investimentos. Consta do seu currículo acusações de uso irregular de empresas para a obtenção de empréstimos. Contrariado, Boullier não gostou de tocar no assunto no Circuito de Interlagos, mas mostra a confiança em Ijaz e nos compromissos assumidos pela Quantum. O chefe de equipa Eric Boullier disse que “felizmente”, não baseia o seu julgamento “apenas no Google, com todo o respeito pelo que o Google faz”, mas tem “provas muito sérias dos fundos e um bom conhecimento do que é a Quantum Motorsport”.

A luta por vagas na Lotus é a mais emblemática da Fórmula 1 para 2014. Após a saída de Kimi Raikkonen, nomes como Felipe Massa, Pastor Maldonado e Nico Hulkenberg foram cotados para a equipa. O brasileiro acertou com a Williams, enquanto Maldonado (apoiado pela PDVSA) e Hulkenberg (desejado pela Quantum) mantém-se na luta pelo lugar.

A outra vaga deve ser de Romain Grosjean. Embora o seu contrato termine no fim de 2013, a Lotus mostra-se satisfeita com o francês, que deve renovar o contrato. Ainda assim, nomes como David Valsecchi, Paul di Resta e Heikki Kovalainen estão entre os cotados para a vaga. Com ou sem suporte financeiro, o chefe de equipa Eric Boullier acredita que a Lotus vai ter pilotos competitivos para 2014. “Ainda estou confiante de que vamos ter os rostos que quero”, afirmou.

Angela Merkel felicita Vettel

A chanceler alemão, Angela Merkel felicitou no passado domingo o piloto Sebastian Vettel , por dominar a Fórmula 1 por mais um ano - o quarto consecutivo -, após a vitória no Mundial de 2013. “Felicito Sebastian Vettel pelo seu título mundial. Quatro títulos mundiais consecutivos são algo realmente excepcionais”, comentou Angela Merkel. Vettel já chegou a Interlagos com o título mundial garantido. Depois de ganhar a corrida, encerrou a temporada com 13 GP conquistados. “Como milhões de fãs, alegro-me por ele e por sua equipa. Desejo-lhes muitas mais vitórias no futuro”, acrescentou a dirigente conservadora, em nota divulgada domingo passado.

INTERLAGOS
Haddad e Ecclestone discutem reformas


As reformas no Circuito de Interlagos juntaram no último domingo, antes da última corrida de Fórmula 1, do calendário de 2013, o presidente da câmara de São Paulo, Fernando Haddad, e o detentor dos direitos comerciais da Fórmula 1, o britânico Bernie Ecclestone. A reforma na região das boxes e do paddock de Interlagos é um desejo antigo dos dirigentes da categoria e a condição para manter a competição no Estado de São Paulo.
Além da alternativa de transferir as boxes e o paddock para a área da Recta Oposta, Fernando Haddad, acompanhado em Interlagos pela vice Nádia Campeão, trabalha com a possibilidade de manter a configuração actual do autódromo, mas com uma profunda reforma.

“Esta decisão está para ser tomada. Já tinha sido tomada anteriormente e a própria organização está a rever em função do traçado de Interlagos, que é muito valorizado pelas equipas, pilotos e também pela transmissão de TV”, disse o político. Durante a visita ao autódromo de Interlagos, Fernando Haddad e Nádia Campeão percorreram justamente o paddock e as boxes. Em função do espaço reduzido em comparação com os outros circuitos do calendário, a área recebe críticas das equipas.

“Temos de decidir imediatamente, pois o recurso já está garantido pelo Ministério do Turismo e precisamos de resolver o que fazer com ele. É uma decisão conjunta, porque tem de atender a todos. Como o orçamento está garantido, já que o plano B é até mais barato do que o original, não temos dificuldades em lidar com isso”, declarou Haddad.

COM BOTTAS
Hamilton desconhece
motivo de colisão


Lewis Hamilton, apesar de não ter grandes ambições no Campeonato Mundial de Pilotos, precisava de um bom resultado no GP do Brasil para garantir o segundo lugar do Campeonato do Mundo de Construtores à sua equipa. Porém, na 47ª volta, o britânico quase viu a sua corrida acabar ao tocar no carro de Valtteri Bottas, que tentou descontar uma volta. Após o incidente, Hamilton, que teve um pneu furado e perdeu algumas posições por ter parado nas boxes, comentou que não sabe o que ocasionou o toque entre os dois. Bottas ficou pior, perdeu a roda esquerda traseira e teve de abandonar a prova.

“Acho que provoquei uma colisão, mas com um carro retardatário que tentou ultrapassar-me. Realmente, não sei o que aconteceu. Para ser sincero, preciso de ver a repetição. Realmente não sei dizer. Ele travou antes de mim e tocámo-nos. Fiz algo errado. Estou apenas um pouco aborrecido, porque perdi muitos pontos para a equipa”, comentou o britânico. Lewis Hamilton terminou a prova na nona posição. Apesar de perder alguns lugares, Hamilton viu o parceiro Nico Rosberg chegar em quinto, o que garantiu a Mercedes a segunda posição, com 360 pontos, seis a mais do que a Ferrari.
Bottas, que somou apenas quatro pontos em toda a época, reconheceu a dificuldade e lamentou ter terminado o ano sem cruzar a meta.

SURF
Tubarão-branco
mata Chris Boyd

Na manhã do último sábado, o surfista Chris Boyd, 35 anos, foi morto depois de ser atacado por um tubarão no pico conhecido como Umbilical's, próximo de Lefhanders, em Gracetown, oeste da Austrália. A perda de Boyd foi muito lamentada pelo clube Coolum Boardriders. Ele chegou a perder um braço e o seu corpo foi removido da água por um helicóptero. No mês passado, o Governo australiano anunciou o desenvolvimento de uma barreira à prova de tubarões debaixo de água, na vizinha Dunsborough, destinada a repelir os tubarões, não os aprisionando.

As praias do sudoeste permaneceram fechadas no domingo, quando as autoridades tentavam caçar um tubarão branco, principal suspeita. O departamento de pesca do Estado emitiu uma ordem para matar o tubarão, alegando que havia uma ameaça iminente de mais ataques na área. No domingo, dois barcos de pesca, helicópteros, agentes do departamento de parques e vida selvagem e a polícia retomaram a caça ao tubarão. Uma porta-voz da pesca informou que a equipa não vai matar de forma aleatória os tubarões, mas tinha de depender do que for observado. Este foi o terceiro ataque fatal em Gracetown em dez anos. Os outros foram em 2004 e 2010. Semanas atrás, um mergulhador foi mordido no rosto e no resto do corpo por um grande tubarão branco, com cinco metros de comprimento.