Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Direco cessante projecta planos para novo mandato

Hlder Jeremias - 06 de Agosto, 2016

Adelino Chaves considera positivo o trabalho levado a cabo pela direco liderada por Francisco Lopes Gonalves Afonso "Hanga"

Fotografia: Nuno Flash

A direcção cessante da Federação Angolana de Tiro tem como meta triplicar o número de fosso olímpicos existentes no país, com vista a possibilitar o surgimento de novos pólos para a massificação da modalidade em zonas estratégicas, caso os actuais corpos sociais merecerem um novo voto de confiança nas eleições marcadas para o mês de Setembro do ano em curso.

A informação foi avançada pelo secretário-geral da instituição em epígrafe, Adelino Chaves, momentos antes de deixar o país com destino à República Federativa do Brasil para acompanhar a participação do atirador nacional, Paulo Silva, nos Jogos olímpicos do Rio de Janeiro.

Adelino Chaves considera de positivo o trabalho levado a cabo pela direcção liderada pelo presidente  Francisco Lopes Gonçalves Afonso "Hanga" durante os primeiro quatro anos de mandato, razão pela qual defende a imperatividade da continuação do projecto com vista a elevação do prestigio do tiro desportivo nacional.

O responsável sustenta a sua afirmação com base no facto de serem construídos fossos olímpicos nas províncias de Benguela, Huila (Lubango e Gambos), além de Luanda, uma realidade que permitiu retirar a hegemonia das grande provas de âmbito nacional da capital do país e consequente melhoria do nível dos atiradores nas respectivas localidades.

A possibilidade de existir uma outra lista candidata às eleições, de acordo com Adelino Chaves, seria bem vinda, na medida em que o elenco do qual faz parte prima "pelos preceitos democráticos", sendo estes apanágio para o desenvolvimento de qualquer sociedade", porém deixa transparecer a convicção de que a direcção cessante reúne os requisitos para levar a bom porto os destinos das espingardas.

A forte aposta que os clubes estão a envidar para melhorar as condições de trabalho dos seus atletas é um claro sinal de que o futuro da modalidade "está a ser construído com bases sólidas", pelo que o estreitamento das relações do órgão reitor com estas instituição "faz parte das prioridades no próximo mandato".