Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Director minimiza tensão em Montreal

11 de Junho, 2015

Director de corridas minimizou discussão entre bicampeão e seu engenheiro na prova no Canadá

Fotografia: AFP

Éric Boullier assegurou que Fernando Alonso está feliz,  por estar na McLaren, mesmo diante da crise que ronda a Woking depois de mais um fracasso no Mundial. Em Montreal, o espanhol abandonou a terceira corrida consecutiva em 2015, o que não acontecia desde o  ano de estreia na F1.

O director de corridas da equipa minimizou a discussão entre o bicampeão e seu engenheiro durante a prova no Canadá
No seu regresso à McLaren, em 2015, Fernando Alonso amarga uma seca de resultados apenas comparável ao ano em que fez a sua estreia na F1, 2001, pela Minardi. Já são sete corridas com o bicampeão do mundo fora da zona de pontuação.

Alonso abandonou as últimas três corridas do campeonato, directamente prejudicado pela falta de confiabilidade do McLaren Honda MP4-30. Mas apesar da má fase que atravessa neste ano, Fernando está contente na equipa. Ao menos, é o que garante o director de corridas Éric Boullier, que procurou minimizar o diálogo tenso travado entre o piloto e o seu engenheiro em Montreal, no domingo.

O engenheiro francês descartou a ira de Alonso, depois de mais um abandono na temporada, mas reconheceu que o asturiano estava frustrado com a situação, e por ter de tirar o pé do acelerador para poupar combustível, como foi solicitado pelo seu engenheiro de pista
"Eu  vi-o depois da corrida, ele estava bem. Para ser justo com ele, eu  entendo-o, ele quer correr, mas é preciso cuidar dos pneus, tem de economizar combustível e há muito combustível para economizar", comentou.

Boullier disse também que não acredita que a McLaren possa ter os mesmos problemas desta temporada em 2016, de modo que Alonso pode  vivenciar uma temporada um pouco mais positiva.

“Se continuarmos assim no ano que vem, tenho a certeza de que ele vai enlouquecer. Mas não acredito nisso. Você pode vê-lo normalmente, ele está contente com a equipa, contente por estar onde está agora, quer vencer, quer correr, quer competir. Temos o mesmo cronograma, de qualquer forma. Ele disse-me outro dia que estava a considerar este 2015 como um ano de testes, simplesmente, para estar preparado para o ano que vem. Pelo menos ele não se colocou  numa posição em que possa sentir-se frustrado”, disse o francês.

Por fim, o director da McLaren, indagado se o brado de Alonso tinha a Honda como endereço, foi directo. "Pergunte a ele. Mas está muito claro, sim", finalizou.