Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Dirigentes discutem o futuro

19 de Julho, 2014

Luca Montezemolo é um dos principais críticos da gestão actual do desporto automóvel mais famoso do mundo onde a Ferrari procura a primeira vitória na presente época

Fotografia: DR

O presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, garantiu que o futuro da Fórmula 1 vai ser discutido em reunião, em resposta aos pedidos de diversos dirigentes. Em entrevista ao jornal italiano Gazzetta dello Sport, o dirigente confirmou que já planeava organizar o evento, antes de as reclamações aumentarem, referindo-se a Luca de Montezemolo, presidente da Ferrari, que voltou a cobrar uma postura da entidade.

Jean Todt assegurou que vai atender “uma mesa de patrocinadores, jornalistas, medias, organizadores, pilotos actuais e do passado e os construtores”. O responsável máximo da FIA realçou que vai acolher “as propostas mais interessantes” sem ter de responder a Montezemolo.

Jean Todt disse que tem um “um grande respeito por todos os competidores nas corridas, em particular, pelo o que a Ferrari fez, faz e deve fazer”.

As principais reclamações sobre a actual situação da F1 são a respeito das regras, consideradas rígidas demais por dirigentes e pilotos. A preocupação dos envolvidos na categoria é que a competição fique “chata” e não desperte mais o interesse do público.“Tédio? Não vejo isso. Acima de tudo, não vejo ninguém levantar o acelerador nas corridas a fim de economizar combustível. Nas corridas, sempre houve a busca da máxima eficiência: quanto menos combustível colocar no tanque, mais leve é o carro e mais rápido pode ir. Dez quilos de combustível são cerca de quatro décimos por volta”, completou o dirigente que rebateu uma das principais críticas que é a economia de combustível.

Um dos maiores críticos da forma como a F1 é realizada actualmente, Montezemolo pressionou a FIA ao afirmar que ia agir por conta própria, caso a entidade que regula o desporto não fizesse alguma coisa, além de criticar as regras. Satisfeito com a resposta de Todt, o presidente da Ferrari comemorou o atendimento da solicitação.

“Ninguém se preocupa mais com o futuro da Fórmula 1, do que a Ferrari, porque está no centro da nossa vida diária. Estamos satisfeitos que o presidente da FIA deu as boas vindas à iniciativa e agora a FOM (Formula One Management) deve fazer o mesmo, o mais rápido possível, para trabalhar em conjunto de forma construtiva para o bem deste desporto maravilhoso”, disse.


GP ALEMANHA
Lewis Hamilton
supera Rosberg

O britânico, Lewis Hamilton, deu o troco ao alemão Nico Rosberg no segundo treino livre para o Grande Prémio da Alemanha de Fórmula 1. Após ter visto o piloto da casa conseguir o melhor tempo da primeira sessão do dia, o inglês superou o companheiro da Mercedes por apenas 0s024 na sessão que encerrou o programa do dia em Hockenheim.

Hamilton rodou no tradicional circuito alemão a 1min18s341, bem próximo do tempo estabelecido por Rosberg: 1min18s365. A dupla da Mercedes não levou grande vantagem sobre o australiano Daniel Ricciardo, terceiro colocado. O piloto da Red Bull andou a 1min18s443, apenas 0s102 atrás do britânico.

Acostumados a ter grande vantagem para todos os rivais, os pilotos da Mercedes só tiveram Ricciardo a andar em ritmo parecido. A quarta posição da sessão em Hockenheim, ficou com o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, com a marca de 1min18s887, seguido pelo dinamarquês Kevin Magnussen, da McLaren.

Felipe Massa encerrou com a sexta posição, com 1min19s024. O finlandês Valtteri Bottas, o seu companheiro na equipa Williams, ficou em décimo, atrás do britânico Jenson Button, do alemão Sebastian Vettel e do espanhol Fernando Alonso.

As melhores marcas de cada piloto no último treino em Hockenheim foram estabelecidas com os pneus super-macios, mas a actividade evidenciou a baixa durabilidade deste tipo de composto no fim de semana. Por conta do forte calor no local, os pneus degradaram-se com rapidez e em alguns casos apresentaram sinais claros de desgaste depois de apenas uma volta.

O Grande Prémio da Alemanha apresenta dois cenários para a Mercedes. A vitória de Lewis Hamilton vai mexer com a classificação de pilotos, independentemente da posição de Nico Rosberg, o seu colega de equipa. Ao contrário, isso é, a vitória do piloto alemão na Mercedes vai cimentar mais ainda a liderança do Mundial de pilotos.

FUNCIONÁRIOS
VÃO AO HOSPITAL

Poucas horas antes do primeiro treino livre em Hockenheim, na Alemanha, a Williams começou a ter problemas para se preocupar. Um incêndio no hotel onde estavam hospedados funcionários da equipa fez com que o local tivesse de ser evacuado e causou preocupação. Quatro deles foram levados ao hospital.

A ida a um hospital próximo foi feita por precaução, já que os funcionários haviam inalado fumaça do incêndio, que ocorreu à noite.

Apesar do susto, os membros da Williams foram liberados e puderam trabalhar normalmente durante o primeiro treino livre, no qual a equipa não teve um bom desempenho.