Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Djokovic em processo de mudança

28 de Setembro, 2016

Novak Djokovic viu cair o rendimento após à conquista da Roland Garros

Fotografia: AFP

Depois de dominar a primeira metade da temporada, o sérvio Novak Djokovic viu o seu rendimento cair, após a  esperada conquista de Roland Garros, o único Grand Slam que faltava ao seu currículo. Em entrevista ao site sérvio Zurnal, reconheceu o momento de baixa e vê isso, com normalidade e não se preocupa muito."Não era a pressão, mas o cansaço também. Não estava bem fisicamente, o quanto precisava em Wimbledon, no US Open e nas Olimpíadas", falou o número 1 do mundo sobre a queda de rendimento, nos últimos torneios que disputou. "Chegar à final do US Open foi um grande resultado, dada a minha forma física no momento", completou.

Djokovic revelou estar a passar por momento de mudanças, e acostumar-se com o preço que a idade começa a cobrar. "Estou num duro processo de mudança e evolução, como homem e como jogador. O meu corpo não é o mesmo de quanto tinha 20 anos. Jogar em alto nível tem o seu preço, mas eu sei como enfrentar isso, e como cuidar e recuperar o meu corpo".

O líder do ranking também falou sobre os irmãos, Marko e Djordje, que acabaram por desistirem do ténis profissional. "Não é fácil para eles. O caso das irmãs Williams é excepcional, no desporto. Eles vivem sobre minha sombra e agora estão a começar a entender o que querem da vida. Para eles, a aposentação do ténis foi um alívio, pois sentiam muita pressão", disse Nole.

O sérvio esteve em Milão, a participar de exibições na última terça e quarta-feira. Durante sua passagem pela charmosa cidade italiana, o número 1 do mundo falou com o Tennis Smash, e revelou o pior momento que aconteceu em 2010, que serviu de ponto de reflexão. "O meu pior momento, provavelmente, foi a derrota para (Jurgen) Melzer nos quartos de final de Roland Garros, em 2010. Depois da derrota eu tive, pela primeira vez na carreira, dúvida e medo de continuar a jogar ténis", declarou Djokovic, que venceu os dois primeiros sets contra o austríaco, mas acabou por perder de reviravolta.

"Foi um ponto de virada, na minha carreira", complementou o sérvio. No final daquele ano, ele comandou a equipa rumo ao título da Copa Davis,  inaugurou uma incrível sequência de vitórias, que durou do fim de 2010 até Junho de 2011, quando o suíço Roger Federer acabou com a série de 43 triunfos de Djokovic.

O actual número 1 do mundo, também falou sobre os momentos de maior destaque na sua carreira. "Eu destacaria alguns momentos: a vitória na Copa Davis (sobre a França) em 2010, os títulos de Wimbledon 2011 e 2014, e a final do Australian Open de 2012 contra (Rafael) Nadal, a mais longa de Grand Slam".

Djokovic não fugiu, ao ser questionado sobre o seu maior defeito. "Sou alguém que me atraso. Tenho de trabalhar nisso. Talvez tenha de ser mais realista com as coisas que não consigo fazer na vida", contou o líder do ranking, que deve voltar ao circuito no ATP 500 de Pequim, dentro de duas semanas