Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Djokovic passeia com troféu por Melbourne

04 de Fevereiro, 2015

Acredito que posso fazer isso até ao final da minha carreira", projectou o sérvio.

Fotografia: AFP

Depois de derrotar Roger Federer e André Agassi, dois dos maiores nomes da história do ténis, e tornar-se no único da Era Aberta a conquistar cinco títulos no Open da Austrália, Novak Djokovic mostrou estar num ritmo mais tranquilo ao passear por pontos turísticos de Melbourne na companhia do troféu.

O semblante calmo e feliz do sérvio ao andar pelas ruas, nada se comparou ao olhar compenetrado do "número um" durante as mais de três horas e meia de partida na Rod Laver Arena. Com a garantia de estar mudado após o casamento e a paternidade, feitos conquistados fora do circuito no último ano, Djokovic foi alvo fácil para os fotógrafos durante o passeio por Melbourne na última segunda-feira.

Acompanhado pelo troféu de campeão, o atleta caminhou nas margens do Rio Yarra, que corta a cidade ao meio, para celebrar a conquista. "Sou privilegiado e honrado por ter ganho aqui pela quinta vez, por participar de um grupo com grandes nomes do ténis mundial e por ser visto por lendas de outros desportos que estiveram presentes para assistir ao torneio", reconheceu.

Novak Djokovic admitiu que a mulher e o filho lhe deram uma energia a mais para disputar o título do primeiro Grand Slam da época. O sérvio agradeceu a todo o apoio recebido e mostrou que ainda não está satisfeito com os feitos no circuito profissional, apesar de liderar o ranking mundial da ATP de forma isolada. Novak Djokovic ainda não venceu Roland Garros, um dos torneios mais tradicionais do calendário da ATP.

"Acredito que tudo na vida acontece por alguma razão. Tento não desperdiçar as minhas energias a pensar nos porquês. Por alguma razão, jogo muito bem aqui na Austrália e já ganhei cinco títulos; por alguma outra razão, ainda não conquistei um título em Roland Garros. Vou continuar a treinar e a trabalhar firme. Acredito que posso fazer isso até ao final da minha carreira", projectou o sérvio.