Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Djokovic persegue objectivo

10 de Junho, 2015

Tenista sérvio sonha com Roland Garros para aumentar aos títulos coleccionados

Fotografia: AFP

A derrota para Stanislas Wawrinka no domingo, na decisão da Roland Garros, manteve Novak Djokovic em busca de um dos seus maiores objectivos: o de sagrar-se campeão no saibro de Paris. O sérvio, número um do mundo, esteve perto de vencer o Grand Slam em  França, o único que  falta no cartel, mas não conseguiu superar o suíço apesar do esforço.

A derrota por 3 sets a 1 colocou por terra o favoritismo de Djokovic na quadra Philippe Chatrier, mas não  abalou a sua confiança. “Passei por muitas emoções. Claro que eu estava mais nervoso do que em outros jogos, era uma final de Roland Garros. Nós dois sabíamos a importância da partida. Estou orgulhoso do meu desempenho neste jogo. Dei o meu melhor, não era para ser”, comentou em entrevista ao site da ATP.

Se Wawrinka conquistou pela primeira vez a Roland Garros, título que foi somente o seu segundo em Grands Slams - o suíço já tinha vencido uma edição do Open da Austrália -, Djokovic segue atrás do troféu em Paris para completar os seus triunfos nos grandes torneios, já que  facturou os outros três que compõem o calendário do ténis mundial. O projecto fica para 2016.

“Respeito o carinho que demonstraram por mim. Isso, definitivamente é algo que me dá mais motivação para vir aqui no ano que vem e continuar a tentar. Isso, é o desporto. Você tem de aceitar a derrota”, falou Djokovic, que  reconheceu os méritos de Wawrinka - que abusou dos golpes de esquerda para surpreender. Mesmo depois de eliminar Rafael Nadal, o maior campeão do torneio, nos quartos de final, o sérvio deparou-se  com dificuldades. “Todos os tenistas que estão aqui querem vencer esse torneio assim como eu.

Para mim, é algo que está em mente. Não estou a tentar  liberar-me da pressão, é algo que faz parte.  Acostumei-me  com isso e já tive outros jogos muito difíceis”, ponderou. Seguro na primeira posição do ranking após ter o sonho adiado por Wawrinka, Djokovic tem três semanas pela frente antes de estrear-se no relvado de Wimbledon em busca de mais um título de Grand Slam. Na Inglaterra, o sérvio acumula o bicampeonato, conquistado em 2011 e 2014,  tem a missão de defender o título este ano.

Wawrinka sobe
ao quarto lugar.

A vitória no torneio de Roland Garros,  permitiu ao suíço Stanislas Wawrinka ascender à quarta posição da classificação mundial, que continua a ser liderada pelo sérvio Novak Djokovic,  que foi derrotado na final do segundo Grand Slam da temporada. No domingo, Wawrinka, que ocupava a nona posição do ranking, impôs-se em Paris a Djokovic - que continua sem conseguir vencer o torneio de Roland Garros - pelos parciais de 4-6, 6-4, 6-3 e 6-4. A maior descida no “top-10” foi protagonizada pelo espanhol Rafael Nadal, que defendia o título no torneio francês e que foi afastado nos “quartos” por Novak Djokovic. Nadal, que desceu do sétimo para o décimo posto, está no “top-10” da hierarquia mundial há 10 anos, um mês e 13 dias.

BREVE
Irving pára três a quatro meses

Os Cleveland Cavaliers anunciaram  na sexta-feira que Kyrie Irving, base da equipa, não vai jogar mais esta época devido a uma lesão no joelho esquerdo. O jogador lesionou-se durante o quarto período do embate entre os Cavs e os Golden State Warriors, a contar para o primeiro jogo da final da NBA. Sem duas das suas principais figuras, Irving e Kevin Love, os Cleveland focam as suas esperanças em LeBron James para chegar ao título.