Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Djokovik e Serena na segunda ronda

19 de Janeiro, 2016

Cadeia de televisão britânica revela tenistas do top-50 do Mundo que estiveram envolvidos em resultados combinados

Fotografia: AFP

A BBC revelou no  domingo, que 16 tenistas que integraram o “top 50” mundial na última década incluindo vencedores de torneios do ‘Grand Slam’, estiveram envolvidos em jogos com resultados combinados.

“Na última década, 16 jogadores classificados nos 50 primeiros, foram repetidamente assinalados pela Unidade de Integridade do Ténis (TIU) devido a suspeitas de que estariam a combinar resultados de jogos. Todos os tenistas, incluindo vencedores de ‘Grand Slams’, foram autorizados a continuar a competir”, alega a investigação conjunta da BBC e do sítio na Internet BuzzFeed News.

A cadeia de televisão britânica sustenta as alegações, com o acesso em ficheiros secretos, nos quais se inclui uma investigação iniciada pela ATP, em 2007. “Num relatório confidencial para as autoridades tenistas, em 2008, a equipa de investigação defendeu que 28 atletas deviam ser investigados, mas as indicações nunca foram seguidas”, afiançou a BBC que indica que três dos encontros combinados ocorreram no torneio de Wimbledon.

A ATP, introduziu um novo código anti - corrupção em 2009,  depois de procurar aconselhamento legal foi informada de que violações anteriores não podiam originar processos. No entanto, os documentos a que a estação britânica teve acesso, demonstram que a TIU recebeu sucessivos alertas nos anos subsequentes sobre um terço dos jogadores já referenciados, sem que fossem tomadas quaisquer medidas.

A reportagem alega ainda, que oito dos 16 tenistas sinalizados, vão disputar o Open da Austrália, o primeiro ‘major’ da temporada, que arranca esta madrugada.

AUTRALIA
Rafael Nadal atribui favoritismo a Djokovic

O tenista espanhol, Rafael Nadal, assumiu que o número um mundial o sérvio Novak Djokovic é  favorito a erguer o troféu de campeão do Open da Austrália. “Pelo nível a que o Djokovic está a jogar, podemos colocar o ‘Big One’, acima dos outros. Dificilmente perderá se continuar a jogar assim”, defendeu Nadal, um dos quatro membros do ‘Big Four’ que inclui também o número dois mundial, Andy Murray, e o número três, Roger Federer.

Para o espanhol, o líder do “ranking” é o grande dominador do circuito, no ano passado foi  um jogador incrível. “E, além disso, nunca tem lesões. Isso contribui muito para que esteja confiante e que nunca perca o ritmo. Quando estás no topo do ténis e te lesionas, é mais difícil recuperar a confiança”, reconheceu o número cinco do ‘ranking’ mundial, cuja carreira foi muito afectada por lesões.

Nadal mostrou-se feliz, por voltar com boas sensações ao Open da Austrália, que arranca na segunda-feira em Melbourne, e assumiu que terá uma primeira ronda complicada frente ao compatriota Fernando Verdasco. “Não tive sorte no sorteio, mas ele também não. Vai ser difícil e terei de jogar a um grande nível, contra um adversário que tem um potencial enorme. É muito perigoso”, destacou, sobre o adversário que o levou ao limite nas meias-finais do ‘major’ australiano em 2009, precisamente a única edição que venceu.

O antigo número um mundial, recordou esse encontro “inesquecível”, com “pontos espectaculares”. “Ainda hoje me falam desse encontro. Lembro-me que foi uma grande experiência”, resumiu.

NÚMERO UM
“Djoko” está confiante em chegar ao quarto título

O número um do mundo, Novak Djokovic, afirmou no domingo em conferência de imprensa, na véspera do arranque da competição, que pretende aproveitar a confiança acumulada na temporada excepcional que teve em 2015, para tentar conquistar o hexacampeonato no Open da Austrália. Eis, o que de mais importante foi abordado no encontro do número um do mundo, com os jornalistas.

A única forma de ter um ano de 2016 melhor do que 2015 é conquistar os quatro Grand Slams da temporada (Djoko levou três no ano passado). Você se sente capaz de fazer isso?

"Ainda, é cedo demais, para saber o que vai acontecer nesta temporada. O ano de 2015 foi o melhor da minha carreira. Vou tentar aproveitar a confiança acumulada, principalmente no final da temporada passada, para continuar nesse sentido. O início de 2016 foi óptimo, não perdi um set sequer no torneio de Doha, e fiz uma boa preparação. Tive o tempo necessário, para trabalhar algumas coisas, e garantir uma boa base para esta temporada, que terá os Jogos Olímpicos do Rio-2016, uma das minhas grandes prioridades".

O que você fez no final da temporada passada?
"Às vezes, é preciso ser capaz de  desconectar do ténis, parar de trabalhar. Durante a preparação, dou muita importância à recuperação, como ao trabalho em si. Encontrar o equilíbrio certo é a chave do sucesso. Recarreguei as baterias e passei o maior tempo possível com minha família. Durante as duas semanas, depois do ATP Finals (em Novembro, em Londres), não toquei numa raquete. Gosto deste período, que me traz paz e serenidade. Posso dedicar-me a outras paixões e voltar com tudo para jogar ao meu melhor nível".

Você já conquistou cinco títulos, aqui, em Melbourne. O que faz esse torneio tão especial para você?
"A maioria dos jogadores gosta de vir à Austrália e a Melbourne. É um país e uma cidade que prezam os valores desportivos. Isso vê-se  tanto entre os atletas profissionais, mas também entre as pessoas que correm na rua, cuidam do corpo e aproveitam as infra-estruturas incrível de Melbourne. Num ambiente como esse, só posso estar motivado para dar o meu melhor. Cada vez, que volto à Rod Laver Arena, lembro-me do meu primeiro título, em 2008, e dos grandes jogos que disputei aqui".

ABERTURA
Novak Djokovic
começa com vitória

O sérvio Novak Djokovic, número 1 do ténis mundial, derrotou  ontem segunda-feira o sul-coreano Hyeon Chung , na primeira ronda do Open da Austrália que já ganhou por cinco vezes. Djokovic venceu o sul-coreano, número 51 do 'ranking' mundial, por 6-3, 6-2 e 6-4. Na próxima ronda, o tenista sérvio defronta o francês Quentin Halys ou o croata Ivan Dodig.

PRIMEIRA RONDA
Serena Williams
arranca vitoriosa


A norte-americana, Serena Williams, no topo do 'ranking' mundial do ténis feminino, derrotou ontem a italiana Camila Giorgi em Melbourne, na primeira ronda do Open da Austrália, torneio do ‘Grand Slam’ que começou ontem. Williams ganhou a partida, que durou uma hora e 45 minutos, por 6-4 e 7-5.

A tenista norte-americana já ganhou por seis vezes o Open da Austrália. Quem também começou com vitória foi a tcheca Petra Kvitova, que abriu a campanha no Open da Austrália, primeiro Grand Slam da temporada, sem maiores problemas. Cabeça de chave 6 do torneio, Kvitova derrotou a tailandesa Luksika Kumkhum por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/1.

Campeã de Wimbledon em 2014, a tenista tcheca foi a primeira das favoritas a entrar em quadra, em Melbourne. Com um jogo de fundo de quadra seguro e eficiente, dominou a tenista asiática, para conseguir sua primeira vitória sobre a adversária.

Kvitova e Kumkhum já se tinham enfrentado uma vez, no circuito profissional feminino, justamente no Open da Austrália de 2014. Na ocasião, a tailandesa foi responsável por uma das grandes surpresas do torneio, ao eliminar na primeira rodada, a tcheca uma das melhores do mundo.

RÚSSIA
Tenista abordado para perder jogo

O tenista Novak Djokovic admitiu ontem ter sido abordado, "indirectamente," para perder de forma propositada uma partida em São Petersburgo, na Rússia.

"Fui abordado, indirectamente, por pessoas que falaram com elementos que trabalhavam na minha equipa. Evidentemente, dissemos logo, que não. A pessoa não chegou a falar directamente comigo", disse o jogador sérvio em Melbourne.

A cadeia televisiva britânica BBC, denunciou a existência de uma rede de resultados combinados, para beneficiar apostas no circuito ATP. Djokovic não acredita, que as revelações vão afectar o desporto, a longo prazo. "As pessoas vão agora tentar adivinhar, de quem se trata, mas não há provas contra jogadores em actividade. Por enquanto, é só especulação, mas não penso que fique lançada uma sombra sobre o nosso desporto", defendeu.

FEDERER VENCE
O tenista suíço Roger Federer, terceiro do “ranking” mundial, qualificou-se ontem segunda-feira, para a segunda ronda do Open da Austrália, primeiro “Grand Slam” da temporada.

O terceiro cabeça de série, recordista de títulos do “Grand Slam” (17), venceu o georgiano Nikoloz Basilashvili, número 118 do mundo, em três “sets”, pelos parciais de 6-2, 6-1 e 6-2, em uma hora e 12 minutos.

Na segunda ronda, Federer que venceu o Open da Austrália em 2004, 2006, 2007 e 2010,  vai defrontar o ucraniano Alexandr Dolgopolov, 35.º da hierarquia.