Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Dovizioso promete evolução da Ducati

04 de Novembro, 2016

Italiano é o melhor piloto da equipa

Fotografia: AFP

A vitória da Ducati na Malásia reacendeu as previsões para a próxima época. A equipa de Andrea Dovizioso aparece na recta final de 2016 muito forte. A elevação da performance encanta a equipa técnica e os pilotos. O nono vencedor da presente época garantiu que a Honda e a Yamaha devem contar com as máquinas brancas e vermelhas na linha de honra em 2017.

Em pista molhada de Sepang, Andrea Dovizioso conquistou a primeira vitória desde o GP da Grã-Bretanha de 2009 e também a primeira com a fábrica de Borgo Panigale. Por outro lado, foi o quinto pódio do italiano no ano e a segunda da Ducati. A primeira ocorreu com Andrea Iannone no pódio da Áustria. O cenário é bastante diferente daquele encontrado pelo número 4 em 2013, ano de estreia pela marca.

Em entrevista à imprensa, o piloto da Ducati disse: "Com a minha competitividade e o quão forte nos tornamos, eu e a Ducati juntos, este é um bom ano. Não é o suficiente, porque queremos lutar pelo campeonato, mas estamos muito perto”.

Dovizioso disse que "a situação da equipa era muito ruim há quatro anos". Hoje, "é completamente diferente". Nas pistas secas, a Ducati pode lutar pelo pódio em muitas corridas. Fruto da evolução, diz estar "orgulhoso".

Dovizioso assegurou que está no seu "melhor momento" e pode superar em muitas áreas.

"Estou com 30 anos, mas o meu estilo, a minha característica, não é fazer tudo na primeira corrida ou numa volta. É trabalhar passo a passo", apontou.

Para Dovizioso, a sua relação com a Ducati torna-se "muito importante", porque acreditam na sua performance para 2017. O italiano destacou que é "diferente conquistar a vitória com a Ducati" e está "feliz".

A uma prova do fim da época, Dovizioso aparece como o melhor piloto da Ducati na classificação com 162 pontos. O italiano está no quinto lugar na tabela. A má prestação na primeira fase da competição contribuíram para o resultado negativo. O "azar" na segunda, terceira e quarta corridas não foram "culpas" do piloto. Conseguiu atingir a dois pódios em três corridas.

Dovizioso começou com 20 pontos no Qatar e depois desapareceu. Os furos nos pneus e outras questões técnicas contribuíram para a derrocada na tabela. A boa performance na recta final da competição resulta dos ajustamentos feitos pela equipa técnica.

"Estou feliz com a melhoria neste ano, mas ainda não é o bastante. Precisamos algo mais, um pouco mais para tentar lutar pelo campeonato", disse.

CHEFE DA DUCATI
RASGA ELOGIOS

A vitória de Andrea Dovizioso na Malásia deixou encantado Gigi dall'Igna, chefe da Ducati. O italiano elogiou o companheiro por conquistar pontos valiosos para a Casa de Bolonha.

Em declarações ao Jornal Marca, Gigi dall'Igna disse que "Dovizioso merecia uma vitória pela grande época que fez e deveria ter conquistado mais pontos na tabela de classificação se tivesse um pouco mais de sorte". Para Gigi, o compatriota "é um piloto vencedor".

"Dovi terminou muitas vezes perto da vitória. Algumas escaparam por pouco, outras por coisas que não dependiam dele. Por isso, estamos felizes", completou.

Dovizioso subiu ao pódio por cinco vezes na época, mormente, no GP do Catar, Alemanha, Áustria, Japão e na Malásia. Abandonou outras cinco corridas (EUA, Espanha e França consecutivamente, Holanda e República Tcheca), que poderiam melhorar a quantidade de pontos acumulados.

Além de elogiar o desempenho do piloto, Gigi dall'Igna comentou a futura relação e parceria do italiano com o espanhol Jorge Lorenzo. O tricampeão da elite da motociclismo mundial vai deixar a Yamaha para se juntar a Ducati em 2017. Para o chefe, a casa está satisfeita com a dupla da próxima época.
"Estou muito contente com os pilotos que vamos ter no ano que vem. Espero que Dovi tenha um bom desempenho", disse.

Nas últimas corridas, a dupla foi vista a conversar, um indício de estreitar o relacionamento para a época seguinte.

"É totalmente normal, conhecem-se há muitos anos. Não há nada para achar estranho", afirmou um dos membros da Ducati, junto da entrevista de Dall'Igna. Vale lembrar que Andrea Iannone vai para a Suzuki substituir Maverick Viñales.


EM RECUPERAÇÃO
Pedrosa espreita Valência


Dani Pedrosa afirmou que sua recuperação segue correndo bem após as fraturas sofridas em um acidente em Motegi. Espanhol reforçou que meta é disputar o GP da Comunidade Valenciana, mas admitiu que não sabe se conseguirá estar no grid da última corrida do ano

Dani Pedrosa está a recuperar-se das muitas lesões que sofreu no acidente na segunda sessão de treinos livres para o GP do Japão com uma meta clara: disputar o GP da Comunidade Valenciana. No acidente em Motegi, Dani sofreu uma fractura na clavícula direita e, depois, já de volta à Espanha, foi diagnosticado com outra fractura na fíbula direita e mais uma no quarto metatarso do pé esquerdo. O número 26 passou por uma cirurgia para estabilizar a fractura no tronco.

Ontem, o piloto da Honda deu uma actualização sobre a sua condição física emno seu blog e afirmou que continua a trabalhar para estar na grelha de Valência. Mesmo ter afirmado que a recuperação corre bem, Dani reconheceu que não sabe se vai ser possível disputar a última prova do ano da MotoGP.

“Estou a ficar melhor a cada dia que passa. A fisioterapia está a decorrer bem, e, no momento, tudo que posso pensar é em voltar a correr”, escreveu Dani.

O espanhol da Honda Repsol completou: "Estou a trabalhar duro com a mentalidade de me recuperar a tempo para Valência, mas ainda não estou totalmente certo de que isso vai ser possível, já que saberei na próxima semana”, explicou.  Para os fás. uma palavra apreço: "Vou garantir-vos que fiquem actualizados”.