Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

"E, se fôssemos nós!"

Silva Cacuti - 28 de Junho, 2015

Fotografia: José Cola

De volta ao assunto, já não comparamos. Nem escrevemos mais sobre a rede viária, os preços de tudo, enfim, todo o mundo está careca de saber que a África é terceiro mundo. O terceiromundismo tem os seus encantos e também tem comportamentos, que muitas vezes nos levam a encarar o normal como se inusitado fosse. E, às vezes, é mesmo.

Uma vez estranhei, no Huambo, num espaço de utilidade pública da rádio local, alguém anunciou que se tinha esquecido do  telefone no taxi que fazia a rota Praça da Alemanha - São João.

- Xéeee, mas este wi está a pensar que está aonde? Exclamei!

Rapidamente, o meu irmão informou-me, que muitas vezes os bens perdidos nessas circunstâncias voltam ao dono, por lá. Só no Huambo!
Muito familiarizado com as luandices dos cientes, franzí a cara, não sei, até hoje, se aceitei.

A Europa com o seu excesso de ordem, onde todos falam com voz moderada, onde indivíduos como eu, com sorrisos largos, não poucas vezes recebe olhadas, também tem coisas que para nós são inusitadas.

O Armindo contou-me  da surpresa por ter visto dois cidadãos embriagados, descalços, a fazerem chichi junto de uma árvore, que está  em frente ao restaurante onde provavelmente tinham vivido a “kimbemba”. “E são brancos”, sublinhou ele.

Realmente, a forma como tudo é ordenado por aqui, ver o que Mindo viu, passa perto a roçar o escândalo. E, se fôssemos nós? Bué normal!

Também chegou a  minha vez de me surpreender, foi quando o Cola se esqueceu do telefone, um desses top de gama, na mesa do restaurante em que jantamos. Dentro de um supermercado, mais ou menos cerca de 15 minutos do nosso hotel, à pé.

Quando íamos a chegar, ele lembrou-se do telele.  “Epah eu vou voltar!”, exclamou. Quis demovê-lo, mas depois lembrei-me de que estávamos em La Roche Sur Yon, e lá ele foi.

Algum tempo depois ele estava a ligar-me a dizer que encontrou o telefone, que um cidadão pegou e entregou à guarda do gerente. E, se fôssemos nós? Silva Cacuti