Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Eduardo Morais prepara Africano

Helder Jeremias - 21 de Fevereiro, 2016

A maior promessa do ténis nacional da actualidade clama por apoios de empresários para poder ser atleta profissional

Fotografia: Dombele Bernardo

O vice-campeão nacional da categoria de Sub-18 masculino, Eduardo Morais “Erikson”, começa esta manhã no court número 2 do Clube de Ténis de Luanda o derradeiro micro-ciclo preparativo com vista a presença no Campeonato Africano de Cadetes, a decorrer de 9 a 18 de Março em Pretória.

A maior promessa do ténis nacional participa no torneio em terras de Nelson Mandela como integrante da equipa da Federação Internacional de Ténis (ITF, sigla inglesa), ao lado de mais dois outros atletas africanos que mereceram o “Wild Card2 do órgão reitor da modalidade em função do potencial que apresentam.

O aprimoramento do serviço, movimentos verticais e horizontais sobre a quadra de jogo em alternância com cargas físicas constituem os aspectos predominantes na agenda da primeira semana de preparação, que conta com orientação do seleccionador nacional João Sanda.

Depois de ter representado a Selecção Nacional no Campeonato Africano de Sub-18, disputado de 7 a 13 do presente mês, em Túnis,  Erikson Morais está ciente das dificuldades que vai ter na próxima prova de maior imponência à escala continental. O angolano encara o desafio como oportunidade de colocar em evidência as suas qualidades, de modo a convencer os técnicos da ITF que a convocatória foi uma aposta acertada.

Erikson Morais e João André ficaram arredados na primeira fase do Campeonato Africano de Túnis, em que cruzaram com adversários de alto nível técnico e familiarizados com as condições climáticas daquele país. O desempenho dos dois atletas nacionais não passou despercebido junto dos especialistas da ITF. Os dois jovens bateram-se com dignidade até à exaustão.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, Erikson Morais valorizou o empenho da direcção da Federação Angolana de Ténis, liderada pelo presidente Matias Castro da Silva,  segundo revelou “proporcionou as melhores condições de trabalho na Tunísia e trabalha no sentido de garantir que na África do Sul não falte nada”.

O atleta deixa o país com destino a Joanesburgo no dia 6 de Março, segue para Pretória no mesmo dia e junta-se ao colectivo sob orientação da equipa técnica da ITF, instituição que se responsabiliza por todas as despesas durante a estada dos membros da equipa.“É um orgulho para qualquer atletas receber o Wild Card da ITF, e representar a sua equipa num evento de grande vulto, como é o caso do Campeonato Africano de cadetes. Por isso, tenho a grande responsabilidade de representar o meu país da melhor maneira possível. Tenho merecido o devido acompanhamento da Federação Angolana de Ténis e julgo que o tempo que antecede a prova vai ser suficiente para elevar o meu nível técnico e físico", revelou Erikson Morais.


Seleccionador nacional reconhece fracasso


O seleccionador nacional de Sub-18 masculino, João Sanda, reconheceu a superioridade dos adversários dos atletas Eduardo Morais “Erikson” e João André, no Campeonato Africano de Ténis que a cidade tunisina de Túnis albergou de 7 a 13 do presente. Angola ficou afastada na primeira fase.

Os atletas nacionais souberam dignificar o ténis angolano, apesar dos resultados não terem traduzido em vitória, de acordo com o técnico. O treinador justificou que o ténis nacional  encontra-se numa fase de recuperação e os atletas não contam com equipas que oferecem melhores condições de trabalho.

“Não passamos da fase preliminar e devemos reconhecer que os nossos adversários estiveram melhor, quer do ponto de vista técnico quer físico. Porém, a ilação que tiramos é positiva, se partirmos do pressuposto que o ténis nacional está em fase de recuperação e a ausência em provas do género, durante vários anos”, avaliou João Sanda. 

Para João Sanda, o facto de Angola regressar ao convívio internacional a praticar ténis de boa qualidade, representa um ganho para o país. A normalização da situação junto dos organismos internacionais, depois de longa ausência, suplanta qualquer resultado numérico.

Com mais trabalho e dedicação, asseverou João Sanda, o país vai estar melhor representado nos futuros desafios. A aposta passa pela existência de mais equipas e a abertura de programas de massificação para a descoberta de jovens talentosos.

A participação com frequência em diferentes torneios vai catapultar os jovens aos níveis competitivos mais altos, segundo o seleccionador Sanda. O técnico esclarece que a Federação Angolana não pode fazer tudo e reafirmou manter à disposição de colocar o seu saber em prol do desenvolvimento do ténis em Angola.

Sanda perspectiva bons resultados no ciclo olímpico 2016 -2020 a julgar pelo dinamismo que os agentes estão a imprimir, desde o relançamento do programa de revitalização do ténis.


Torneio DE LUANDA
Campeão augura
revalidação do título


O campeão de Luanda de ténis da categoria de Sub-18 masculino, Eduardo Morais "Erikson", apontou como objectivo imediato a revalidação do título de campeão provincial, no torneio de abertura da época 2016 marcado para Março no Clube de Ténis de Luanda.

O também vice -campeão nacional lamentou o facto de já não contar com a antiga equipa, a Protector, em virtude do proprietário ter falecido há dois anos. Perante o novo cenário, Erikson mantém a esperança de encontrar alguém em Luanda que possa apostar na sua carreira e ajudá-lo a concretizar o sonho de uma carreira internacional.

"Os meus adeptos são os maiores incentivos, porque transmitem-me coragem e vou procurar não desiludi-los. Espero continuar a receber o carinho e contar com uma equipa com as condições boas de trabalho", disse.

 Dotado de talento nato, Eduardo Morais deixa a marca em vários torneios em que representa a selecção nacional, não obstante a falta de recursos materiais para fazer face às exigências da modalidade das raquetes. O convite que recebeu para representar a equipa da ITF no Campeonato Africano de cadetes, a decorrer de 9 a 18 do mês em curso, em Pretória, é a prova da elevada qualidade do atleta angolano.
HÉLDER JEREMIAS