Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Emoes regressam ao circuito da Catalunha

15 de Junho, 2019

Mrquez e Dovizioso voltam a estar em aco no domingo na Catalunha concorrido local turstico da Europa e do mundo

Fotografia: AFP

O campeonato de Moto GP continua ao rubro. O circuito da Catalunha é visto com agrado pelo “paddock” da Moto GP. Barcelona é um concorrido local turístico da Europa e do mundo, exibe uma arquitectura fascinante. Os catalães são adeptos de desporto, com o adorado clube Barcelona mais de 24 vezes campeão da “La Liga”, cinco vezes vencedor da Liga dos Campeões Europeus e com um dos melhores jogador do mundo: Leonel Messi a fazer parte do clube.
O circuito de Barcelona, Catalunha, é o reconhecido como o templo de velocidade sobre duas rodas. Todas as equipas e pilotos conhecem-no bem e o público conta com uma “armada dos gladiadores de Espanha”, encabeçada por Marc Márquez para levar a melhor sobre os restantes pilotos que não sejam de Espanha.
Catalunha vai ser o centro do desporto motorizado, sobre duas rodas, este fim de semana. E, como sempre, o foco da corrida vai estar na disputa entre Marc Márquez, da Repsol Honda, e Andrea Dovizioso, da Ducati, com a intromissão de outros pilotos como Valentino Rossi, da Yamaha, Danilo Petrucci, da Ducati, Alex Rins e Joan Mir, ambos da Suzuki,  Cal Crutcholow, da Honda, Jack Miller, da Ducati, e Maverick Vinãles, da Yamaha. O espanhol Marc Márquez vai para Catalunha com todas as armas carregadas. Em Itália, Marc sentiu a fúria dos pilotos da casa, Andrea Dovizioso e Danilo Petrucci, ambos da Ducati, pois, era rotulado como possível vencedor do GP italiano, mas teve uma disputa acirrada, de cortar a respiração e imprópria para cardíacos com ambos (Dovizioso e Petrucci). Os pilotos da Ducati tiveram em  sincronia nas últimas voltas, Petrucci venceu a corrida, mas para os “Tifosis” pesou o facto de  Márquez  ultrapassar Dovizioso e ficar com o segundo lugar.
Apesar de faltar ainda 14 corridas (Catalunha, Holanda, Bélgica, República Checa, Áustria, Inglaterra, San Marino, Aragón, Tailândia, Japão, Austrália, Malásia e Valência), Danilo Petrucci parece que atirou já a toalha ao tapete, em relação à  possibilidade de vencer o campeonato, mesmo podendo disputá-lo. O mesmo afirmou que tudo vai fazer para ajudar o seu colega Dovizioso a ser campeão. 
O piloto prodígio da Repsol Honda (Márquez) está a mostrar um bom trabalho na equipa e no campeonato, apesar de ser muito cedo ainda, para se definir quem vai ser campeão. Os  fãs da modalidade acreditam mesmo, que este título de 2019 não vai escapar das mãos de Marc Márquez. Muitos alegam que o campeonato só pode ser competitivo,  se algo de errado acontecer a Márquez, em algumas corridas como quedas, problemas  mecânicos, saída da pista, toque de um outro piloto. Não foi por acaso, que Dovizioso afirmou que o acidente de Márquez, em Austin, demonstrou que nem tudo está controlado. Em condições normais, o primeiro ou o segundo lugar no pódio pode ser um facto consumado para Márquez. Rossi rendeu-se à evidência, disse que Márquez é o melhor piloto,  porque tem a melhor mota.
Ser ou não ser, eis a questão: os pilotos da Ducati Andrea Dovizioso e Danilo Petrucci devem ser capazes de manter o nível apresentado em Mugello, Catalunha, e  bater a Repsol Honda de Márquez na corrida que se disputa este domingo? A ver vamos.