Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Enaltecido esforo do Governo para o xito dos Jogos da SADC

Augusto Panzo - 21 de Dezembro, 2016

Alm de Angola, estiveram voluntrios de Moambique, Nambia, Lesoto e Malawi.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O presidente do Comité Organizativo Regional, George Jana, agradeceu o Governo de Angola e o povo angolano pela organização com sucesso dos VII Jogos da Região V da União Africana, encerrados na noite de domingo, em Luanda. Falando no acto que marcou o fim do evento multidisciplinar, no Estádio dos Coqueiros, o responsável desportivo africano afirmou que os VII jogos constituem uma experiência positiva para os mais de mil jovens presentes, uma vez os objectivos foram alcançados, apesar de algumas dificuldades, próprias de certames do género.

“Houve uma grande caminhada desde a primeira edição, em Moçambique, em 2004. Tivemos êxitos em termos organizacionais, desde a acomodação, transportes e qualidade nas infra-estruturas desportivas”, referiu o também vice-presidente do Conselho dos Desportos da região 5 da União Africana.
Mesmo com as dificuldades financeiras e económicas, disse o malawí de nacionalidade, o Governo angolano  deu garantias de realizar os jogos com sucesso, honrou  o  compromisso de acolher o evento dedicado a atletas até 20 anos de idade.

Aproveitou a ocasião para agradecer os países participantes, chefes de missão, atletas e dirigentes pela atitude positiva demonstrada durante a competição. Nesta vertente, particularizou os 460 voluntários que contribuíram para o sucesso da actividade polidesportiva. Além de Angola, estiveram voluntários de Moçambique, Namíbia, Lesoto e Malawi.

 Os VII jogos da região V da União Africana decorreram de 9 a 18 deste mês, sob o lema “Juntos por uma cultura d Paz” e foram ganhos pela África do Sul, como de costume (é o papão das de todas as edições já realizadas), com 125 medalhas, das quais 63 de ouro, 33 de prata e 29 de bronze.
O Botswana ficou na segunda posição (14 de ouro, 14 de prata e sete de bronze) e o Zimbabwe em terceiro, com 12 de ouro, 24 de prata e 41 de bronze.

Angola ficou em quatro, um lugar abaixo em relação à edição transacta, em Bulawayo,  sua melhor classificação de sempre. Os atletas nacionais acabaram por arrebatar 34 medalhas, 12 de ouro, oito de prata e 14 de bronze,  o judo e o desporto adaptado  foram as modalidades que mais contribuíram com as conquistas.

Estiveram envolvidos no certame Angola (anfitriã), África do Sul, Moçambique, Botswana, Malawi, Zimbabwe, Lesoto, Namíbia, Zâmbia e Suazilândia nas modalidades de futebol, basquetebol, boxe, atletismo, desporto adaptado, ténis, natação, ginástica, judo e netball.

RECONHECIMENTO
Director da vila olímpica agradece a confiança


O director do Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais Osvaldo Serra Van-Dúnem, Alberto Limão, mostrou-se satisfeito com os esforços que cada uma das equipas fizeram para procurarem um resultado positivo e dignificar melhor as cores das suas bandeiras nos VII Jogos da Região 5 da União Africana, encerrados na noite de domingo, em Luanda.  

Em declarações à Angop, o responsável da instituição que serviu de vila olímpica das delegações participantes ao evento, acrescentou que as manifestações desportivas do género devem continuar de forma a contribuirem para a unidade cultural do continente africano. Para Alberto Limão, o torneio foi um momento ímpar para o povo angolano e serviu para uma vasta troca de experiências nos vários domínios da vida.

Na ocasião, o responsável agradeceu o comité organizador pela confiança na instituição e aos atletas e membros das delegações pela participação honrosa nos jogos. Destinados a atletas até 20 anos, o evento regional decorreu nas modalidades de futebol, basquetebol, boxe, atletismo, desporto adaptado, ténis, natação, ginástica, judo e netball.

Os VII jogos decorreram sob o lema “Juntos por uma cultura de Paz”  e foram ganhos pela África do Sul (dominadora em todas as edições já realizadas) com 125 medalhas,  63 de ouro, 33 prata e 29 de bronze. O Botswana ficou na segunda posição (14 de ouro, 14 de prata e sete de bronze) e o Zimbabwe em terceiro, com 12 de ouro, 24 de prata e 41 de bronze.

Angola foi quarta, com 34 medalhas, das quais 12 de ouro, oito de prata e 14 de bronze. Além de Angola (anfitrião), participaram ainda África do Sul, Moçambique, Botswana, Malawi, Zimbabwe, Lesotho, Namíbia, Zâmbia e Suazilândia. A primeira edição dos Jogos da SADC realizou-se em 2004, em Moçambique, seguindo-se Namíbia (2006), África do Sul (2008), Suazilândia (2010), Zâmbia (2012) e Zimbabwe (2014).

ÊXITO
Sul-africana destaca papel da organização

O importante papel da organização nos VII jogos da região 5 da União Africana, encerrados na noite de domingo, foi reconhecida pela chefe da delegação da África do Sul, Ezera Tshabangu. Em declarações à Angop, Ezera Tshabangu disse que a organização do evento desenvolveu um trabalho aturado que se consubstanciou na concretização de um feito além da expectativa.

Para a responsável, Angola surpreendeu pela positiva, não só a África do Sul mas  outros países do continente “berço”, que mesmo com actual dificuldade económica e financeira que atravessa, correspondeu de forma eficaz com os compromissos. “Estamos satisfeitos com o esforço e empenho da organização angolana que tudo fez, no sentido de garantir uma excelente recepção a todos nós”, acrescentou.

Os VII jogos da região 5 da União Africana, que decorreram sob o lema “Juntos por uma cultura de Paz”, foram ganhos pela África do Sul, como de costume (é o papão das de todas as edições já realizadas), com 125 medalhas, das quais 63 de ouro, 33 de prata e 29 de bronze. O Botswana ficou na segunda posição (14 de ouro, 14 de prata e sete de bronze) e o Zimbabwe em terceiro, com 12 de ouro, 24 de prata e 41 de bronze.

Angola foi quarta, com 12 medalhas de ouro,  8 de prata e 14 de bronze. Destinados a atletas até vinte anos, a primeira edição dos Jogos da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) realizou-se em 2004, em Moçambique, seguindo-se Namíbia (2006), África do Sul (2008), Swazilândia (2010), Zâmbia (2012) e Zimbabwe (2014).

EM 2018
Botswana alberga os Jogos

O Botswana é o organizador dos VIII Jogos da Região 5 da União Africana a disputar-se em 2018. A bandeira do evento foi entregue no domingo (17) por Angola ao próximo anfitrião, durante a cerimónia de encerramento da VII edição, decorrida na capital do país. O Botswana é um país localizado no interior da África Austral. Foi um protectorado britânico chamado Bechuanalândia e adoptou a actual designação após a independência em 30 de Setembro de 1966.

A sua capital é Gaberone, que é também a maior cidade do país. O palco do próximo evento para jovens até 20 anos faz fronteira com a África do Sul,  Namíbia e Zimbabwe. O Botswana é um dos países menos povoados no mundo. É habitado por pouco mais de dois milhões de pessoas. Quando conquistou a independência do Reino Unido, em 1966, a nação era uma das mais pobres do mundo. Hoje, é uma das economias em rápido crescimento no continente africano e no mundo.

O Produto Interno Bruto do país  tem reflexão directa no bem-estar da sua população. Botswana é membro da União Africana, da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, da Comunidade de Nações e das Nações Unidas.

RANKING
Angola baixa um lugar

Depois do terceiro lugar alcançado em 2014, em Bulawayo, a melhor classificação de sempre, Angola baixou um lugar nos VII Jogos da região 5 da União Africana, encerrados na noite de domingo, em Luanda, ao ocupar a quarta posição no quadro geral final de medalhas. Depois do “brilharete” em terras de Mugabe, com contribuição das modalidades de basquetebol (masculino e feminino), atletismo adaptado (três de ouro, quatro de prata e uma de bronze), atletismo (uma de bronze), boxe (duas de ouro e uma de bronze) e Judo (três de ouro), as expectativas eram grandes para o evento, sobretudo, por se realizar em Angola.

Os atletas nacionais acabaram por arrebatar 34 medalhas,  12 de ouro, oito de prata e 14 de bronze,  o judo e o desporto adaptado as modalidades que mais contribuíram para as conquistas. No desporto adaptado o destaque foi  para o velocista José Chamoleia, que fez o pleno, ao sagrar-se campeão nos 100, 200 e 400 metros para deficientes visuais (classe T11).

O judo teve uma colheita satisfatória, ao arrebatar 13 medalhas,  11 individuais e duas por equipas. Nos combates individuais, os judocas angolanos arrebataram seis medalhas de ouro, uma de prata e quatro de bronze. Por equipas, a selecção levou duas de ouro. Os VII jogos da região 5 da União Africana decorreram de 9 a 18 deste mês, sob o lema “Juntos por uma cultura d Paz”, foram ganhos pela África do Sul, como de costume (é o papão das de todas as edições já realizadas), com 125 medalhas, das quais 63 de ouro, 33 de prata e 29 de bronze.

O Botswana ficou na segunda posição (14 de ouro, 14 de prata e sete de bronze) e o Zimbabwe em terceiro, com 12 de ouro, 24 de prata e 41 de bronze. Apesar do quarto lugar alcançado, a prestação angolana a esse evento multidisciplinar pode-se considerar positivo, uma vez que o país ganhou mais medalhas, mas não contaram para o quadro geral.

O exemplo foi no basquetebol, em que  masculinos e femininos venceram o torneio, mais pelo número reduzido de equipas (duas em cada classe, desistiram a África do Sul e Moçambique) as medalhas não contaram para o quadro geral. De acordo com o coordenador técnico do evento, António da Luz, para que as medalhas de uma certa modalidade constem do quadro geral é necessário a participação de no mínimo três selecções.

Isso, influenciou que Angola não melhorasse ou igualasse a participação de Bulawayo. Estiveram envolvidos no certame Angola (anfitriã), África do Sul, Moçambique, Botswana, Malawi, Zimbabwe, Lesoto, Namíbia, Zâmbia e Swazilândia nas modalidades de futebol, basquetebol, boxe, atletismo, desporto adaptado, ténis, natação, ginástica, judo e netball.