Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ensa segura a prática desportiva

Silva Cacuti - 24 de Março, 2016

PCA Manuel Gonçalves ressaltou a relação directa com o desporto como o ingrediente propício da criação do Seguro

Fotografia: Dombele Bernardo

Os desportistas angolanos têm à disposição um serviço de seguros que garante a cobertura dos riscos de acidentes pessoais inerentes à actividade, nomeadamente, os que decorrem de treinos, de provas desportivas e deslocações dentro e fora do território angolano.

A Ensa, que é uma seguradora estatal, lançou na terça-feira o "Seguro Desportivo", em cerimónia realizada na Galeria dos Desportos e presenciada pelo PCA, Manuel Gonçalves, e    Secretário de Estado dos Desportos, Albino da Conceição.

"Podem aderir ao seguro as Associações, Federações, clubes desportivos, entidades prestadoras de serviço desportivo e pessoas singulares que participem em actividades desportivas, tal como maratonas de atletismo, golfe, xadrez, etc", explicou Rolande Gomes, director técnico da seguradora.

O responsável definiu o seguro em causa como "um acontecimento súbito e anormal que ocorre no exercício da actividade desportiva, ao serviço de uma Federação, Associação ou agente desportivo e que provoque lesão ou danos corporais de que resulte incapacidade parcial ou total, temporária ou permanente para o trabalho, ou ainda a morte, no exercício da actividade desportiva".

Em relação aos beneficiários do seguro apontou os atletas, árbitros, juízes e cronometristas, treinadores e dirigentes desportivos.

Rolande Gomes disse que as coberturas garantidas pelo seguro compreendem provas desportivas, treinos, estágios e deslocações, sendo as principais as "despesas de tratamento médico, incapacidade permanente, incapacidade temporária, absoluta ou parcial, a morte, o repatriamento e as despesas do funeral".
O contrato do seguro, continuou o responsável, pode ser anualmente ou temporário, pelo período do evento do desporto.

Manuel Gonçalves realçou o facto da instituição ter uma agremiação desportiva, o Vitória Seguros de Angola (Visa) e a história de relação directa com o desporto, como ingredientes que propiciaram a criação do seguro.

Antes da criação do seguro, a Ensa já era a seguradora oficial do Comité Olímpico Angolano (COA), Comité Paralímpico (CPA), Federação Angolana de Futebol (FAF) e da Federação Angolana de Basquetebol (FAB).

PREÇOS ACESSÍVEIS
O presidente do Conselho de Administração da Ensa tranquilizou os desportistas em relação aos custos do seguro desportivo recentemente apresentado por aquela asseguradora.

"Neste momento, temos já formalizada nas instituições competentes a nossa tabela de prémios, mas posso garantir que são muito competitivos, são prémios relativamente baixos e de acesso fácil a todos os desportistas", disse.

O responsável realçou que nas diversas situações que envolvem o seguro, há alterações do montante do valor que a seguradora paga ao segurado em caso de ocorrência de um determinado sinistro, "com um limite que anda entre os 30 e 50 mil dólares norte-americanos".

EXCLUSÃO
Idosos estão
desprotegidos


Os praticantes de modalidades desportivas com idades superiores a 60 anos não estão abrangidos pelo seguro desportivo lançado pela Ensa. "Não são abrangidos pelo seguro pessoas com menos de cinco anos  e mais de 60 anos de idade. As pessoas com menos de 16 anos não ficam abrangidos pela cobertura de morte", segundo Rolande Gomes.

Estes dois aspectos suscitaram interrogações da plateia, composta maioritariamente por agentes desportivos que lembraram haver atletas no activo com idades superiores a 60 anos, como no tiro aos pratos e também atletas com idades inferiores a 16 anos que já competem ao mais alto nível, como acontece na natação e ginástica.

Manuel Gonçalves, responsável da seguradora, disse que a sua instituição continua a procurar as melhores condições para que os representantes de Angola no exterior não fiquem desprotegidos.

Em relação ao âmbito do seguro, a Ensa anunciou que as garantias são válidas em todo o mundo, desde que a ausência dos beneficiários do país por razões de actividade desportiva, não exceda os três meses, deve ser previamente comunicada à seguradora.
SILVA CACUTI