Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Equipa da Renault admite aflição na estreia

06 de Março, 2014

Os treinos livres para o Grande Prémio da Austrália, o primeiro da época de 2014 da Formula 1, começam a ser disputados no dia 14 de Março, em Melbourne.

Fotografia: AFP

Melbourne vai abrir as actividades oficiais da Fórmula 1 dentro de duas semanas, com o Grande Prémio da Austrália, depois de três fins-de-semana de
testes de pré-época. O curto espaço de tempo preocupa as equipas e os fabricantes de motores. Uma delas é a Renault que equipa os motores da Red
Bull, que já admitiu fracasso nos testes realizados. A situação deixa aflita a empresa fornecedora para a primeira corrida do ano.

A empresa encerrou a préépoca com menos da metade da quilometragem percorrida pelas equipas com motores fornecidos pela Mercedes, por exemplo. As principais equipas abastecidas com os seus motores, Red Bull e Lotus, andaram pouco nas pistas de Jerez de la Frontera e no Bahrein. Durante os testes apresentaram desempenho aquém do imaginado.

O director da divisão desportiva da Renault, Rob White, já não rejeita o estatuto de “grande fiasco” da pré-época da Formula 1. "Não podemos negar que não conseguimos completar o cronograma. A preparação para a Austrália ficou incompleta. Melbourne vai ser um fim de semana de grande aflição", admitiu o dirigente. Mesmo com o mau desempenho na pré-época, Rob White mostrou esperança e revelou qual seria o melhor cenário para
as suas equipas na Austrália.

"Ter uma corrida normal com todos os carros a andar bem era um grande alívio. Espero que possamos ajudar as nossas equipas e pilotos a explorar a
performance do carro para que todos tenham as condições de lutar pela vitória", declarou. Nos 12 dias de testes da préépoca, os carros com motores
Renault, a Red Bull, Toro Rosso, Lotus e a Caterham, completaram 1.647 voltas, com média de 411,75 voltas por equipa.

Por outro lado, os carros com propulsor Mercedes, a equipa da fábrica, além da Williams, McLaren e Force India, percorreram 3.484 voltas (871 por
equipa). Uma vantagem desproporcional. O actual tetracampeão mundial, Sebastian Vettel, já mostrou descontentamento com o desempenho do RB10, mas também deixou claro que vai ser paciente para ter um bom carro nas mãos.

Os treinos livres para o Grande Prémio da Austrália, o primeiro da época de 2014 da Formula 1, começam a ser disputados no dia 14 de Março, em
Melbourne. Até lá, Red Bull e Renault vão ter de trabalhar muito para ter um carro minimamente competitivo.

GESTÃO DA F1
Bernie Ecclestone
procura sucessor


O processo judicial na Alemanha por alegada corrupção não deixa muito tempo livre ao empresário britânico para se dedicar a cem por
cento à modalidade que tornou num negócio milionário. Bernie Ecclestone, "patrão" da Fórmula 1, revelou estar à procura de um sucessor, numa altura em que se prepara para um julgamento por suborno, na Alemanha. "Este caso tem-me ocupado muito tempo.

Ter de estar em Munique não me permite dedicação suficiente aos meus negócios", reconheceu o empresário em entrevista ao Financial Times, publicada ontem. Bernie Ecclestone, de 83 anos, começa a ser julgado a 24 de Abril, em Munique, por acusações de suborno a um banqueiro alemão, numa altura em que se negociavam os direitos comerciais da edição de 2006 do Mundial de Fórmula 1.

"Nos últimos anos, tenho procurado alguém que possa colaborar comigo. Se decidir retirar-me, tenho de encontrar quem continue o meu trabalho", disse o empresário ao jornal britânico. Campeão mundial pede apoio

ESTREIA EM 2014
Sebastian Vettel
está apreensivo


O fraco desempenho e os problemas de confiabilidade dos carros da Red Bull nos testes de pré-época da Fórmula 1 deixaram Sebastian Vettel muito pessimista para o começo de época. O piloto, vencedor dos quatro últimos Mundiais, acredita que vai ter muitas dificuldades até mesmo em completar o Grande Prémio da Austrália, a primeira prova do campeonato. "Primeiro, terminar a corrida já era uma vitória. Se metade dos pilotos
não cruzar a linha de chegada, até pode ser que a nossa equipa consiga marcar alguns pontos", disse Vettel à emissora alemã Servus
TV, quando analisava a primeira
prova da época.

Nos treinos de pré-época da F1 em Jerez de la Frontera e no Bahrein, a Red Bull encontrou muitos problemas para rodar os seus carros. Uma das causas do sofrimento seria o super-aquecimento do motor Renault, já que as outras equipas que utilizam os propulsores da montadora francesa também tiveram percalços. "Não estamos no nível que gostaríamos.

O começo do campeonato está a chegar pelo menos dois meses cedo demais para nós. Vai ser difícil compensar o atraso, não sei quando nem se vai ser possível", avaliou o consultor da equipa e mentor de Vettel, Helmut Marko.