Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Equipa de Maranello busca "pole position"

11 de Abril, 2015

Ferrari devolve alegria de viver a competitividade depois de um ano longe do pódio

Fotografia: AFP

“No geral, estou feliz com o carro. Podemos melhorar e dar mais um passo adiante na classificação. É para isso que serve a sexta-feira. Gostaria de ter feito mais voltas, mas foi uma sessão sólida para a equipa”, afirmou.

O alemão da Ferrari ressaltou que a Mercedes foi muito rápida, em ambas as sessões e em todas as idas à pista. No entanto, para a equipa de Maranello, o mais importante é certificar-se de que vão evoluir até amanhã.

“Há algumas coisas que podemos melhorar e vamos ver onde isso nos vai levar”, disse.

Vettel admite que o cenário é distinto da Malásia, quando a alta degradação de pneus no circuito de Sepang favoreceu a Ferrari: “O favorito é claro. Mas a nossa prioridade número um é estar atrás. Caso contrário, temos de nos certificar que ninguém nos supera”.

O tetra-campeão não acredita que a Ferrari tenha, no momento, ritmo para superar as Mercedes em qualquer situação. Porém, revela que a meta da equipa é alcançar os actuais campeões mundiais ao longo do ano.

“Temos um bom carro e podemos ficar confiantes. Ainda é cedo. O nosso objectivo no momento é chegar logo atrás da Mercedes, pois temos de admitir que são muito fortes. Ao longo da época, vamos tentar chegar cada vez mais perto”, disse.

A terceira sessão de treinos livres realiza-se hoje às 4h00 (de Angola) e as classificativas acontece às 7h00 (de Angola). A corrida realiza-se amanhã às 7h00 (de Angola).


RED BULL
Dono da equipa
quer motor forte

O dono da Red Bull, o austríaco Dietrich Mateschitz, reiterou que vai sair da Fórmula 1 se as suas equipas da categoria não tiverem um motor competitivo. Com isso, a pressão fica para a francesa Renault, que fornece as unidades de força para as equipas ligadas à marca de energéticos.

“Só vamos ficar na Fórmula 1 se tivermos uma equipa competitiva. Para isso, precisamos de uma unidade de força competitiva. Se não tivermos uma, podemos correr com o melhor carro e os melhores pilotos, mas vamos continuar sem oportunidades de vencer”, declarou Mateschitz à Austria Press Agency.

O dono da Red Bull também diz que não é só o futuro das suas equipas que estão em dúvida, como também da Renault. “Podem testar as suas opções, incluindo sair da Fórmula 1 também”, disse.

Apesar de tudo, Mateschitz acredita que a empresa francesa vai recuperar o prestígio das equipas da Red Bull: “Acreditamos na Renault para diminuir a distância para a Ferrari e sobretudo, da Mercedes".


 CHINA

Nasr quer pontuar


Depois de ter vivido um verdadeiro pesadelo, com uma série de problemas no Grande Prémio da Malásia, Felipe Nasr comemorou o início tranquilo de preparação para a terceira etapa do campeonato de Fórmula 1, na China.

O jovem piloto brasileiro ficou em quinta posição na primeira sessão e em oitavo lugar, na segunda, perfez um total de 44 voltas no circuito de Xangai.

“Foi um bom dia, estou satisfeito e resolvemos os problemas que tivemos na Malásia. As melhorias que trouxemos parecem estar a funcionar bem. Precisamos de certificar-nos de que vamos fazer um bom trabalho na classificação e encontrar um bom acerto para o carro na corrida. Portanto, temos boas oportunidades de marcar pontos novamente”, disse o piloto, que foi quinto classificado na estreia, na Austrália, mas ficou fora do top 10 em Sepang.

O rendimento do brasileiro foi bem superior ao do companheiro, Marcus Ericsson, 14º na primeira sessão e 13º na segunda. Porém, o chefe de engenharia de pista da equipa, Giampaolo Dall'Ara, disse que os carros não estavam iguais e a asa dianteira testada no carro de Nasr mostrou resultados “encorajadores”, e a equipa pode esperar “uma continuação positiva para o resto do final de semana”