Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Equipa de Maranello preocupa Mercedes

24 de Setembro, 2015

Wolff promete accionar as ordens dentro da Mercedes se Hamilton se sentir ameaçado

Fotografia: AFP

Depois da misteriosa queda de rendimento da Mercedes, no Grande Prémio de Singapura, o chefe da equipa alemã, Toto Wolff, pediu calma, mas também não excluiu completamente a oportunidade da equipa lançar mão se a vantagem do líder, Lewis Hamilton, cair vertiginosamente nesta fase final da época 2015, devido a uma eventual ascensão real da Ferrari no campeonato.

Durante o Grande Prémio de Singapura, realizado no domingo (20), a Mercedes ficou longe da luta pela vitória e viu um desempenho assombroso da Ferrari, que venceu em Marina Bay com Sebastian Vettel e ainda colocou Kimi Raikkonen no pódio em terceiro lugar.Embora já tenha dito que Hamilton e Nico Rosberg estão livres para decidir o Mundial, Wolff também não descartou, uma mudança de estratégia. "Se a diferença for muito menor no final, então poderemos, sim, pensar nisso", disse o austríaco ao ser questionado pelo jornal alemão “Bild” sobre possíveis ordens da equipa na restante fase da época 2015 da F1.

O dirigente preferiu fazer o discurso da calma. "A Mercedes precisa manter-se calma, agora. O carro é o mesmo. Não perdemos performance", completou o chefe da Mercedes. A seis etapas para o fim do campeonato, Hamilton tem 252 pontos, enquanto Rosberg soma 211, apenas oito pontos a mais que Vettel, o terceiro classificado.

FALTA DE RITMO
Lewis perde confiança 


 Lewis Hamilton desconhece se a Mercedes, vai ser capaz de solucionar os problemas, que fizeram a equipa sofrer uma inesperada e avassaladora derrota no GP de Singapura. Foi a primeira vez, desde o início da época'2014, que a equipa ficou sem a pole e nem sequer foi ao pódio nesse fim de semana.Com o Grande Prémio do Japão, no próximo fim de semana, Hamilton quer pensar positivo para  recuperar-se do revés. O britânico, além de não apresentar o mesmo ritmo das Ferrari e da Red Bull de Daniel Ricciardo, ainda abandonou com uma perda de potência na metade da prova.

"Não tenho confiança. Não tenho informações que me dêem essa confiança. Estou à espera que tenha sido uma excepção, mas é muito, muito estranho", afirmou o bicampeão.O líder do campeonato assegura que as Mercedes não estavam mais lentas em Singapura, mas "os outros podem ter trazido actualizações". Hamilton revelou que pediu explicações aos engenheiros sobre o que aconteceu, mas o curto tempo entre as duas provas, não permitiu.Lewis Hamilton continua na liderança do Mundial de Pilotos, mas viu a vantagem sobre Nico Rosberg cair de 53 para 41 pontos.