Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Equipas huilanas so ilegais

Gauncio Hamelay no Lubango - 15 de Fevereiro, 2020

Associao pretende legalizar todas as equipas filiadas

Fotografia: Jos Cola | Edies Novembro

Todas as equipas dos desportos motorizados da província da Huíla que participam dos campeonatos angolanos de velocidade nas categorias de motos FZ, Supermotos e karting estão em situação de ilegalidade. A informação é do presidente da Associação local da modalidade, Ivan Santos."Infelizmente, não existe nenhuma equipa legalizada. No final da época passada, fizemos uma campanha de sensibilização junto das pseudo-equipas para se legalizarem junto do Gabinete provincial da Cultura, Turismo Juventude e Desportos", disse.

Ivan Santos ressaltou que "mais de dez equipas de diferentes categorias carecem de organização e de reestruturação", entre as quais Armando Racing, DF Motos Reis, DF Karting, MN Racing, Constrói Racing. Em obediência às directrizes da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e da FIM (Federação Internacional de Motorizada), Ivan Santos assegurou que "um dos grandes desafios da época corrente é legalizar as equipas a fim de as ajudar a encontrar os patrocinadores".

"Quando uma pessoa individual pede patrocínio numa grande empresa, a sua credibilidade é posta em causa, muitas vezes", frisou.O dirigente justificou que "as probabilidades de uma equipa organizada, com número de contribuinte e registo no Gabinete da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos são maiores em ter as portas abertas com facilidade e acesso aos patrocínios e apoios ".Ivan Santos assegurou que "uma Associação provincial sem equipas filiadas é marginalizada ".

"Esperamos que tenhamos já equipas legalizadas no momento de realização de eleições gerais de renovação de mandatos na Associação. O novo ciclo olímpico deve começar com legalidade de todas as equipas da Huíla ", disse.Mesmo com a constatação de ilegalidade, a Associação Provincial de Desportos Motorizados da Huila está engajada no tratamento de licenças desportivas e nas inscrições de equipas e dos pilotos para época 2020. Ivan Santos promete "algumas surpresas " nas pistas de karting, mormente, mini e karting Max.

"Trinta e cinco porcento de pilotos da Huíla participaram das provas nacionais na época passada. Isso significa que a Huila continua a ser uma das grandes potências dos desportos motorizados em Angola. A nossa Associação participou com 22 pilotos ", disse.A Huila vai apresentar na corrida de Moçâmedes, previsto para Março, novos rostos em diferentes categorias. Alguns pilotos vão ascender de categorias no motociclismo. Os de Moto FZ ascendem à Supermotos e os Supermotos vão evoluir nas motos 600cc, segundo o dirigente.A lista definitiva de pilotos e de equipas inscritas para a época 2020 vai ser conhecida no final do corrente mês.

HUILANOS
Campeões defendem os títulos nacionais

Os pilotos huilanos têm a missão de revalidar os títulos de campeões nacionais em diferentes categorias de desportos motorizados. Jerónimo Carvalho, Mário Ferreira, Diego Fortuoso, Leidson Diogo são campeões de Motos AGP 600cc, Sports protótipo,Max e karting DD2, segundo Ivan Santos.
A notabilidade dos pilotos huilanos mereceu o reconhecimento de Ivan Santos, presidente da Associação Provincial de Desportos Motorizados  local.
"Isso significa que dominamos em grande parte todos os campeonatos com participação de pilotos huilanos ", destacou.Da lista de campeões acrescenta-se o nome de Nery Ferrão, o dominador da motos FZ, e de Omagénio Correira, o vencedor da Região Sul.

OBRAS AMEAÇAM
200 KM DA HUILA

As obras das infra-estruturas integradas, que decorrem ma Huila, pode comprometer a realização do 200 Kms da Huíla, o maior evento desportivo anual que decorre na cidade de Lubango. A colocação de asfalto, arruamento, colocação de passeios, aplicação de novo sistema de drenagem e esgotos, entre outros, decorrem em ritmo lento. A situação preocupa Ivan Santos.
"Ainda não temos o pavimento em todas as vias. Há possibilidades de conclusão das obras antes de Agosto, mês previsto para a prova de velocidade, os 200 Kms da Huila, em automobilismo ", disse.Ivan Santos recordou que várias empresas não honraram os compromissos no ano passado com Associação. Algumas entidades prometeram patrocínios e continuam "penduradas". 
Os fornecedores de serviços e de materiais criaram dissabores à instituição e "até hoje não honraram ". Por causa do condicionamento de patrocínio, o campeonato de motocross está a depender da nova avaliação. À semelhança das motos, o rali previsto para Humpata também está condicionado.