Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Equipas Militares vo desfilar em fora no "Nacional"

14 de Outubro, 2019

Regresso do Sagrado Corao de Jesus marca a competio nacional

Fotografia: AGUSTINHO NARCISO | Edies Novembro

Seis equipas afectas às Forças Armadas Angolanas estão inscritas para a disputa do Campeonato Nacional de hóquei em patins, que começa a ser disputado em Luanda, a partir de 18 do corrente. Petro de Luanda, Académica e Sagrado Coração de Jesus são os \"civis\" inscritos, enquanto o 1º de Agosto, Exército, Comité Desportivo das Forças Armadas (Codefa), Marinha, Instituto Superior Técnico Militar (ISTM) e Estado Maior completam o quadro.
Salta à vista o regresso do Sagrado Coração de Jesus que, no ano passado, não competiu em seniores. Quim Madeira, responsável da agremiação, refere que a equipa voltou às provas de seniores \"com um projecto modesto\".
\"Continuamos mais focados na formação, onde temos uma escola e uma equipa de iniciados e queremos escalonar até chegar aos seniores com força\", revelou.
O campeonato é marcado também pela ausência de equipas do interior. A propósito desta ausência, Anacleto Silva \"Kirro\", antigo praticante e comentador desportivo, defende que os fazedores da modalidade nas províncias do interior têm que alterar a sua maneira de estar na modalidade.
\"Devem libertar-se da dependência da federação. Ouvi dizer que pediram até patins e sticks como condição para jogarem o campeonato. isto é inaceitável. Têm que virar-se mais para as suas províncias, mobilizar apoios internamente e estabelecer calendários de competições, de acordo com as condições disponíveis. Por exemplo, o Atlético do Namibe jogou a Taça de Angola, era melhor criar condições para jogar o campeonato nacional, aí o que faltasse de mínimo pode-se conseguir apoios. Agora a federação não pode dar tudo aos clubes, é inaceitável\", comentou.
Sobre a presença de equipas militares, Kirro lamenta o facto delas não trazerem nada do ponto de vista competitivo. \"Dão volume, dão equipas, mas do ponto de vista competitivo, infelizmente não trazem nada\".
Quim Madeira, por seu turno, considera uma mais valia a presença das equipas militares que, se não existissem, muitos jovens teriam deixado de praticar a modalidade.
O campeonato abre com a partida entre o ISTM e o Codefa. No segundo jogo do dia, a atracção será a entrada em cena do 1º de Agosto, diante do Estado Maior. O Petro-Exército e Marinha-Sagrado Coração de Jesus jogam no dia 19. A Académica de Luanda, detentora do troféu, folga na primeira jornada.
A prova joga-se em regime de poule única a uma mão e elimina o último classificado. Do primeiro ao quarto classificado, apuram-se as equipas para a disputa da meia final, a melhor de três jogos. As equipas classificadas entre o quinto e oitavo lugares disputam entre si, eliminatórias pela melhor classificação. A final disputa-se no dia 19 de Novembro.