Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Espanhol Fernando Alonso critica motores da Honda

10 de Março, 2017

O piloto espanhol Fernando Alonso, da McLaren, disse que a equipa está preparada para a nova temporada

Fotografia: AFP

O piloto espanhol Fernando Alonso, da McLaren, disse que a equipa está preparada para a nova temporada, mas \'apontou\' o dedo à Honda pelos problemas no motor. A empresa japonesa, que fornece os motores da equipa depois de uma mudança antes dos testes de pré-época que decorrem em Barcelona, é apontada pelo bicampeão mundial como a causa para o mau arranque de temporada da equipa, que ainda não terminou uma sessão de treinos sem ter sentido problemas no motor.

\"Estamos todos preparados menos a Honda\", sentenciou o piloto, de 35 anos, no final da sessão em que voltou a ter problemas, devido à falta de \"potência e fiabilidade\" do engenho.

O piloto espanhol acrescentou: \"Vamos ao GP da Austrália sem estar preparados como o resto das escuderias. A equipa está toda a postos para ganhar menos a Honda\".

O espanhol espera agora que \"algumas decisões de cima\" possam apoiar a equipa para que possam \"ser competitivos\" na primeira prova do ano, a 27 de Março, em Melbourne.

\"Tenho esperança de que consigamos mais fiabilidade e potência para a Austrália. Para isso temos de ajudar a Honda no que pudermos\", considerou, dizendo ainda que se sente \"frustrado\" pelos problemas e pela ausência de um salto qualitativo para a nova temporada, depois de ter terminado 2016 na 10.ª posição do Mundial, na segunda temporada de regresso à escuderia McLaren.

VETTEL
Entretanto, a manhã do penúltimo dia de testes de pré-temporada de Fórmula 1 ficou marcada por um tempo “bombástico” de Sebastian Vettel, que é para já o melhor de todos os alcançados até aqui nos testes.

Com pneus ultramacios montados no SF70-H, o alemão da Ferrari rodou em 1m19,024s na melhor das suas 60 voltas e tirou 0,286s ao melhor tempo até aqui, os 1m19,310s registados por Valtteri Bottas (Mercedes) na véspera. São menos 3 segundos que o tempo da pole-position de 2016.

A manhã, de resto, foi inteiramente dominada por Vettel, que ainda realizou uma simulação de corrida com os pneus médios, registando tempos melhores que os de Lewis Hamilton, embora se desconheça a quantidade de combustível utilizado por um e por outro. Estima-se que cada 10 kg a mais de combustível custe 0,4 segundos por volta em Barcelona.

O inglês da Mercedes ficou com o segundo tempo, a 0,328s de Vettel, igualmente com pneus ultramacios, depois de várias sequências de voltas com os pneus médios.

Também com ultramacios, Esteban Ocon colocou o Force India na terceira posição, a pouco mais de um segundo de Vettel, com Daniil Kvyat a ser dos que melhorou o seu registo já perto do final da manhã, ficando mesmo na frente do Red Bull de Daniel Ricciardo, que se quedou a 1.8s da frente.