Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Especialista ressalta desempenho de fundistas

Silva Cacuti - 06 de Janeiro, 2017

A São Silvestre podia ter uma outra visibilidade caso houvesse a participação de corredores estrangeiros disse um especialista

Fotografia: Vigas da Purificação


Domingos Castro, antigo praticante e responsável pela MRD Eventos, empresa que esteve ligada à realização da 61ª edição da São Silvestre, disse ontem que o desempenho dos corredores angolanos na prova, teria sido melhor se houvesse a participação de corredores internacionais. Domingos Castro falava ontem durante a conferência de imprensa de balanço da competição, realizada pela Federação Angolana de Atletismo (FAA).

"Eu fiquei com a percepção de que os atletas angolanos estiveram melhor preparados para esta são Silvestre, comparado com a do ano passado. O tempo do vencedor não foi mau, se considerarmos que os atletas angolanos têm cortado a meta entre os 32 e 34 minutos, mas teria sido melhor se tivéssemos corredores da elite mundial a puxar o andamento", disse.

Domingos Castro disse que se lhes forem dadas condições de trabalho semelhantes

A FAA faz balanço positivo do evento e anunciou a alta médica concedida ontem ao último popular que ainda recebia assistência médica depois de ter participado na prova.

"Tivemos oito internamentos depois da prova. Três foram parar aos cuidados intensivos e um esteve em estado de coma, mas teve alta hospitalar hoje. Estamos satisfeitos porque não tivemos casos relevantes", disse Joaquim Dombaxi, porta voz da prova.

Bernardo João, presidente da FAA disse que a avaliação técnica da corrida deixa o seu elenco muito satisfeito, na medida em que foram registadas poucas falhas nos abastecimentos, fiscais de percurso e outros aspectos.

Destacou a falha da pistola que forçou a um atraso no tiro de largada, mas prometeu começar já a trabalhar mais cedo para o sucesso da próxima edição.

Francisco Caluvi, com o tempo de 31:23 minutos foi o vencedor da prova no sector masculino, enquanto Adelaide Machado foi a melhor do sexo feminino.

João Ntyamba
realiza sonho

O antigo fundista e angolano com mais participações em jogos olímpicos, João Ntyamba disse que ter sido homenageado pela 61ª corrida de fim de ano São Silvestre, foi como ver um sonho ser realizado.

Ntyamba, que é vice-presidente da Federação Angolana de Atletismo (FAA) falava à imprensa durante o balanço da competição.

"Foi algo muito especial para a minha vida. Estou sem palavras, é um velho sonho que se realizou e penso que com esta homenagem ganhou o atletismo, ganhou o desporto de forma geral. Quero agradecer aos treinadores, atletas, meus colaboradores e todas as pessoas ligadas à modalidade que permitiram que se concretizasse esta homenagem", comentou.

Eleita nas proximidades da realização da prova, a FAA decidiu homenagear João Ntyamba na 61ª primeira edição da corrida de fim de ano.

Embora sem participação de corredores estrangeiros, 1800 pessoas participaram na prova que homenageou a grande figura do atletismo angolano.

Nascido a 20 de Março de 1968, João Ntyamba teve seis presenças em jogos olímpicos, como atleta. Venceu várias provas de estrada pelo mundo e, na São Silvestre de Luanda, tem registadas duas vitórias, em 1999 e em 2000.

 

 

 

Ashton Eaton
anuncia retirada

O norte-americano Ashton Eaton, bicampeão olímpico e recordista mundial do decatlo, anunciou quarta-feira  a sua retirada do atletismo.
“É o momento para deixar o atletismo, para tentar algo novo. Honestamente, não há muito mais que eu ambicione fazer no desporto. Ofereci os anos fisicamente mais robustos da minha vida para descobrir e perseguir os meus limites neste âmbito. Atingi-os? Não tenho a certeza que alguém o consiga. Parece que temos tendência a que o tempo se esgote antes de esgotarmos o nosso potencial”, escreveu o atleta de 28 anos, no seu site oficial.
No Rio2016, Eaton igualou o recorde olímpico para vencer o seu segundo ouro consecutivo no decatlo, ao somar 8.893 pontos.