Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Esperança Caxita quer vencer africano

20 de Maio, 2017

A xadrezista actualmente do Progresso do Sambizanga, clube que transferiu-se (2015) (anteriormente Escola Macovi Sport) sagrou-se pela primeira vez campeã africana em 2013

Fotografia: Francisco Bernardo, Edições Novembro

A Mestre Internacional angolana, Esperança Caxita, disse quinta-feira, em Luanda, que vai jogar para conquistar o campeonato africano de sénior feminino, a disputar de 01 a 10 de Julho na Argélia.

A tricampeã africana de juniores, que falava à Angop, por ocasião da sua viagem a Cuba no dia 21 deste mês, onde vai participar na 52ª edição do Torneio Internacional \"Memorial Capablanca\", de 26 do mês em curso a 6 de Junho, na província de Matanzas disse que o seu grande objectivo é conquistar o africano de sénior que pode lhe dar o título de Grande Mestre, inédito em Angola.

 A xadrezista, de 18 anos de idade, que ficou na sétima posição em 2016 na Tunísia, salientou que está a trabalhar arduamente nos lances de abertura e está a acompanhar alguns vídeo de lances de algumas adversárias de competições passada.  “Por saber que o Egipto os campeões em 2016, Argélia e África Sul também têm o mesmo objectivo, a pressão está no lado de Angola que procura a norma de Grande Mestre (GM)”, realçou.

Deste modo, Esperança Caxita salientou que nos mais de quinze dias que vai fazer em Cuba, vai aproveitar o máximo a sua estadia com jogadores locais e não só, assim poder estar preparada em enfretar as adversárias no africano da Argélia. Não vou com grandes ambições no torneio internacional Capablanca, quero apenas aumentar o nível competitivo, trocar experiência com os GM que vão participar da prova, porque o africano de sénior é muito forte.

  Esta será a segunda participação de Angola nesta prova em homenagem ao Grande Mestre cubano, José Raúl Capablanca, campeão do mundo em 1921 e 1927. Angola estreou-se com o mestre internacional Adérito Pedro, em 2015. A participação dos xadrezistas nacionais no evento “escaquístico” mundial enquadra-se no âmbito da estratégia da Federação Angolana de Xadrez (FAX) para a obtenção do título inédito de Grande Mestre (GM).

Foi em Dezembro de 2016 que Esperança Caxita obteve a terceira norma para o efeito com a conquista pela terceira vez do campeonato africano de Juniores, decorrido na Tunísia. Porém, não tendo sido as conquistas consecutivas, a Federação Internacional de Xadrez (FIDE) exige uma pontuação Elo igual ou superior a 2.300 pontos para a atribuição do título maior do xadrez mundial.

A angolana possui actualmente 1.849 pontos.  A xadrezista actualmente do Progresso do Sambizanga, clube que transferiu-se (2015) (anteriormente Escola Macovi Sport) sagrou-se pela primeira vez campeã africana em 2013 e depois em 2014. Falhou o troféu em 2015 e em 2016 voltou a protagonizar o feito.