Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Estados Unidos com Mxico e Canad

12 de Abril, 2017

Seleco da Alemanha actual campe mundial aps conquistar o ttulo no Brasil

Fotografia: KENA BETANCUR, | AFP

O Mundial de 2026  vai ser alargado a 48 selecções, facto decidido pela FIFA que ainda vai fazer rios de tinta, pelas iniciativas inéditas que rodeiam a organização.

A prova ainda vai no adro, alguns países já começaram a tomar posições para a sua organização, como é o caso dos Estados Unidos,  Canadá e  México que anunciaram na segunda-feira, uma candidatura conjunta a ser submetida à organização do Mundial2026 de futebol, dividida entre os três países da CONCACAF, o que nunca aconteceu em 22 edições. As três nações anunciaram a intenção, no 102.º piso do One World Trade Center, o edifício mais alto do Ocidente, com a presença do líder da federação norte-americana, Sunil Gulati, do presidente da congénere canadiana e da CONCACAF, Victor Montagliani, e da mexicana, Décio de Maria.

“Este dia é um marco para o futebol norte-americano, e para a CONCACAF”, atirou Gulati, que disse sentir que a decisão é “a correcta para o continente e para o desporto”.

Entre os três países, estão mais de uma dezena de eventos mundiais organizados sob a chancela da FIFA, entre seniores masculinos (México1970, México1986 e EstadosUnidos1994), femininos (Estados Unidos em 1999 e 2003, Canadá em 2015) e sub-20 masculinos (México1983 e Canadá2007) e femininos (Canadá 2002 e 2014). Na apresentação da candidatura, os responsáveis destacaram os recordes de assistências do Mundial1994 em solo norte-americano, enquanto o México recebeu a prova em duas ocasiões e acolheu ainda o Mundial sub-17 de 2011, e a Taça das Confederações de 1999.

“Temos uma oportunidade única de ser o primeiro país a receber três torneios, pelo que estamos cheios de orgulho e empenhados em garantir que seja o melhor de sempre”, destacou o líder da federação mexicana. O presidente da federação canadiana de futebol, Victor Montagliani, destacou o facto de o país ser a única nação G8 que ainda não recebeu a prova, apesar da “história de sucesso em elevar a fasquia em torneios de juniores e femininos”.

A prova de 2026 vai ser a 23.ª edição e é a primeira a ter 48 equipas, sendo que só poderão candidatar-se à organização países dos continentes de África, América do Norte, América do Sul e Oceânia, uma vez que a Europa recebe o Mundial2018, na Rússia, e a Ásia o de 2022, no Qatar.