Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Évora quer recorde mundial

08 de Outubro, 2015

Nelson Évora salienta ter o mais importante que é a motivação para o seu objectivo

Fotografia: AFP

Nelson Évora, campeão olímpico no triplo salto em Pequim2008, reiterou ontem a confiança de superar a marca de 18 metros, assegurou que vai  “rezar” para que quando ocorrer, possa bater o recorde do mundo.

“O meu objectivo é treinar  melhor possível, bater a barreira dos 18 metros e nesse meu salto vou rezar para que possa ser acima dos 29 centímetros, que é o que falta para bater o recorde do mundo”, afirmou Nelson Évora, que conquistou a medalha de bronze nos Mundiais de 2015, à margem da apresentação da corrida “Discovery Underground Lisboa”.

No entanto, o actual campeão da Europa em pista coberta, cujo recorde pessoal é de 17,74 metros, rejeita qualquer obsessão à marca: “Se não for (recorde do mundo) fico feliz na mesma, porque vai ser um salto espectacular, como já mostraram o Christian Taylor e o (Pedro Pablo) Pichardo, que fizeram saltos acima dos 18 metros e saíram das provas super satisfeitos, porque tinha sido uma experiência única”.

Nelson Évora não duvida das suas capacidades, explica que a melhor marca mundial depende da junção de todos os factores, realça a ambição para saltar mais de 18 metros, marca que admite ser necessária para conquistar nova medalha olímpica. “Qualquer atleta que salte 17,60 é capaz de saltar 18 metros, é uma questão de inspiração, de estarem conciliadas as condições ideais.

Eu já fiz esses saltos, já consegui superar muitos bloqueios que tinha e provar que posso fazer bons saltos, quero repeti-los até aos Jogos, porque para ser medalhado pode ser preciso saltar acima dos 18 metros”, explicou. Mesmo assim, Nelson Évora diz acreditar que o recorde do mundo vai ser superado antes do Rio2016, até por causa da pressão decorrente de uma final olímpica e também porque a mesma está agendada para o período da manhã, reconheceu ter um longo caminho a percorrer.

“Há que trabalhar e não pensar em recordes. Faltam-me muitos treinos até lá, mais de 400 treinos, por isso, vou focar-me em trabalhar e depois começar a traçar objectivos e procurar saltos cada vez maiores”, frisou. Um dia depois de ter iniciado os treinos para a nova época, Nelson Évora salienta ter “o mais importante, que é a motivação para dar tudo, dar o melhor”. Até reentrar em competição, conta realizar dois a três estágios, acompanhado de uma equipa técnica de biomecânica, em locais onde seja possível treinar ao ar livre durante o inverno.

Prometeu empenhar-se em “todos os pormenores”, para não haver “desculpas para o resultado final”, o saltador luso receia ainda a influência do horário matutino previsto para a competição no Rio de Janeiro. “É algo que espero que seja alterado, porque acho que é algo inédito: A qualificação vai ser feita numa manhã às 9:30 e a final às 10:30 do dia seguinte. Teremos, desde a hora que vamos acabar a prova, menos de 24 horas para recuperar para uma final, o que acaba por ser extremamente violento para uma prova como o triplo salto”, sublinhou.