Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ex-campeão acusa doping

14 de Fevereiro, 2015

A suspensão da medalha de ouro nos dez km nos Mundiais de 2003 em Barcelona e 2007 em Melbourne tem efeitos desde 4 de Julho de 2014

Fotografia: AFP

O nadador russo Vladimir Dyatchin, duas vezes campeão do mundo de natação em águas abertas, foi suspenso por dois anos, devido a um controlo antidoping positivo, anunciou  na quinta-feira a agência antidopagem da Rússia (Rusada).

A suspensão de Dyatchin, medalha de ouro nos dez km nos Mundiais de 2003, em Barcelona e 2007 em Melbourne, tem efeitos desde 4 de Julho de 2014, informou a Rusada (federação russa), indicando que nas análises do nadador foi detectada uma substância interdita, não especificada.

O nadador russo, de 32 anos, anunciou de imediato o fim da sua carreira, na qual também se regista um título de campeão europeu em 2002. Em Julho de 2014, Dyatchin já tinha estado suspenso temporariamente depois de amostras recolhidas durante os campeonatos russos terem mostrado a presença de um produto proibido.

CASOS
Entretanto, vários são os atletas que têm sido suspenso por doping. A Agência Mundial Antidopagem (AMA) anunciou em Janeiro o controlo positivo do sul-coreano Park Tae-hwan, campeão olímpico de 400 metros livres nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008.

Em comunicado, a AMA atribuía o resultado positivo de Tae-hwan a uma injecção administrada por um médico, em hospital,  que continha uma substância proibida.

“Como nadador de classe mundial, Park Tae-hwan tem sido extremamente cuidadoso com o que toma e renunciou mesmo a medicamentos para combater a constipação, para não dar positivo nos testes. Ele está mais chocado do que qualquer um com a notícia”, refere a nota.

A AMA nota que Park foi tratado em um hospital na Coreia do Sul, no verão passado, tendo recebido uma injecção que levou ao resultado positivo. “Park perguntou reiteradamente se a injecção continha alguma substância ilegal e o médico disse-lhe que não havia problema”, refere ainda o comunicado.

O nadador, primeiro campeão olímpico sul-coreano de natação, não descartou na altura, accionar judicialmente o hospital.