Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ex-coordenador da Comissão de Gestão pode responder em Tribunal por desvio

Álvaro Alexandre - 09 de Março, 2015

António Vemba está limitado no exercício das funções devido imbróglio criado por Adão Konde

Fotografia: M.Machangongo

O ex-coordenador da Comissão de Gestão do Núcleo de Luanda de Lutas Associadas, Adão João M. Konde, suspenso de todas as actividades desportivas desde 2012, pode ver a sua situação agravada, depois da Assembleia Geral ordinária da Federação Angolana de Lutas Associadas, que se realiza a 11 de Abril, na sala de reuniões da instituição, à Cidadela Desportiva.Os representantes das Associações Provinciais de Lutas Associadas de Malanje e de Cabinda manifestaram na reunião preparatória da Assembleia Geral ordinária, no último sábado, o esclarecimento do processo que levou à suspensão de Adão João M. Konde.

Depois de ouvirem a explanação do processo que desencadeou a destituição de António Vemba, como presidente de direcção da Federação Angolana de Lutas Associadas, os representantes aprovaram como tema principal da Assembleia Geral ordinária “a avaliação da situação problemática” que afecta o bom desenvolvimento da modalidade.O porta-voz da reunião preparatória da Assembleia Geral ordinária, Bonito Zingath, presidente do Núcleo de Cabinda, afirmou que pesam sobre o ex-coordenador da Comissão de Gestão do Núcleo de Luanda acusações de foro criminal que podem levá-lo a responder às instituições competentes de Justiça.

“Vamos avaliar o comportamento de Adão João M. Konde, no final do conclave, vamos tomar a decisão para estancar o grave problema que provocou à modalidade. O membro foi suspenso de todas as actividades desportivas por crime de peculato, falsificação de cheques e de assinaturas, bem como o mau relacionamento com atletas, clubes e dirigentes das associações”, esclareceu.

Bonito Zingath explicou que “no dia 7 de Março de 2012, na sala do Comité Paralímpico Angolano, Adão João M. Konde negou assinar o termo de responsabilidade para repor os quatrocentos e setenta mil kwanzas”.A atitude do membro (Adão João M. Konde) viola os Estatutos da Federação Angolana de Lutas Associadas e a Lei Nacional dos Desportos, de acordo com Bonito Zingath.

 “Adão Konde solicitou a convocação de uma Assembleia extraordinária para supostamente provocar a destituição de António Vemba, presidente eleito da Federação Angolana de Lutas Associadas. O documento enviado à Direcção Nacional do Ministério da Juventude e Desportos e à VI Comissão da Assembleia Nacional seguiu os trâmites legais com assinaturas falsificadas. Na reunião preparatória, os 14 associados negaram ser os autores das alegadas assinaturas e acusam Adão João M. Konde de forjar as mesmas”, esclareceu.

Para além deste assunto, a Assembleia Geral ordinária vai analisar e aprovar os relatórios de actividades e contas referente ao período de 2013 a 2014. Para uma discussão mais calorosa e abordagem com propriedade, cada Associação provincial vai receber “os instrumentos jurídicos, administrativos e financeiros” a partir do dia 3 de Abril, conforme o presidente da Mesa da Assembleia Geral da Falutas, Manuel Disadidi.

“Queremos contribuições valiosas e cada Associação vai ter sete dias úteis para apreciar de forma analítica a documentação”, disse.
Participaram da reunião preparatória da Assembleia Geral representantes das Associações de Cabinda, Cuanza Norte, Huambo, Luanda (membro observador), Malanje, Uíge e Zaire.