Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

FABOXE está atenta a Cabinda

Silva Cacuti - 16 de Julho, 2014

Carlos Luis ressalta a importância da província de Cabinda no desenvolvimento do boxe em Angola depois de ter vivido momentos de glórias formando vários campeões nacionais

Fotografia: Jornal dos Desportos

A Federação Angolana de Boxe (Faboxe) tem uma atenção especial pela província de Cabinda, que vai ser palco a partir de amanhã, de mais uma edição do campeonato nacional Sénior, júnior e juvenil masculino e da edição do campeonato unificado feminino, de acordo com Carlos Luís, presidente de direcção da Faboxe.O dirigente desportivo disse, que a dedicação fica a dever-se ao historial e ao potencial que aquela província apresenta, para num futuro próximo ter atletas que sejam referências na modalidade.“Há 15 ou 20 anos, Cabinda marcou a história com pugilistas que trouxeram medalhas para as selecções nacionais. Surgiram nomes como Gregório Kapita, Alfredo Sassa, Panda Lukumbi, Caetano Lelo, Simão Muanda e Ilanga de Jesus”, disse.

Carlos Luis assegurou que “no campeonato de juniores do ano passado, a representação de Cabinda trouxe jovens com muito potencial, razão pela qual a direcção da Fabox tem uma atenção muito especial”.“Acreditamos que haja potencial humano, condições geográficas e de desenvolvimento económico para dar atletas de referência para os ringues em Angola”, sustentou.O dirigente desportivo, que trabalhou na província com as autoridades, refere que está tudo a postos para que as provas arranquem sem sobressalto.

“Todo o trabalho básico está criado”, disse. Em relação à prova, Carlos Luís mostrou-se expectante no bom desempenho dos atletas, particularmente, os das categorias de pesos pesados, cujos combates atraem muitos adeptos para as salas de espectáculo. A prova, disse, tem confirmadas as participações de equipas de Luanda, Lunda Sul, Lunda Norte, Soyo, Mbanza Congo, Menongue, Benguela e ainda as equipas do Exército e da Força Aérea Nacional, as duas últimas afectas às Forças Armadas Angolanas.Hoje é o dia previsto para a chegada das delegações a Cabinda. Os combates vão disputar-se no pavilhão do Tafe. Amanhã, começa a disputa das preliminares e as finais são jogadas a 20 de Julho. A equipa do Interclube, orientada por Enrique Carrion Olivares, antigo campeão mundial de boxe amador, é a campeã nacional em seniores masculino.

COMPLEXIDADE
Famílias das atletas
rejeitam os ringues


As pugilistas angolanas enfrentam dificuldades de aceitação da sua condição junto dos seus parentes, facto que pode enfraquecer a participação no segundo campeonato nacional unificado feminino, previsto para Cabinda de 16 a 21 do corrente, admitiu Carlos Luís, presidente da Federação Angolana de Boxe (Faboxe).
“Há complexidade de aceitação por parte das famílias das atletas, que até aceitam o treino, mas não permitem que elas entrem em competição”, disse.O movimento à volta do boxe feminino cresce a cada dia. Conforme apuramos, pelo menos três equipas de Luanda têm atletas preparadas para competir em Cabinda. O Interclube, vencedor da primeira edição, o África Golf II e o Cduan de Luanda. O núcleo do Waku Kungo, Cabinda e Huíla têm presenças confirmadas.

Individualmente, destacam-se nomes como Simba Conda, Luzolo Cristina, Luengo Ranchel, Lídia André, Sara Fernanda e Sandra Bibiana. O boxe feminino começou a dar os primeiros passos no país em 2011, no Interclube, com a realização de combates de demonstração em galas e outras provas. Em 2013, a Faboxe organizou o primeiro campeonato nacional que o Interclube acabou por vencer. Panda Lukumbi, é um dos técnicos pioneiros da iniciação da modalidade no sector feminino.
SILVA CACUTI