Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Falta de jogos preocupa Makili

Rosa Panzo - 07 de Junho, 2014

Mário Makili (primeiro à direita) trabalha no Namibe para os Jogos da CPLP em Luanda a decorrer no final do mês de Julho

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Seleccionador Nacional de voleibol de praia, Mário Makili, manifestou-se ontem preocupado com o vazio que se regista no calendário de competições nacionais das categorias de formação da Federação Angolana de Voleibol.

O nível competitivo dos atletas jovens que se preparam no Namibe, com vista a participação nos IX Jogos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), prevista de 23 de Julho a 2 de Agosto, em Luanda, está aquém dos preceitos estipulados pelas instituições internacionais.

Há seis semanas da abertura do evento desportivo, Mário Makili assegurou que "os atletas angolanos não evoluem, porque não têm rodagem interna nessas categorias". Durante a preparação, os atletas são submetidos a jogos-treinos com atletas mais experientes.

Para Mário Makili "a situação é preocupante, porque os opositores dos angolanos nos Jogos da CPLP têm muita experiência, resultante das participações quer nas competições internas quer internacionais".

"Moçambique tem duplas possantes, não só no aspecto físico, porque participam em todas as competições africanas e europeias", justificou.
Questionado se abdicava das responsabilidades no evento desportivo, o seleccionador nacional disse que as assume, porque "existe massa humana para tal".

Em contradição com a sua posição, Mário Makila afirmou que o alto nível competitivo dos adversários nos Jogos da CPLP, mormente os brasileiros e os portugueses, não é motivo de preocupação, pois "sempre que o país participa em competições dessa natureza obtém medalhas". A estratégia do sucesso dos angolanos reside na presença de atletas " experientes e profissionais".

O seleccionador nacional reconhece o trabalho das Associações provinciais na formação de atletas. O grande exemplo é o campeonato escolar realizado no ano passado na província do Uíge, em que participaram dez equipas de ambos os  sexos.

"Nesse campeonato provou-se que existe massa humana para disputar campeonatos nacionais todos os anos e criarem-se as bases para as futuras selecções em várias categorias, até mesmo em seniores", comentou.

As selecções nacionais de jovens realizam hoje e amanhã jogos-treinos na sequência de preparação, depois de aprimorarem os aspectos físicos.