Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Fantasma persegue Rossi

19 de Novembro, 2015

Fantasma persegue, Rossi

Fotografia: AFP

A época desportiva 2015 da MotoGP terminou em Valência com a consagração de Jorge Lorenzo, piloto da Yamaha. Duas semanas depois, Valentim Rossi não consegue entender as razões da derrota na competição. O italiano liderou o campeonato do mundo ao longo de quase todo o ano, mas perdeu o título de 2015 a favor de colega de equipa por uma diferença de cinco pontos.

Dias depois da derrota, Valentino Rossi voltou às pistas para uma série de dois dias de testes e admitiu que não foi fácil encontrar a motivação para conduzir a YZR-M1. O italiano revelou que vai levar meses para engolir a derrota na MotoGP.Valentino Rossi acredita que Jorge Lorenzo foi ajudado por Marc Márquez. O italiano sustenta que a boa vontade do bicampeão beneficiou o conterrâneo por conta de uma vingança pessoal. Valentino acusou o piloto da Honda de segurar o ritmo em Phillip Island e de escoltar Jorge Lorenzo, na final de Valência. Márquez foi acusado de proteger a liderança do número 99, depois de um toque polémico na Malásia.

“Honestamente, depois da corrida, doía muito a alma, mas é uma situação diferente, já que tem muita adrenalina”, explicou Rossi em entrevista à imprensa italiana. O vice-campeão de 2015 revelou que "na segunda-feira, foi o contrário, foi difícil, e na terça-feira também, foi meio que um luta”. Na sua lista semanal de avaliação, revelou que no quarto dia sentiu-se "melhor", apesar de "ser uma coisa, uma situação que vai levar meses para esquecer". Rossi ressaltou que "isso nunca se esquece, mas assimila-se".

Além disso, Valentim Rossi também questionou a decisão da Honda de não exibir a telemetria da moto de Márquez no polémico lance da Malásia. A marca da asa dourada diz que os dados da moto número 93 mostram o accionamento do travão como causa para a queda do bicampeão da MotoGP e acusa do piloto da Yamaha de ter pontapeado a alavanca do travão.

Inicialmente, a Honda pretendia mostrar os dados, mas decidiu adiar para não ser acusada de tentar influenciar a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto, que não suspendeu a pena de Rossi pelo toque com Márquez. O vice-presidente-executivo da HRC, Shuhei Nakamoto concedeu uma conferência de imprensa, acompanhado por Livio Suppo, chefe da equipa, onde pretendia mostrar a telemetria, mas desistiu. O responsável alegou que tinha sido um pedido da FIM (Federação Internacional de Motociclismo) e da Dorna, promotora do Mundial de Motociclismo.

Valentim Rossi manifestou o desejo de tomar contacto com a telemetria da Honda, mas sentiu-se depois frustrado com a desistência da Honda.“Gostaria de entender como podem demonstrar por meio da telemetria que o empurrei. Isso é uma coisa que deveriam perguntar-lhes”, sugeriu. O piloto com nove títulos tratou de "coitados" os membros de direcção da Honda, que os acusa de fazer um trabalho "não pelo bem do motociclismo".