Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Faya prestes a abandonar

Rosa Napoleão - 27 de Abril, 2016

Antónia de Fátima agendou trabalhar em Paris antes de desembarcar no Rio de Janeiro

Fotografia: Paulo Mulaza

Revestida de ansiedade, Antónia de Fátima conta os dias para dar início à preparação para participação pela última vez,  no torneio de judo dos Jogos Olímpicos. Quis a sorte que as terras brasileiras do flamingo, no Rio de Janeiro, fosse o local ideal para abandonar o desporto do coração. A angolana nascida no bairro Cazenga, em Luanda,  termina um sonho construído com muito suor e abnegação.

Detentora de uma carreira invejável, Faia, como é conhecida nas lides desportivas, definiu a sua "cerimónia de encerramento": constar entre as quatro melhores do torneio de judo. Antónia de Fátima aspira despedir-se dos Jogos Olímpicos no pódio, à semelhança do campeonato africano da Tunísia, onde obteve o passe de acesso para as terras de Cristo Redentor.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, a judoca angolana exibiu "o fogo" que a consome no íntimo. Faia emitiu a alegria e a ansiedade. As palavras fugiam-lhe da boca. Depois de conter a emoção, soltou de leve numa voz “masculina”: "Estou bastante ansiosa para essa competição".

A pausa prolonga-se antes de justificar: "Todo e qualquer atleta carrega o sonho de marcar presença nos Jogos Olímpicos. Graças a Deus consegui mais uma vez esse mérito".

O mérito de Faia é de responsabilidade. A atleta do 1º de Agosto promete "valorizar o país e mostrar ao mundo que Angola ascende entre os melhores". A história está cheia de trabalho.

"Carrego alguma experiência por ter competido noutras edições dos Jogos Olímpicos, por isso, vou preparar-me para dar o meu melhor e superar o resultado de outras participações", garante.

A 100 dias do arranque da maior reunião desportiva do mundo, a melhor judoca nacional da categoria de -70 quilogramas desconhece o programa da preparação. Está preocupada com o silêncio das entidades competentes. O sucesso no Rio'2016 depende directamente da preparação que fizer. Com as mãos atadas, a medalha de bronze do Africano da Túnis'2016 deposita as esperanças no Comité Olímpico Angolano (COA).

"Já não me resta dinheiro para dar continuidade ao meu trabalho de preparação. Estou a guardar o pronunciamento do COA, entidade responsável para garantir o meu estágio. A princípio devo regressar a Paris, onde devo trabalhar a técnica e força até à data dos Jogos Olímpicos", disse.

Antónia de Fátima tem "o sangue a ferver nas veias". A ansiedade em dar início à preparação é tão alta, mas uma voz acalma-a no seu íntimo. "Não tenho data de partida para Paris, fá-lo-ei tão logo haja condições", disse com esperança.

Depois da despedida dos Jogos Olímpicos, Faia  tem o destino traçado: "Todo o atleta tem um tempo e o meu terminou. Vou render mais na formação de atletas do que competir. É importante que se aperfeiçoem outros atletas com capacidades para representar o país com dignidade, assim como fiz durante a minha carreira desportiva".

Enquanto atleta, Antónia de Fátima colabora na formação de judocas do 1º de Agosto. Com o encerramento da carreira, o país vai ganhar uma nova Academia. "Tenho o projecto de formar a minha própria equipa", afirmou.

A atleta de 33 anos de idade cultivou o gosto pelas artes marciais ainda muito jovem. Começou a praticar o karaté na equipa Kake Vodan. Nove meses depois, trocou-o pelo judo e ingressou no Clube Desportivo da Banca. Um ano depois, trocou o judo por King boxe, modalidade que praticou durante cinco anos. Voltou a treinar o judo nas equipas da Banca, Guedan, Santos FC e 1º de Agosto.

Em Angola, Antónia de Fátima é a judoca com mais títulos ao serviço da Selecção Nacional. Vozes autorizadas da modalidade, apontam-na como "a melhor atleta de todos os tempos". Do seu currículo constam três títulos africanos (Ilhas Maurícias'1995 e 2014, Brazzaville'2015), vice-campeã africana (Tunísia'2004, Argélia'2007, Senegal'2011, Maputo'2011 e Marrocos'2012). Medalha de bronze (Grand Prix de Mongólia'2015), Medalha de prata (Open de Miami- EUA'2015).

É detentora dos títulos de campeã do torneio de judo dos Jogos de Lusofonia de 2009 e 2014. Medalha de bronze das Copas da Roménia'2012 e 2015. Medalha de ouro no torneio pré-olímpico de Joanesburgo, África do Sul. Medalha de ouro dos Zonais Africanos de Botswana'2007 e Moçambique'2008.
Antónia de Fátima Soares Moreira é filha de António José Moreira e de Albertina Filomena da Silva Soares Moreira. É natural de Luanda, nasceu a 26 de Abril de 1982. O estado civil é solteira.
ROSA NAPOLEÃO