Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Federao quer melhorar estatura fsica das atletas

27 de Agosto, 2014

Prestao do combinado nacional nos Jogos da Juventude foi considerada razovel por Inocncio Tomas Jnior em jeito de balano da participao das angolanas

Fotografia: Jos Soares

O vice-presidente da Federação Angolana de Andebol para as Associações Provinciais, Inocêncio Tomás Júnior anunciou ontem em Nanjing que se deve iniciar em breve um processo de melhoramento da estrutura física das atletas angolanas, a começar nos escalões de formação.

Em declarações à Angop, para balancear a participação da equipa nacional de cadetes nos II Jogos Olímpicos da Juventude que encerra amanhã, Inocêncio Júnior que chefiou a delegação do andebol, disse que a estatura física franzina de maior parte das atletas nacionais é o principal adversário em competições internacionais.

Para ele, nesta competição o mais importante foi evitar o último lugar, mas que deve-se trabalhar a nível interno e melhorar a estatura física das atletas, que passa pela introdução nos escalões inferiores de atletas altas e com uma certa corpulência. Conforme  o dirigente, só assim é que em competições desta natureza Angola pode sentir-se igual aos seus adversários e jogar de forma equiparada com atletas de outras paragens.

“Note que independentemente de sermos campeões africanos, ainda estamos aquém do andebol europeu de certas zonas da Ásia. A constituição física das russas, por exemplo, ditou a supremacia nesta competição, embora a Coreia tenha uma estatura que se assemelhe à nossa, a dinâmica, velocidade entrega marcaram a diferença”, ressaltou.

“Ao virmos para esta competição sabíamos do nível de dificuldades que havíamos de enfrentar, tivemos numa série difícil, para ver as duas outras equipas foram as finalistas do torneio e são equipas muito fortes (Rússia e Coreia do Sul)”, sublinhou. Inocêncio Júnior qualificou a participação de Angola de regular, assinalou que se fez o possível, pois as jogadoras deram o máximo de si, embora tivessem perdido para a Rússia e  Coreia do Sul, conseguiram vencer a China.

Ressaltou a importância de competições deste género para as jovens atletas, o que as torna mais rodadas e eleva o seu nível de percepção da evolução da modalidade, torna-as no futuro em potenciais juniores. No torneio olímpico, Angola perdeu para a Rússia por 21-34 e para a Coreia por 13-39, venceu a China por 31-18, no primeiro jogo dos play-off e empatou no segundo a 22 golos.