Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Federao Angolana tem cofres vazios

Gaudncio Hamelay-Lubango - 16 de Maio, 2019

Participao de Luzia Pires nos Africanos de jovens est tremida

Fotografia: Edies Novembro

Os cofres da Federação Angolana de Xadrez estão vazios e a instituição está com dificuldades financeiras para levar, nos próximos meses, as selecções nacionais de jovens às competições africanas a decorrer no Zimbabwe e na Namíbia. O ano de 2019 está a ser o mais difícil na gestão de Tito Correia Martins, presidente de direcção.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o secretário-geral da FAX, Manuel Pedro, assegurou no Lubango, província da Huíla, que estão a depender de alguns patrocínios e do Orçamento Geral do Estado. Até o princípio do mês corrente, a instituição ainda não havia recebido qualquer dotação financeira.
"A nossa gestão está difícil no ano corrente. Entramos no quinto mês do ano e não recebemos qualquer ordem de saque do OGE para acudir as nossas preocupações. Aguardamos que o façam nos próximos meses para aliviar a pressão. A criação de condições de participação nos campeonatos africanos de juniores e individual júnior está a ser calcanhar de Áquilles", disse.
Perante a carência financeira, está tremida o envio de uma delegação que garanta a boa participação de Angola nos certames. Manuel Pedro assegura que vão enviar jogadores "de acordo com a capacidade financeira".

MASSIFICAÇÃO

A massificação do xadrez estende-se a todo país por ser uma ferramenta que joga com o intelecto da criança. Manuel Pedro assegura que apenas é praticado oficialmente e controlado por 12 associações provinciais. Algumas escolas públicas e privadas tem-no como disciplina extra-curricular.
"O xadrez ajuda no raciocínio lógico, no pensamento exacto", disse. Manuel Pedro mostrou-se preocupado por falta de participações regulares das associações provinciais nas competições nacionais. Por outro lado, uma chama de esperança renasce para as localidades como Bengo, Cabinda, Lunda Norte, Cuanza Norte e Cuando Cubango, que não desenvolvem a modalidade.
"Há comissões instaladoras das futuras associações provinciais. Tão logo forem proclamadas, vamos homologá-las para se ajustarem aos programas da Federação Angoalana de Xadrez", disse.
As 12 associações provinciais satisfazem os intentos da FAX, mas a meta é aumentar o número de filiados. A FAX tem um programa de apoio material destinados aos filiados, segundo Manuel Pedro.
O nível competitivo dos atletas filiados na Associação Provincial de Cunene, nos ‘nacionais’ de jovens disputados no Lubango, surpreendeu pela positiva o secretário-geral da FAX. O dirigente sustentou que Cunene cresceu muito, após ter acolhido há dois anos as mesmas provas.
"Cunene tem uma escola excelente que dá aulas com regularidade. Queremos que vá para frente", desejou.
Manuel Pedro enalteceu o trabalho da Associação da Huila.
Depois de Luanda, a Huila superou Benguela na massificação de xadrez. Lubango está com muita força. Sempre que tivermos as condições de apoiar a Huíla não hesitaremos. O dinamismo dos dirigentes locais encanta-nos. Estão sempre em movimento em busca de patrocínios em diferentes partes do país ", disse.