Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Federação exige adestramento de atletas

Helder Jeremias - 05 de Janeiro, 2017

À mesa de trabalho vão estar as principais questões que emperram o desenvolvimento do tiro nacional.

Fotografia: João Gomes

A direcção da Federação Angolana de Tiro exortou os clubes filiados a procederem à apresentação dos atletas, com vista à participação na época 2017 do Campeonato Nacional de Fosso Olímpico, previsto para Fevereiro no Campo de Tiro do Interclube. O evento está inserido nas comemorações alusivas ao Dia da Polícia Nacional, que se assinala a 28 de Fevereiro.

De acordo com uma nota enviada ao Jornal dos Desportos, a direcção da Federação está preocupada com o atraso no envio de listas e de documentação por parte da maior parte dos clubes. Os novos corpos sociais da instituição dispõem de pouco tempo para trabalhar na calendarização do campeonato nacional,  e noutras provas extras.

O documento assinado pelo Secretário-geral da instituição, Humberto Jorge de Brito Teixeira de Sousa e Andrade, dá conta de que até a presente data, apenas a direcção do Clube de Tiro e Pescas do Lubango e do Clube Desportivo 1º de Agosto se dignaram a responder ao ofício datado de 27 de Dezembro de 2016.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, Humberto Jorge deixou transparecer a ideia de que o atraso deveu-se ao facto de algumas instituições funcionarem "a meio gás", uma vez que se encontram nos primeiros dias do ano. Porém, reitera a necessidade de dar mais celeridade ao adestramento dos atletas, de forma a ter um programa dentro das estatísticas.

"Voltamos a fazer um apelo aos clubes que ainda não enviaram as listas,  recebemos garantias que tudo vai ser feito com a maior brevidade, de maneiras que ainda está semana possamos enviar as fichas para a emissão do cartão do atleta federado, sem o qual, nenhum atirador  está habilitado a competir em 2017", frisou Humberto Andrade.

Sob a liderança do presidente Francisco Afonso "Hanga", os novos corpos sociais da FAT tomaram posse em Dezembro de 2016, têm agendado para os próximos dias a primeira reunião alargada. À mesa de trabalho vão estar as principais questões que emperram o desenvolvimento do tiro nacional.
HJ