Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Federer com grande ambição

02 de Março, 2017

Roger Federer espera conquistar o vigésimo Grand Slam da carreira ainda este ano

Fotografia: AFP

Aos 35 anos, Roger Federer voltou às vitórias em torneios do Grand Slam quase cinco anos depois do seu último título - triunfara em Wimbledon, em Julho de 2012 - ao ganhar o Open da Austrália, em Janeiro. Quase um mês depois dos festejos em Melbourne, ao bater o espanhol Rafael Nadal na final, o tenista suíço, que já contabiliza 18 títulos do Grand Slam, confessou ao \'L\'Équipe\' que não pensa ficar por aqui.

\"Sei que Roland-Garros será difícil porque é preciso trabalhar muito duro durante a época de terra batida para estar em perfeitas condições em Paris. E nem assim temos garantias. Por isso, tenho que me colocar a questão: \'Quantos torneios estou disposto a jogar para estar em Roland-Garros?\'\", admitiu Federer, dando a entender que poderá falhar novamente o torneio parisiense.

\"Mas em Wimbledon e no US Open tenho sempre uma hipótese se jogar bem e estiver de boa saúde face à rapidez dos courts. Chegar aos vinte troféus é um sonho. Porque não? Mas onde tenho melhores hipóteses é claramente em Wimbledon\", acrescentou o suíço, que voltou esta semana aos courts, participando no ATP 500 do Dubai - bateu o francês Benoit Paire por 6-1 e 6-3 na segunda-feira.

Depois de se ter comprometido a jogar o Torneio de Basileia, a sua cidade natal, até 2019, tudo aponta para que o actual número 10 do ranking mundial - liderou a classificação durante um total de 302 semanas - prolongue a carreira profissional iniciada em 1998 pelo menos até essa altura. Ainda assim, sem garantias absolutas.

\"É um pouco o desconhecido, mas isso permite que possamos planificar as coisas, tanto ao torneio como a mim. Quero que a prova tenha sucesso e que as pessoas saibam que me poderão ver ali. Em Halle e nos Grand Slams é igual. Procuro anunciar o mais cedo possível onde jogarei para que os adeptos me possam acompanhar\", salientou. \"E isso responde também àqueles que pensavam que depois de ganhar na Austrália partiria no meu cavalo rumo ao por do sol. Não é esse o caso\", acrescentou, bem-disposto, Roger Federer.

Quanto ao segredo para a sua longevidade nos courts, o veterano tenista suíço - que passou também por Portugal, tendo ganho o Estoril Open em 2008 - lembra que \"sem trabalho, não chegamos muito longe\", apesar de assumir que só recentemente começou a ter de treinar mais.

\"Eu vejo o talento sob diversas formas. Existe o talento de poder trabalhar com rigor durante oito, 12 ou 16 anos. Eu não tinha isso. Eu tinha o talento de compreender muito rapidamente o que me explicavam e aplicar isso técnica e tacticamente. Mas investir no trabalho levou-se tempo\", frisou.