Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Federer revela ambições

15 de Abril, 2017

O suiço Roger Federer revelou estar feliz mas sabe que é duro continuar dominante no restante do ano

Fotografia: AFP

O grande início de temporada do suíço Roger Federer, que facturou os três títulos mais importantes disputados até então, em 2017 o Australian Open, e os Masters 1000 de Indian Wells e Miami, empolgou e muita gente começou a pensar no seu regresso à liderança do ranking. Só que o próprio tenista não tem como meta, voltar a ser número 1.

Em entrevista à Gazzetta dello Sport, o suíço disse ser muito difícil retornar à ponta, e que não é uma meta sua para o ano. \"Eu sonho com isso, mas a realidade é outra. Como não jogo mais tanto quanto antes, fica mais difícil voltar ao número 1. Preciso, então, jogar de maneira excepcional nos grandes torneios\", afirmou Federer.

\"Além disso, em algum momento vou cruzar com tenistas como Murray, Djokovic, Nadal ou Nishikori. Todos eles estarão em grande forma e será difícil vencê-los. Por isso será duro facturar os grandes títulos, e ser número 1 novamente\", complementou o tenista da Basileia, que não deve jogar um torneio sequer no saibro antes de Roland Garros.

Federer revelou estar feliz, com o actual momento, mas sabe que deve duro continuar dominante no restante do ano. \"A minha meta é estar saudável e feliz, para mim é um sonho o que fiz até agora, mas temos que ver o que vai acontecer agora. Estou feliz por fazer essa pausa\", finalizou o actual número 4 do mundo.

Entretanto a ausência de Roger Federer do Masters 1000 de Roma, não é motivo de preocupação para os organizadores do torneio, que acontece entre os dias 14 e 21 de Maio. O Open da Itália é um dos torneios mais tradicionais do calendário e vai chegar à sua 74ª edição.

Durante o evento de lançamento da competição, o director da Federação Italiana de Ténis (FIT), Angelo Binaghi, disse que o torneio consegue  sustentar-se financeiramente e vender ingressos mesmo sem a presença de Federer.

Em tom leve, o dirigente lembrou do retrospecto do suíço no saibro italiano, e revelou a sua preferência por Rafael Nadal. \"Mesmo nos momentos mais difíceis, eu sempre apostei em Nadal\", disse Binaghi aos jornalistas italianos, com destaque para o site SportFace que disponibilizou na íntegra o áudio da sua resposta.

\"Por outro lado, Federer nunca ganhou aqui, e acho que ele não tem boas memórias de Roma, porque deveria ganhar pelo menos duas vezes. Em uma ocasião, ele ainda teve dois match points contra Nadal\", acrescentou o dirigente.

\"Acho que, como já aconteceu em Wimbledon, quando houve uma greve de todos os jogadores, um evento como o nosso é mais forte que um grande campeão. Na verdade, vamos bater todos os recordes de bilheteria este ano\".