Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Federer volta a Roland Garros

23 de Maio, 2019

Suo no joga o Slam francs desde 2015 quando perdeu nos quartos-de-final contra Wawrinka

Fotografia: DR

Roger Federer (3º) está oficialmente de volta a Roland Garros. Na terça-feira, ele fez o seu primeiro treino no complexo, onde acontece o segundo Grand Slam da temporada. A quadra principal, Philippe-Chatrier, foi o palco da sessão.
Ao lado do argentino Diego Schwartzman, o suíço começou a preparação para voltar ao Major francês, onde foi campeão em 2009. A sua última partida no saibro parisiense foi nos quartos-de-final de 2015, quando caiu para o compatriota Stan Wawrinka.
Federer optou por pular a temporada de saibro em 2017 e 2018, procurando manter a melhor forma física, para permanecer em alto nível. Em 2016, ele até jogou torneios preparatórios, mas acabou por desistir de Roland Garros.
Em 2019, Roger resolveu regressar aos eventos da terra batida. Disputou os Masters 1000 de Madrid e Roma. Na Espanha, perdeu nos \"quartos\" para  Dominic Thiem, enquanto na Itália desistiu antes do seu jogo, também nos quartos-de-final, contra Stefanos Tsitsipas.
Enquanto isso, na última segunda-feira, a Associação dos Tenistas Profissionais lançou o ranking a ser utilizado para a disputa da ATP Cup, nova competição entre países, que estreará no calendário de 2020 do circuito. O evento será uma espécie de Copa do Mundo entre nações e vai reunir jogadores de 24 países. O torneio pode render até 750 pontos no ranking, além de premiação total de 15 milhões de dólares.
A competição será disputada na Austrália, entre os dias 3 e 12 de Janeiro, nas cidades de Perth, Brisbane e Sydney, e servirá também de preparação para o Australian Open, primeiro Slam do ano. De acordo com o regulamento, os 18 primeiros países do ranking no dia 13 de Setembro garantem vaga. Os seis restantes sairão da lista do dia 13 de Novembro. No torneio, as 24 equipas serão divididas em seis grupos de quatro. Os líderes e os dois melhores segundos colocados avançam ao mata-mata, começando nos quartos-de-final.
Para poderem participar do evento, os países devem ter, pelo menos, dois tenistas com ranking em simples, além de um terceiro, seja em simples ou duplas. A lista terá como base o melhor tenista individual de cada país. Por exemplo, hoje os líderes são Sérvia e Espanha, já que Novak Djokovic e  Rafael Nadal são os números 1 e 2 do mundo, respectivamente. O ranking será actualizado semana após semana, de acordo com as mudanças da lista da ATP. Nesta primeira actualização, o Brasil ocupa o 37º posto, ainda bem longe da lista de corte, para jogar a competição.