Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Feito de Faia no Mundial agrada a Paulo Zinga

Rosa Napoleão - 12 de Setembro, 2013

Antónia de Fátima “Faia” terminou a prova na sétima posição da sua categoria

Fotografia: Jornal dos Desportos

O sétimo lugar de Antónia de Fátima “Faia”, na categoria de -70 quilogramas, no Campeonato do Mundo de Judo, que decorreu no Rio de Janeiro, deixou satisfeita a Federação Angolana da modalidade. O presidente de direcção, Paulo Zinga Apolo, manifestou o seu regozijo pelo feito inédito para Angola.Questionado sobre o que esteve na base da boa performance da atleta, Paulo Nzinga Apolo disse que Faia sempre cultivou o espírito de vitória.

“É uma grande atleta, com elevado nível competitivo. Embora estivesse a frequentar um estágio na Argélia, Faia sempre se sacrificou para manter a sua performance, trabalhando cá no país com todas as dificuldades materiais”, disse.O dirigente federativo afirmou que “toda a equipa esteve bem ao ponto de merecer o título de segundo melhor país africano por ter levado o maior número de atletas”.

Antónia de Fátima “Faia” chegou aos quartos-de-final do Campeonato do Mundo ao derrubar a espanhola Maria Bernabéu por ippon, mas não teve a mesma destreza para vencer a alemã Laura Koch. A germânica foi mais forte e aplicou um ippon à internacional angolana, arredando o sonho de constar entre as quatro melhores. Faia, que já esteve presente nos Jogos de Atenas’2004 e Londres’2012, terminou a prova na mesma posição que a experiente judoca brasileira Maria Portela, uma das mais temidas do judo mundial. Com este feito, a judoca nacional colocou-se na 24ª posição do ranking mundial.


ESTANDARDIZAÇÃO
Direcção da FAJUD
pede uniformização


O reconhecimento dos feitos do judo e das restantes modalidades individuais em Angola devem fazer-se sentir para dar ânimo aos atletas que se entregam com todo o coração em representação do país. A constatação é do presidente da Federação Angolana de Judo, Paulo Zinga Apolo. “Estamos cansados de certas separações que se observam no nosso desporto. As modalidades individuais deviam receber maior atenção, porque permitem arrecadar maior número de medalhas numa só competição e isso não acontece”, disse.

Em relação aos dinheiros para a saída da selecção, o dirigente federativo afirmou que “foram à competição sem qualquer ajuda do Ministério da Juventude e Desportos e todas as despesas inerentes à prova, desde os bilhetes de passagem à hospedagem, foram pagas com dinheiro pessoal”.Paulo Zinga Apolo queixou-se da persistência de algumas pessoas em boicotar o trabalho da Federação com difamações infundadas e críticas destrutivas.

“Infelizmente, até agora se nota em algumas pessoas um comportamento negativo em relação ao judo e isso não contribui para o bom andamento da modalidade”, queixou-se.A comitiva angolana esteve constituída pelos atletas Ângelo António, Casimiro Brito, Henrique João, Nair Garcia, António Holo, Audácio Cambamba, Celestino Cambamba, João da Silva, Domingos Caetano, Hélio Ferreira, Antónia de Fátima e Bruna Vanessa.