Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ferrari admite má fase

26 de Abril, 2013

Mau posicionamento dos pilotos da Ferrari no Grande Prémio do Bahrein não preocupa Stefano Domenicali

Fotografia: AFP

Após quatro corridas disputadas, o chefe da Ferrari, Stefano Domenicali, reconhece a má fase que a equipa vive, mas acredita que pode ser superada.
Com um desempenho abaixo do esperado, a Ferrari é a terceira colocada na classificação geral entre construtores do “mundial” de Fórmula 1, devido ao mau posicionamento dos seus pilotos nas contas finais do Grande Prémio do Bahrein, no último fim-de-semana.

“Nós acreditamos na nossa habilidade de lutar até ao fim e, neste momento, conseguimos desde o início, o que não foi o caso antes. Ao mesmo tempo, é preciso ser perfeito em todas as áreas. Temos de trabalhar, a partir de agora, com a atenção renovada. Nestas quatro primeiras corridas da época, não conseguimos, por várias razões, somar os pontos que estavam ao nosso alcance”, declarou o dirigente.

Depois de apresentar problemas na asa móvel do carro, Fernando Alonso terminou na oitava posição no Bahrein, enquanto Felipe Massa ficou em 15º.
Com apenas quatro pontos somados, Fernando Alonso viu Sebastian Vettel, que venceu no circuito de Sakhir, distanciar-se no topo da tabela classificativa. Actualmente, o piloto espanhol da Ferrari tem 47 pontos, contra 77 do piloto da Red Bull-Renault.

Embora não tenha ido bem na última prova e também na Malásia, quando não conseguiu completar a prova, Fernando Alonso terminou na segunda e na primeira posição na Austrália e na China, respectivamente. Com mais 15 GP pela frente e sabendo que a Fórmula 1 é um competição imprevisível, Stefano Domenicalli crê que a sua equipa ainda pode terminar a temporada com o título. “Não devemos desanimar. Muito pelo contrário, porque vimos tantas vezes que as coisas podem virar a nosso favor, porque tudo muda muito depressa neste desporto”, concluiu.


Red Bull receia desempenho da Lotus

O conselheiro da Red Bull, Helmut Marko, revelou na quarta-feira que, nesta fase da temporada, depois dos primeiros quatro GP, considera a Lotus Renault um rival mais temível do que a Ferrari.“Há algum tempo que sabemos que a Lotus talvez vá ser o nosso adversário mais difícil e, nesta altura, tememos mais a Lotus do que a Ferrari”, disse Marko, braço direito de Dietrich Mateschitz, proprietário da marca de bebidas energéticas que detém a Red Bull-Renault, ao jornal alemão “Kleine Zeitung”.

“Mas só foram disputadas quatro corridas e sabemos que o panorama pode mudar”, prosseguiu. “De resto, o que está na origem da rapidez da Lotus nestes GP, permanece um mistério para nós”, acrescentou.

A Red Bull lidera o Mundial de Construtores e de Pilotos, em que Sebastian Vettel soma mais 10 pontos do que o Kimi Räikkönen, da Lotus, com o melhor piloto da Ferrari, Fernando Alonso, em quarto lugar, já a 30 pontos.

POLICIA TRAVOU ATENTADO

A polícia do Bahrein anunciou na terça-feira, através de comunicado, que deteve duas mulheres por planearem um atentado no Grande Prémio de Fórmula 1, realizado no último fim-de-semana no circuito de Sakhir. As duas mulheres foram detidas à entrada do circuito, quando estariam a testar o dispositivo de segurança. Após isso, e segundo o comunicado divulgado pela polícia, oito mil agentes garantiram que o Grande Prémio se pudesse realizar sem problemas.

Foram, no entanto, apreendidos durante o fim-de-semana mais de mil cocktails molotov, 137 pneus para serem ateados nas estradas e 72 extintores de incêndio, alegadamente destinados a serem utilizados como bombas.