Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ferrari alerta Mercedes

01 de Dezembro, 2015

Ferrari deu um salto de qualidade em 2015, especialmente, com a chegada de Sebastian Vettel

Fotografia: AFP

A Ferrari deu um salto de qualidade em 2015, especialmente, com a chegada de Sebastian Vettel, o único a quebrar o domínio da Mercedes. O alemão conquistou as três vitórias que a equipa de Maranello tinha colocado como objectivo para este ano. O segundo lugar da equipa vermelha na tabela de classificação não passou despercebido ao chefe da Mercedes, Toto Wolff.

O austríaco afirmou que a equipa prateada precisa de estar preparada para uma possível evolução da Ferrari ao longo do inverno europeu. A Mercedes fechou a época de 2015 com um total de 16 vitórias, sendo dez de Lewis hamilton e seis de Nico Rosberg, 12 dobradinhas e um total de 703 pontos, 275 a mais que a Ferrari. Para o Toto Wolff, a conquista de alguns recordes neste ano, com um número de pole-positions, domínio na primeira fila, vitórias e dobradinhas "não é o mais importante".

"O mais importante é o espírito da equipa, que foi fantástico. É um prazer trabalhar com esses homens e mulheres e sei que todos estão tão determinados quanto eu a manter esta forma no próximo ano”, declarou o chefe da Mercedes. Toto Wolff assegura que “a Ferrari deu um enorme passo à frente no inverno passado e a curva de desenvolvimento foi bem incrível".

"Precisamos estar preparados para o mesmo este ano e garantir que vamos progredir ainda mais. Quando você começa a pensar que vai ser fácil, podes perder”, ponderou. Na visão de Christian Horner, chefe da Red Bull, uma repetição do domínio da Mercedes é inevitável com o regulamento estável em 2016.

“O regulamento é extremamente estável para o próximo ano e a Mercedes vai, inevitavelmente, continuar dominante, tamanha é a margem da equipa. Vão ter um ganho ao longo do inverno, mas vão, sem dúvida, estar mais próximos do topo da curva e vão obter retornos menores do que potencialmente outros”, disse Horner à ESPNF1.

Horner reconheceu que "é uma diferença enorme para qualquer uma das equipas recuperar”. Portanto, opinou que não tem a certeza do que "os apostadores vão oferecer por uma repetição de performance no próximo ano". Contudo, sugere que "as oportunidades não são muito boas".
O domínio da Mercedes prejudica o desporto e é diferente daquele imposto pela Red Bull, de acordo com Horner.

“Resultados previsíveis e vtórias em série são difíceis para qualquer desporto. Fomos acusados disso, mas nunca tivemos uma continuação de sucesso ou longevidade de sucesso”, apontou. Horner lembrou que dois dos mundiais conquistados pela Red Bull foram até a última corrida.

"E nunca terminamos em primeiro e segundo na classificação. Inevitavelmente, com esse tipo de previsibilidade, as pessoas desinteressam-se e é preciso uma mudança para atraí-las novamente”, seguiu. O chefe da Red Bull ressaltou que as pessoas não querem ver Fernando Alonso a participar apenas.

"Queremos vê-lo a competir, assim como Daniel Ricciardo ou Sebastian Vettel com Lewis Hamilton e Nico Rosberg”, defendeu.  Horner assegura que "as equipas nunca vão atingir isso", porquanto "têm muitos interesses individuais". Para inverter a situação, "cabe aos reguladores e aos órgãos directivo apresentarem regras melhores que alcancem esses objectivos".