Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ferrari confirma dupla actual

01 de Agosto, 2017

Vettel e Raikkonen podem ser anunciados em Monza

Fotografia: AFP

O presidente da Ferrari, Sérgio Marchionne, deu a informação de que a equipa vai manter Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen para o ano que vem, anúncio aguardado para o GP da Itália. Ambos os pilotos de Maranello estão sem contrato, após o fim do ano. Houve dúvidas sobre Raikkonen após Marchionne acusá-lo de ser um preguiçoso no início do mês.

Durante o GP da Hungria, Marchionne indicou que agora há uma oportunidade maior do que 50 por cento, do finlandês manter a sua vaga.

Questionado sobre a situação dos pilotos, disse: “Estamos a ser claro na situação de Sebastian. Se quiser ficar, é mais do que bem-vindo para ficar. E, no caso de Kimi, estamos muito bem. Sabemos que quer ficar. Espero que possamos garanti-los em breve”.

Perguntado sobre a oportunidade de Raikkonen garantir um novo contrato, Marchionne disse: “Provavelmente é uma oportunidade mais do que 50 por cento. Vamos ver.”

Marchionne também confirmou que a Ferrari está próxima de finalizar a sua dupla perto da sua corrida de casa, em Monza, no início de Setembro.

“Foi o que ouvi. Ouvi que Maurizio Arrivabene, chefe da Ferrari, ia fazer isso. Não pensei, em um momento. Está bastante cedo. Essa é a 11ª corrida de 20. Então, temos muitas corridas pela frente”, disse.

RUMORES SOBRE
LEWIS HAMILTON

Há rumores de que Hamilton pode tornar-se um alvo em longo prazo, especialmente com o seu contrato com a Mercedes a expirar ao fim de 2018. Marchionne disse que é cedo demais para considerar o inglês.

“Terminar a carreira na Ferrari seria um privilégio, mas até agora, não fomos muito longe com Lewis. Não falarei sobre o futuro.


 MANTER A PROMESSA
Valtteri Bottas agradece a Lewis Hamilton


Há boas lembranças para Valtteri Bottas no Grande Prémio da Hungria de 2017. O finlandês partiu do terceiro lugar e terminou na mesma posição. A conquista do último lugar do pódio contou com o apoio do companheiro de equipa, Lewis Hamilton, que o deixou passar na recta de chegada.

Isso, deveu-se a uma outra inversão que ocorreu antes no GP, com Bottas a deixar Hamilton passar para que o britânico atacasse as Ferraris. O finlandês não ficou no mesmo ritmo de Hamilton, mas no fim o britânico foi correcto, e entregou-lhe a posição de volta.

“Obviamente, no final estava a ficar um pouco preocupado, porque a diferença estava a aumentar para Lewis. Tive muitos problemas com os retardatários, tive um pouco de azar. Agradeço a Lewis por manter a promessa, e deixar-me passar no fim”, falou Bottas.

Valtteri Bottas assegura que podia ter problemas, quando a diferença era grande, mas \"no fim deu tudo certo”.

“Dei-lhe a oportunidade de passar a Ferrari. É uma pena, tivemos um grande ritmo no final da corrida, mas a nossa classificação não foi boa; não chegamos melhor. Obrigado por toda a claque. Foi muito bom conduzir aqui com todas as bandeiras finlandesas”, disse.

DANIEL RICCIARDO
CRITICA VERSTAPPEN

O clima ficou pesado na Red Bull, após o GP da Hungria. Numa das corridas com mais possibilidades para a equipa em 2017, ambos os pilotos se envolveram em um toque nas curvas iniciais, o que provocou o abandono de Daniel Ricciardo.

Max Verstappen, que lutou com Valtteri Bottas pouco metros antes, tentou manter a sua trajectória ao lado de Ricciardo, mas perdeu o ponto de travagem e colidiu na lateral do colega. Assim, foi punido que também acabou com as suas oportunidades de vitória. Ricciardo não gostou da manobra do holandês.

“Nunca havia uma ultrapassagem ali. Foi apenas um erro. De forma alguma havia espaço, porque Valtteri estava a cobrir o espaço de dentro”, disse o australiano. Questionado se o ocorrido era fruto da inexperiência de Verstappen, Ricciardo disse: “Isso soa legal demais. Não é essa a palavra, provavelmente, é ‘imaturidade’. É frustrante que tudo tenha acabado em apenas duas curvas. Gostava de ter corrido”. Max Verstappen reconheceu o erro. “Claro que não foi o que eu queria. Tudo começou na Curva 1. A largada foi boa, mas fui espremido por Bottas e perdi a velocidade. Estávamos a lutar por uma posição na Curva 2, então travámos tarde . Tentei manter-me por dentro, mas travei os pneus.

Infelizmente, toquei Daniel no ponto mais frágil do carro, na lateral”, disse.  Max esclareceu mais: “Tentei evitar o toque, mas infelizmente não foi possível. Não foi minha intenção atingir ninguém, especialmente, o meu companheiro de equipa, sobretudo, com o relacionamento que tenho com Daniel, que sempre foi bom”.


VOLANTE
Vettel revela dificuldades


Como muitos previram, após a sua pole position no sábado, Sebastian Vettel venceu o GP da Hungria. Porém, o que ninguém previu foram os problemas mecânicos enfrentados pelo alemão da Ferrari, durante a prova em Budapeste. Com o volante a pender para a esquerda, desde antes da metade da prova, foi obrigado a fazer um traçado económico, sem usar as zebras por boa parte da prova.

O piloto precisou de adaptar-se ao mau comportamento do carro, e ainda  beneficiou  da dificuldade de ser ultrapassado no traçado sinuoso de Hungaroring, para manter o companheiro Kimi Raikkonen e as Mercedes, atrás.

“Estou muito feliz. Foi uma corrida muito difícil, mas não pareceu estar de fora. Estive muito ocupado desde de três ou quatro voltas, depois do Safety Car. Aconteceu algo estranho, o volante começou a ficar torto, ficava pior e deixei de passar pelas zebras para poupar o carro”, disse Vettel depois do GP.

O tetracampeão sustenta que \"não foi fácil\", pois \"Kimi ia mais rápido\" que ele, por falta de \"bom ritmo\".

\"No final, o carro melhorou um pouco. Tive algumas voltas a respirar, mas tive de permanecer focado na corrida toda. Foi bem difícil, mas é um grande resultado, e um grande dia”, assegurou.

Vettel esclareceu como suportou a pressão: “Um olho na pista, outro nos fãs e outro na direcção. Não sei o que houve, precisamos de analisar, mas não importa agora”.

“Ganhamos a corrida. Foi um sentimento estranho, porque estávamos a ir para a esquerda. As curvas para a esquerda eram difíceis, mas não importa” disse Vettel, que terminou a agradecer a um adepto ilustre, que estava ao lado na pista.

“Obrigado pela claque. Tinha um adepto à saída da chicane, que toda a volta me dava sinal  positivo, e manteve-me motivado. Foi muito bom”, agradeceu.