Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ferrari e Mercedes levam batalha s ruas de Marina Bay

13 de Setembro, 2018

Hamilton forte candidato conquista do primeiro lugar em Marina Bay

Fotografia: DR

O périplo pela Europa chegou ao fim, com a disputa do GP de Itália, realizado no circuito de Monza. Lewis Hamilton fez exactamente o que o seu ídolo (Ayrton Senna) tinha feito em 1990, no GP da Itália: venceu a corrida de forma fantástica, calou uma torcida (hostil e contra) ferrarista, no tradicional autódromo de Monza.
Porém, diferente do brasileiro Ayrton Senna que corria na altura pela Mclaren Honda que era o melhor carro na altura, Hamilton venceu com a Mercedes, um carro “supostamente” inferior (actualmente) aos da casa (Ferrari).
Tudo indicava que a Ferrari ia sair de Monza com o lugar mais alto do pódio, por “ene” factores, entre a velocidade de ponta, por terem os seus dois pilotos Vettel e Raikkonen bloqueado a linha da frente na pole, e terem um piloto com o calibre de Vettel, que é um dos fortes candidatos à conquista do título.
Esta vitória de Hamilton e da Mercedes não foi um bom sinal para Vettel e para a Ferrari, pois, depois do Grande Prémio da Itália, vem aí o GP de Singapura. Marina Bay volta a testar as equipas e pilotos, e foi onde Vettel e a Ferrari começaram o calvário no ano passado (2017). Tudo o que podia correr mal correu ainda pior.
A sua passagem, pelos outros circuitos asiáticos, foi um autêntico desastre, não conseguiram chegar ao pódio, em Suzuka e Spang.O Grande Prémio de Singapura, a realizar-se no circuito Marina Bay, vai ser a 15ª corrida do campeonato de 2018. Marina Bay recebeu sempre muitíssimo bem as suas corridas, em termos de disputas.
 Os pilotos estão motivados e prontos a entrarem em acção, depois do fim da ronda europeia, pois, mal podem esperar para ver o apagar das luzes vermelhas e partirem uns acima dos outros para o melhor resultado.
A julgar pelo andamento da Ferrari e da Mercedes no GP da Itália, Bottas, Hamilton, Kimi e Vettel partem como os grandes favoritos à conquista da vitória. Eles têm carros rápidos, especiais, maravilhosos e atracção pelas quatro rodas, aliadas aos sistemas híbridos. Estes pilotos vão transformar os Ferraris e Mercedes, nos principais foguetes da corrida e vão tentar estar mais uma vez em forma,  para saírem do “Marina Bay” nos lugares mais altos do pódio e não dar hipóteses aos Red Bull (tem um chassis favorável a esta corrida) e às  equipas do segundo pelotão.

Hamilton e Vettel
travam rivalidade


Hamilton ganhou a prova da última edição em 2017,  é um  forte candidato à conquista do primeiro lugar em Marina Bay, pois,  pode vir a igualar o número de vitórias de “Seb”, que são quatro. Mas a maior parte dos aficcionados está a apostar as fichas em Vettel, e com alguma razão, pois, este demonstra um ritmo de velocidade incrível em corridas e bastante consistência, é o piloto com mais vitórias em Marina Bay e também o único com três vitórias  consecutivas, mas este,  não é factor primordial em Marina Bay, por ser um circuito citadino.
Hamilton e Vettel partilharam os cinco últimos grandes prémios, com o inglês a levar vantagem sobre o alemão. Hamilton venceu na Alemanha, Hungria e na Itália,  Vettel na Inglaterra e na Bélgica. O facto curioso é que Vettel era o principal candidato nas quatro corridas, com excepção da Inglaterra, em Silverstone, casa de Hamilton em que ele tem dominado.    

Outros concorrentes

O nome do vencedor do Grande Prémio  de Singapura, que se disputa no circuito de Marina Bay, é ainda uma incógnita, mas já está a mexer com o coração dos amantes do mundo da alta velocidade da Fórmula 1. Não é só de Ferraris e de Mercedes que se vivem as emoções da Fórmula 1, pois,  apesar de serem as equipas de top, temos, também, outras, como Red Bull,  Haas, Renault, McLaren, Force India, Toro Rosso, Sauber e Williams, que podem vir a dar um certo espectáculo, lá pela parte de trás, o que seria bom; mas a probabilidade de entrada do “Safety Car” são inúmeras, devido aos acidentes que acontecem na pista.
E, a corrida de estreia, influenciou bastante nas contas para o campeonato de 2008. A ‘malandragem’ da equipa Renault, fez Nelsinho Piquet causar a entrada do “Safety Car”, para beneficiar a Alonso que venceu a corrida. Com este resultado, Felipe Massa não aumentou muitos pontos, e no GP do Brasil, mesmo a vencer, perdeu o campeonato para Lewis Hamilton, por um ponto.
Serão os Red Bull (Daniel Ricciardo e Max Verstappen), que se apresentaram nas últimas duas corridas, na Bélgica e na Itália, a um nível muito inferior aos Ferraris e Mercedes (de Vettel, Raikkonen, Hamilton e Bottas), capazes de lhes dar luta? A  equipa parece estar a navegar numa maré de azar. Mas nem tudo está perdido e os seus pilotos, apesar de estarem atrás dos Mercedes e dos Ferraris, estão com uma certa vantagem em termos percentuais.