Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ferrari evita explicação do "atalho" para Alonso

19 de Março, 2013

Fernando Alonso e de Felipe Massa durante o Grande Prémio da Austrália

Fotografia: AFP

A Ferrari evitou as explicações sobre a diferença na estratégia de Fernando Alonso e de Felipe Massa durante o Grande Prémio da Austrália de Fórmula 1. O jornal espanhol “Marca” publicou ontem que não está claro se a antecipação da segunda paragem nos boxes de Fernando Alonso foi uma decisão da equipa ou do próprio piloto.

Na prova disputada no último domingo, Felipe Massa largou na quarta posição (Fernando Alonso largou em quinto) e permaneceu à frente do companheiro de equipa até à 20ª volta. Naquele momento, a segunda paragem para troca dos pneus do carro do espanhol foi antecipada. O brasileiro fez o “pit stop” três voltas depois e, quando regressou à pista, estava atrás do companheiro de equipa.

Fernando Alonso, que com a manobra ultrapassou não só Felipe Massa mas também o alemão Sebastian Vettel, da Red Bull-Renault, classificou a decisão como “acertada”. O espanhol disse que se sentia mais rápido que os seus rivais e a equipa antecipou a paragem nas boxes.

Segundo o jornal, o actual vice-campeão mundial evitou analisar a frustração do brasileiro, que no fim da corrida afirmou: “Não posso estar contente com a estratégia, quando o seu companheiro ganha duas posições e você as perde.”

Depois da prova, o chefe da Ferrari, Stefano Domenicali, não esclareceu o assunto. O italiano disse que isso “não é um ponto importante” e que preferia “ficar com a boa corrida em conjunto”.

Diante da insistência dos jornalistas, Stefano Domenicali afirmou que “Alonso estava travado no tráfego e tinha de tomar um atalho”. Sobre a decisão de antecipar a paragem, o italiano disse que “foi falado com o piloto”.

Ontem, a Ferrari publicou no seu “site” oficial uma nota na qual analisa o GP da Austrália e define a abertura da época como positiva. Na prova, Fernando Alonso terminou na segunda posição, duas à frente de Felipe Massa.

“A estratégia de prova e o rendimento dos pneus foram decisivos. Sobre um traçado hostil como o de Melbourne, onde alguns episódios ligados ao tráfego influenciaram a corrida de Fernando e Felipe, a escolha de antecipar os pit stops e a opção pelas três paragens [nas boxes] foi a decisão correcta, sobretudo, para superar os carros que iniciaram a prova fora do top 10, com os pneus mais duros”, avalia a equipa, sem entrar em detalhes sobre a diferença de três voltas entre as segundas paragens dos seus pilotos.

O alemão Adrian Sutil, da Force India-Mercedes, largou no 11º lugar, com pneus médios, e era um desses pilotos que estava à frente da dupla da Ferrari. Após o pit stop, Fernando Alonso voltou à pista praticamente junto a Adrian Sutil e ultrapassou-o na primeira curva do Circuito de Albert Park. Felipe Massa, por sua vez, regressou das boxes atrás do alemão e ficou preso, sem conseguir superar o piloto da Force India-Mercedes.


Massa lamenta estratégia


Quarto colocado na primeira prova de Fórmula 1 em 2013, o Grande Prémio da Austrália, o piloto Felipe Massa (Ferrari) disse estar satisfeito com o começo de temporada, mas acredita que podia ter terminado numa posição melhor se não fosse um erro de estratégia.

“Não dá para se ficar totalmente contente quando se termina em quarto lugar depois de se ter lutado para vencer. Foi um começo positivo, mas errámos na segunda paragem”, comentou Massa em declarações ao canal de televisão espanhol “Antena 3”.

“Pareceu cedo demais quando Fernando (Alonso) entrou nas boxes, mas foi uma decisão acertada, porque ele ganhou duas posições e eu perdi duas”, completou o brasileiro, que não escondeu a insatisfação por ter feito o segundo pit stop depois do companheiro de equipa.

“Fiquei aborrecido por Fernando ter parado antes de mim. Essa decisão condicionou a minha corrida e fez-me perder posições”, considerou.


NA MALÁSIA
Vettel promete corrida hilariante


Sebastian Vettel começou a sua campanha pelo quarto título mundial consecutivo da Fórmula 1 com um terceiro lugar, no último domingo, na Austrália. O alemão acha que a prova de abertura da época não reflecte o que vai acontecer no resto do ano.

O piloto, de 25 anos, mostrou que o Red Bull-Renault continua veloz, o que lhe permitiu obter a “pole position” na qualificação. Durante a corrida, foi convincentemente batido pelo Lotus-Renault de Kimi Raikkonen e pelo Ferrari de Fernando Alonso.

No ano passado, a primeira vitória de Sebastian Vettel só aconteceu no quarto Grande Prémio, no Bahrein.
“O que vemos em Melbourne dificilmente vira tendência para as duas corridas seguintes”, afirmou.

Sebastian Vettel disse ao “site” oficial da categoria, após a prova disputada em Melbourne, que o primeiro vislumbre foi visto na prova de domingo, mas as pessoas estão longe de terem uma ideia da ordem das coisas.

“A Malásia é uma pista completamente diferente e, pelo que vimos, tudo depende de como os pilotos lidam com os pneus. Vamos ver condições completamente diferentes e vamos usar pneus diferentes. Então há muitas diferenças em relação a Melbourne”, disse.


EM SEPANG
Nico Hulkenberg usa carro de reserva


O piloto alemão Nico Hulkenberg foi apanhado de surpresa pouco antes da largada para o Grande Prémio da Austrália e não pôde estrear-se pela Sauber-Ferrari na época de Fórmula 1 de 2013. O germânico lamentou o problema técnico que o impediu de correr e agora concentra-se na disputa do Grande Prémio da Malásia, em Sepang, onde vai usar o carro de reserva.

“Estou muito decepcionado, mas, ao mesmo tempo, não estou a culpar ninguém. Coisas assim acontecem em corridas”, declarou Nico Hulkenberg.
A Sauber-Ferrari optou por não colocar o carro na pista por uma questão de segurança, uma vez que se detectou uma fissura no depósito de combustível.

A equipa vai enviar o carro de volta para a fábrica, com o objectivo de analisar melhor o problema. Nico Hulkenberg deve usar o carro de reserva na segunda prova da época.


NO ANO PASSADO
Mexicano Pérez “cuidou” de Alonso


No ano passado, enquanto defendia a Sauber-Ferrari na Fórmula 1, Sergio Pérez diz que a Ferrari lhe pedia “com frequência” para “cuidar” de Fernando Alonso. Actual titular da McLaren-Mercedes, o mexicano foi entre 2011 e 2012 ao mesmo tempo titular da equipa suíça e membro da Academia de Pilotos da Ferrari.

Em entrevista publicada pelo jornal espanhol “Marca”, Sergio Pérez foi questionado se os pilotos teriam “uma atitude distinta” quando vêem nos espelhos retrovisores o espanhol Fernando Alonso ou o alemão Sebastian Vettel.

“Para mim dá na mesma se é Vettel ou Alonso. O único para quem facilitaria é o meu companheiro de equipa, se isso nos desse um grande resultado no fim-de-semana”, assegurou.

Entre 2011 e 2012, Sergio Pérez foi ao mesmo tempo titular da Sauber e membro da Academia de Pilotos da Ferrari. A equipa italiana é a fornecedora de motores da equipa suíça.

Para esta época, o mexicano foi contratado pela McLaren-Mercedes. O actual parceiro do jovem piloto é o britânico Jenson Button.