Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

FIA estabelece sistema de pontos

07 de Janeiro, 2015

Outros requisitos como trezentos quilômetros na condução da F1 moderna e conhecimento dos regulamentos

Fotografia: AFP

Na esteira do efeito Max Verstappen, piloto holandês que foi contratado pela equipa Toro Rosso de F1 aos 16 anos de idade e  vai fazer a sua estreia na categoria máxima aos 17 anos, a FIA anunciou a criação de um sistema de pontos que pretende dificultar a expedição da Super Licença - obrigatória na principal categoria do planeta.

A partir da temporada de 2016, os pilotos vão ser obrigados a ter carta de condução, 18 anos ou mais e experiência e resultados satisfatórios em outras categorias. Outros requisitos são: 300 quilômetros na condução da F1 moderna e conhecimento dos regulamentos da categoria.

O novo sistema de pontos vai exigir que os pilotos tenham 40 pontos – ao longo de um período de três anos. O dobro do total que Verstappen tinha obtido em 2014.Os campeões da GP2, Fórmula 3 Europeia, Campeonato Mundial de Endurance (classe LMP1) e da Fórmula Indy iam garantir imediatamente os pontos necessários.

ESCOCESA SUSIE WOLFF FAZ TESTES NA WILLIAMS
A escocesa Susie Wolff, nova piloto de testes da Williams para 2015, vai conduzir o carro da equipa nos testes colectivos da Fórmula 1 em Barcelona, entre os dias 19 e 22 de Fevereiro.

O anúncio foi feito pela própria Susie na sua conta no twitter. “Faltando seis semanas até meu primeiro teste no Williams FW37, o foco é total na forma física e na preparação”, disse. A participação foi posteriormente confirmada pela própria equipa, de acordo com  o site GP Update.Em 2014, o responsável pelos testes era Felipe Nasr, contratado para ser titular da Sauber em 2015. Então piloto de desenvolvimento da Williams, a britânica foi promovida a piloto de testes para a próxima temporada da F1.

Barcelona vai acolher a segunda e a terceira jornada de testes, entre 19 de Fevereiro e 1 de Março, com uma pausa nos dias 23, 24 e 25 de Fevereiro. Antes disso, as equipas contam com programação colectiva em Jerez de la Frontera, de 1 a 4 de Fevereiro – para estes dias, a Williams ainda não anunciou quem vai ser o responsável por pilotar o novo carro.

Na última temporada, Wolff participou de treinos livres nos GPs da Inglaterra e da Alemanha, tornou-se a primeira mulher em mais de duas décadas a integrar a programação oficial de um GP. Além disso, ela foi responsável por boa parte dos trabalhos no simulado da equipa.

PARA VETTEL
Suspensão da Ferrari
pode trazer problemas


De acordo com a revista italiana Autosprint, a equipa da Ferrari pode continuar com a suspensão (utilizada nos últimos anos) no carro que vai disputar a temporada 2015 de F1. O sistema, conhecido como “pullrod”, com as devidas actualizações e adaptações está a ser utilizado desde o campeonato de 2012.
A “pullrod” pode significar um monoposto com o nariz menor e um melhor centro de gravidade. Todavia, por outro lado, o sistema tem acerto difícil e mostra-se menos sensível às mudanças de configuração.

A suspensão “pullrod”, de acordo com as informações que circulam pelos bastidores da escuderia de Maranello, podia explicar a diferença notável de performance do finlandês Kimi Räikkönen em comparação com o espanhol Fernando Alonso, no ano passado. Kimi reclamou bastante da frente do carro Ferrari em 2014.
A manutenção do sistema de suspensão pode significar problemas de adaptação do tetracampeão Sebastian Vettel ao bólido italiano nesse ano. O alemão, contratado a peso de ouro pela equipa para substituir Alonso, está acostumado a um dispositivo mais sensível, preciso e ágil.